19.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiTripes no tomate - Chegou a hora do controle

Tripes no tomate – Chegou a hora do controle

Luana Karolline Ribeiro

Graduanda em Agronomia – Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)

lukarolline@icloud.com

Fabiano Pacentchuk

Engenheiro agrônomo, mestre em Produção Vegetal e doutorando em Agronomia “Unicentro

fabianopacentchuk@gmail.com

Crédito Luiz Henrique Bambini
Crédito Luiz Henrique Bambini

A cultura do tomate destaca-se por ser uma das principais hortaliças produzidas no Brasil e, dessa forma, é grande a sua importância econômica para o agronegócio, pois é fonte de renda e de empregos. Em 2017, a área total cultivada de tomate foi de aproximadamente 58 mil hectares e a produção foi em torno de 3,7 milhões de toneladas (IBGE, 2017).

Os principais fatores que afetam as plantas e, consequentemente, a produtividade do tomateiro são os ataques de pragas e doenças. Dentre essas, destacam-se as viroses, que além de causarem grandes prejuízos na produção e na qualidade final dos frutos são de difícil controle (Lima e Michereff, 2015).

Um dos principais grupos de vírus que infectam o tomateiro são os tospovírus, responsáveis por ocasionar a doença conhecida por “vira-cabeça“. Esse vírusé transmitido por um inseto conhecido popularmente por tripes.

 

Danos

Ao se alimentarem da seiva, os tripes ocasionam danos diretos e indiretos. Os danos diretos são consequência da retirada da seiva, sendo que, quando o ataque ocorre nas folhas, as mesmas tornam-se descoradas.

Se o ataque ocorrer nas flores, pode ocasionar esterilidade, e se a parte da planta atacada for os frutos novos, estes terão seu desenvolvimento impedido (Galloet al., 2002). Entretanto, o maior e mais importante dano pelo qual os tripes são responsáveis consiste na transmissão da virose vira-cabeça, uma das mais importantes doenças que acometem a cultura do tomate.

O vírus do vira-cabeça do tomateiro é transmitido por tripes que, ao se alimentar de plantas já doentes, tornam-se contaminados pelo vírus. Posteriormente, esses insetos são disseminados, principalmente pelo vento,indo para locais com plantas de tomate sadias. Então, ao sugarem a seiva dessas plantas, inoculam o vírus nas mesmas, contaminando-as.

Sintomas de tripes na lavoura de tomate - Crédito Wellington Brito
Sintomas de tripes na lavoura de tomate – Crédito Wellington Brito

Sintomas

Adoença é denominada “vira-cabeça“ devido ao sintoma típico pelo qual ela é responsável, que consiste na curvatura do ponteiro da planta. Sua importância na cultura do tomate deve-se ao fato de ser uma doença bastante severa e que é responsável por drásticas reduções na produção, bem como na qualidade do produto final. Além disso, o custo final da produção aumenta muito devido às medidas de controle necessárias.

Além de todos os problemas ocasionados por tripes, tem-se ainda o fato de que seu controle é difícil e os inseticidas químicos apresentam cada vez mais redução na sua eficiência.

Controle

Uma das principais estratégias necessárias para controlar este inseto, e consequentemente o vírus por ele transmitido, consiste na adoção de medidas de controle preventivo, tais como: uso de sementes e mudas de boa qualidade;preferência por cultivares resistentes à virose; monitoramento semanal por meio de armadilhas adesivas juntamente com inspeções nas plantas; isolamento da área que receberá o cultivo com barreiras físicas formadas por plantas, as quais devem estar com mais de 01 m de altura no momento do transplantio das mudas de tomate para que assim o deslocamento dos tripes seja dificultado; eliminar plantas daninhas próximas à área antes da implantação da cultura; realizar transplantio de mudas somente após 21 dias após a semeadura e longe de áreas com tomateiros mais velhos (Lima e Michereff, 2015).

Manejo químico

Com relação ao controle químico, este deve ser realizado de maneira consciente e de acordo com a prescrição de um engenheiro agrônomo, uma vez que os tripes apresentam rapidamente resistência aos inseticidas, sendo então necessárias doses adequadas e rotação de produtos de diferentes grupos químicos (Omoto, 2000).

É importante, ainda, direcionar o jato de pulverização de baixo para cima, pois a maioria dos produtos funciona quando entra em contato com o tripes, exigindo assim uma aplicação mais homogênea na parte superior e inferior das folhas (Lima e Michereff, 2015).

Portanto, devido à importância dos tripes e do vírus por ele transmitido, é de extrema importância um manejo adequado, por meio de monitoramentos semanais e integrando práticas de manejopara que assim os problemas relacionados a este inseto sejam reduzidos.

Além disso, é importante salientar que, se houver produtores de tomate próximos à propriedade, os mesmos também devem adotar as práticas de manejo, pois somente dessa forma o controle será eficiente na região.

Essa matéria você encontra na edição de abril 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Alerta geral para a mosca-branca

Edison Ryoiti Sujii Engenheiro agrônomo, doutor em Ecologia, PhD e pesquisador na área de Controle Biológico da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen) edison.sujii@embrapa.br Pedro H. B....

Estratégias contra fundo preto em tomate

É muito comum encontrarmos em plantas de tomate, aparentemente saudáveis, os sintomas de fundo preto nos frutos. Por isso, conhecer suas características e causas é necessário para a aplicação correta das técnicas preventivas.

Efeito da pulverização do Black Gold na produtividade do milho

  Cleyton da Silva Domingos Leonardo Régis Pereira Thiago Pinheiro de Oliveira Estudos sobre a utilização de ácidos húmicos e fúlvicos na agricultura têm aumentado ano após ano....

Genética é a saída para doenças do tomateiro

Cristiana Maia de Oliveira Engenheira agrônoma e doutoranda em Fitotecnia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) cristiana.maia@hotmail.com Carlos Antonio dos Santos carlosantoniods@ufrrj.br Danielle Perez Palermo daniellepalermo@ufrrj.br Engenheiros agrônomos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!