26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosTratamento de sementes na fazenda ou industrial?

Tratamento de sementes na fazenda ou industrial?

 

O tratamento de sementes é como um seguro da lavoura, que pode impedir prejuízos e garantir a produção

 

Tratamento de sementes industrial - Crédito Ademir Henning
Tratamento de sementes industrial – Crédito Ademir Henning

Ainda que não haja diferença, em termos de eficiência, entre os tratamentos de sementes na fazenda ou industrial, a modernização do sistema industrial tem saído à frente.

Ademir Henning - Pesquisador Embrapa Soja
Ademir Henning – Pesquisador Embrapa Soja

Segundo Ademir Henning, pesquisador da Embrapa Soja, “os equipamentos sofisticados de tratamento industrial de sementes (TIS) com a adição de polímeros permitem que as grandes empresas acrescentem mais uma série de produtos à semente. Claro que o tratamento é de melhor qualidade, pois tudo é feito de forma computadorizada. Coloca-se fungicidas, inseticidas, nematicidas (em alguns casos) enraizadores (eventualmente), micronutrientes (Co e Mo), pós-secantes, enfim, cada um tem o seu espaço“, detalha.

E para os pequenos?

Para os pequenos produtores que não são associados a nenhuma cooperativa, há a possibilidade de tratar a própria semente, cujo uso é permitido pela lei 10.711 que foi regulamentada pelo Decreto 5.153 e a Instrução Normativa Nº 9 “Tudo que ele precisará é um tambor giratório ou betoneira, e adquirir produtos registrados no MAPA, seguindo os cuidados para evitar contaminação“, informa Ademir Henning.

Profissionalismo

O tratamento industrial da semente (TIS)  hoje realizado tem equipamentos com capacidade para tratar de 20 a 30 ton/hora, sem erros e de acordo com a necessidade do produtor, que tem a tranquilidade e segurança da operação realizada corretamente, de acordo com as necessidades de sua lavoura.

Tratamento de sementes industrial - Crédito Ademir Henning
Tratamento de sementes industrial – Crédito Ademir Henning

Àsemente podem ser acrescidos os fungicidas (sistêmico e de contato), e se necessário também os inseticidas, nematicidas, enraizadores, aminoácidos, cobalto e/ou molibdênio. Os fungicidas, principalmente as misturas de fungicidas de contato e sistêmico, controlam os principais patógenos que podem ser transmitidos pela semente além de garantir boa emergência das plântulas no campo “Isso é especialmente importante quando a região ainda não tem a determinada doença“, pontua o pesquisador.

Porém, devem-se ter cuidados com o volume final da calda. Sementes com problemas de vigor mais baixo devido à ocorrência de danos mecânicos podem não “suportar“ volumes elevados de calda e consequentemente soltar o tegumento (casca) e não germinar, causando mais problemas do que trazendo benefícios.

Objetivo do tratamento

O tratamento de sementes tem como finalidades limpar o material para que ele não contamine a lavoura, e o mais importante, proteger a semente no solo de fungos, especialmente no tempo incerto de chuvas, que vivemos atualmente.

“A semente de soja precisa de 55% do peso dela em água para germinar. Senão, ela incha, vira um ‘grão de feijão’ e apodrece. E é ai que entra o fungicida, que repele os organismos do solo, que são os fungos do gênero Aspergillus, principalmente o Aspergillus flavus, de coloração verde, que causa o apoderecimento da semente no solo. A proteção que o tratamento com os fungicidas de contato e sistêmico assegura a semente, em casos de falta de água, garante que caso a semente não atinja o 55% ela pode não germinar, porém, ela resiste, não deteriora e quando houver umidade suficiente, a semente germina. Na falta da proteção com os fungicidas, a semente fica a mercê dos fungos presentes no solo e deteriora“, esclarece Ademir Henning.

Proteção eficiente

Existem mais de 100 doenças relatadas em soja no mundo, sendo que mais ou menos 40 delas apresentam importância econômica no Brasil. O tratamento de sementes, além de controlar os principais fungos fitopatogênicos transmitidos pela semente como: Phomopsis sp., Fusarium sp. Cercospora kikuchii (causador da mancha púrpura da semente) e o fungo causador do mofo-branco, Sclerotinia sclerotiorum, através dos fungicidas benzimidazóis (MBC´s) aliados a um bom fungicida de contato que garantem o bom estabelecimento da lavoura.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui e adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Porta-enxertos – Propagação ideal da ameixa

A ameixeira pertence à família Rosaceae, à subfamília Prunoidae e ao gênero Prunus, dentro desse gênero se encontram as duas mais importantes espécies de ameixeiras cultivadas atualmente: Prunus salicina Lindl. e Prunus domestica L.

Colheita de feijão mecanizada x manual

  Ricardo Ferreira Garcia Professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro " UENF garcia@uenf.br O processo de mecanização agrícola consiste na troca do trabalho agrícola manual...

Soja resistente aos nematoides otimiza produtividade

Os fitonematoides se destacam pela sua importância econômica, principalmente em culturas como a soja, o milho e o feijão. As principais espécies-praga são distribuídas em quatro gêneros, que são Heterodera, Meloidogyne, Pratylenchus e Globodera (Davis e Curty, 2011; Moens e Perry, 2009) que acometem várias culturas agrícolas.

Irrigação inteligente economiza água e não desperdiça

  Por Cristiano Jannuzzi, gerente agronômico da Netafim Brasil   Recentemente uma discussão está bastante presente no agronegócio: o uso de água para a irrigação na agricultura....

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!