Tratamento de sementes para nutrir as plantas

0
226

Diversas vantagens podem ser associadas ao tratamento de sementes para fornecer cobre e zinco. Uma primeira vantagem a ser citada se refere ao melhor desenvolvimento inicial das plantas, o que resulta em maior resistência da cultura a estresses bióticos e abióticos.

Baseado nas recomendações, o tratamento de sementes trata-se de uma técnica viável para as lavouras brasileiras - Crédito Fernando Gomes
Baseado nas recomendações, o tratamento de sementes trata-se de uma técnica viável para as lavouras brasileiras – Crédito Fernando Gomes
O tratamento de sementes com micronutrientes melhora o desenvolvimento inicial das plantas - Crédito Shutterstock
O tratamento de sementes com micronutrientes melhora o desenvolvimento inicial das plantas – Crédito Shutterstock
O fornecimento de cobre (Cu) e zinco (Zn) por meio de sementes tratadas pode ser uma alternativa viável e eficaz para produtores que lidam com a deficiência das duas substâncias no solo - Crédito Pioneer Sementes
O fornecimento de cobre (Cu) e zinco (Zn) por meio de sementes tratadas pode ser uma alternativa viável e eficaz para produtores que lidam com a deficiência das duas substâncias no solo – Crédito Pioneer Sementes

A segunda vantagem, considerada como grande benefício do tratamento de sementes se refere à possibilidade de fornecer uma quantidade exata dos nutrientes por semente, o que resultará na mesma quantidade por planta no campo. E a terceira vantagem diz respeito à disponibilidade desses micronutrientes às plantas desde o início do crescimento da cultura.

Eficácia

Segundo o engenheiro agrônomo Marcos Altomani Neves Dias, essa técnica se mostra muito eficaz, pois proporciona elevada absorção e aproveitamento dos elementos pelas plantas. Resultados de diversos ensaios conduzidos com a cultura do milho indicaram aumento no rendimento de grãos, principalmente em regiões de cerrado.

A técnica

O tratamento de sementes de milho com cobre e zinco pode ser realizado diretamente na fazenda, antes da semeadura. “Caso o produto utilizado não seja prejudicial à qualidade das sementes, a operação de tratamento pode ser feita com maior antecedência ao plantio e as sementes, armazenadas por período prolongado“, ensina o agrônomo.

Ao realizar o tratamento em sementes de milho, Marcos Altomani recomenda calcular a dose por semente (baseado em sacos geralmente contendo 60 mil sementes), ao invés de utilizar unidades de peso/massa como padrão. Isso evita o excesso de produto aplicado em sementes pequenas (de menor peneira), o que pode comprometer a qualidade do tratamento e, posteriormente, a operação de semeadura.

O tratamento ideal

A escolha do tratamento ideal de cobre e zinco na semente é uma etapa que demanda muita atenção por parte do produtor. “Vale ressaltar que a formulação contendo os nutrientes possui grande influência na absorção e utilização dos nutrientes pelas plantas e, por isso, não podemos considerar apenas os elementos em si (cobre e zinco). O produto deve ser indicado para o tratamento de sementes, sendo criteriosamente testado para tal finalidade em estudos anteriores. O agricultor precisa estar seguro de que o produto proporcionará uma absorção satisfatória dos nutrientes pelas plantas, sem causar fitotoxicidade. Além disso, tais tratamentos devem ser compatíveis com os demais produtos geralmente aplicados em sementes de milho (inseticida, fungicida etc.)“, indica Marcos Altomani.

Custo

O custo da operação é baixo, além de a quantidade de fertilizante aplicado também ser relativamente pequena. Com isso, o custo dessa tecnologia pode ser considerado muito baixo em relação ao total da produção. “O custo-benefício do tratamento de sementes é favorável ao produtor, principalmente nos casos em que a técnica já seria realizada para outras finalidades, como a aplicação de inseticidas, fungicidas, bioestimulantes etc.“, afirma o agrônomo.