25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosUniparts - Confiança é tudo

Uniparts – Confiança é tudo

Créditos Luize Hess
Créditos Luize Hess

Júlio César Pereira Júnior é sócio-gestor da fazenda Pombo, em Uberlândia e Estrela do Sul (MG), onde são plantados soja, milho, café, feijão e trigo no total de 3.720 ha no verão e 2.400 ha no inverno e ainda 160 ha irrigados.

O produtor conta que é cliente da Uniparts há 20 anos não por amizade, mas por confiança, que ele considera ainda mais importante. “Confiança é algo que não temos em qualquer lugar. Acredito que o Mineirinho, que é sócio-gerente da Uniparts, faça o melhor negócio para mim para garantir que nós dois nos mantenhamos prósperos em nossas atividades“, explica.

O último equipamento adquirido por Júlio César foi o pulverizador Stronger 3036, da Kuhn, com barra de alumínio, para culturas anuais. E a confiança se fez novamente. Mineirinho conta que o produtor já adquiriu o pulverizador Parrudinha, depois o Parrudão, e quando quis renovar com o Stronger, participou, sem saber, da promoção que lhe deu uma viagem para a França. “A Kuhn fez uma campanha para quem comprasse esse modelo de máquina em 60 dias, que possui barra de alumínio fabricada na França, e ganhava uma viagem para lá. O Júlio nem sabia disso, mas comprou o equipamento e ganhou“, relata.

De pai para filho

Pulverizador Stronger 3036, da Kuhn - Créditos Luize Hess
Pulverizador Stronger 3036, da Kuhn – Créditos Luize Hess

O pai de Júlio César, de quem ele inclusive herdou o nome e a visão empreendedora, foi quem começou as atividades agrícolas na propriedade, sendo um dos precursores do plantio de soja em Uberlândia e região.

Júnior conta que seu pai, com jeito mineiro e de fala mansa o desafiou a introduzir a safrinha quando tudo ainda era muito novo. “Precisamos colocar segunda safra em pelo menos 70% da área de primeira safra“, alertou o patriarca. Foi quando então decidiram investir na ideia.

“Quando escolhemos por comprar determinado equipamento, consideramos que a máquina não vem sozinha. Ela deve ter garantia de assistência técnica e profissionais que possam ajudar no que precisamos. Gostamos da Kuhn por causa da Uniparts e do Mineirinho, pois quando precisamos de assistência técnica, somos sempre bem atendidos. Deixamos o equipamento lá de olhos fechados, porque confiamos no trabalho deles e sabemos que não fazem nada de má fé“, afirma o produtor.

Com o novo pulverizador adquirido da Kuhn via Uniparts, a expectativa de Júlio César é de uma safrinha mais eficiente para atender o novo projeto do grupo. “Estamos nos organizando para sermos ainda mais eficientes. E eficiência, para mim, está em plantar rápido para ter uma colheita rápida, e então ter uma safrinha farta. Estamos investindo muito nisso, e para conseguirmos, preciso de um pulverizador com maior capacidade. Tenho que pulverizar mais rapidamente com a mesma eficiência que eu já tinha“, considera.

A Kuhn garante as expectativas do produtor serão atendidas, porque com o novo equipamento e o mesmo operador, haverá menor amassamento, redução de consumo de diesel, visto que a barra é de alumínio e o equipamento é mais leve.

Júlio César começou com um pulverizador de 18 metros, passou para um de 25 metros, depois 27 metros, seguido por 30 e agora um de 36 metros.

Eficiência e rapidez

O produtor Júlio César e sua equipe - Créditos Luize Hess
Créditos Luize Hess

A janela de plantio é muito curta atualmente, e por isso todas as operações devem acontecer rapidamente. “O conceito de safrinha há quatro anos para a nossa região era para louco. Ninguém acreditava. Mas, ainda assim, introduzimos a safrinha, e a primeira safra, que era com plantio de soja de 130 a 140 dias, passou a ser de 105 a 110 dias (diminuímos 30 dias do ciclo). Depois disso as operações passaram a ser mais rápidas. Colhíamos em março e passamos a colher em fevereiro. Em 2016 plantamos em 25 de setembro, o que até então nunca havia acontecido. Acreditamos que quanto mais antecipado, melhor. Esse ano a expectativa de vinda da chuva é para 10 de outubro. Por isso teremos que encurtar ao máximo possível o tempo para fazer essa lavoura. Pretendemos fazer dois turnos de plantio – plantar em 15 dias e colher em 30“, revela Júlio César.

Com a nova técnica, ele espera reduzir o custo fixo. Na pulverização, o gargalo era a necessidade de aumentar os hectares pulverizados em um único dia, que foi solucionado com o Stronger. “Precisamos e vamos aumentar a quantidade de hectares pulverizados por dia, pois ele nos dará aumento de 20% de autonomia“, informa.

Neste ano, a expectativa do produtor é plantar em 20 dias, 10 a menos que em 2016, e para isso terá que aumentar em 33% sua agilidade, segundo as contas que ele mesmo fez. “Nesse ano eu nem espero por aumento de produtividade, porque depende muito do clima. A minha média produtiva normal de soja é de 57 a 60 sacas por hectare. Nesse ano nossa média foi de 74 sacas, uma produtividade maior do que as nossas expectativas. A ideia é ter sustentabilidade econômica, e lucratividade é o que mais está ‘linkado’ ao nosso negócio“, pontua Júlio César.

Pragas e doenças

O controle da ferrugem asiática se tornou uma prática de calendário.“Ela existe e temos que sair desse problema a partir da eficiência da pulverização. Ao plantar mais cedo, conseguimos amenizar isso. Nesse ano tive problemas com cigarrinha, no ano passado com mosca-branca, mas estamos cercado de profissionais que confiamos e o controle tem sido bem feito. Temos eficiência de operação para chegarmos antes das pragas“, considera o produtor.

Mineirinho fica feliz por participar do sucesso do amigo-cliente. “Considerando que se tivermos um sistema de abastecimento perfeito, teremos capacidade de pulverizar no mínimo 250 a 300 ha/dia, dependendo da vazão. Se for de 300 litros por hectare, fará menos área por dia. Se a vazão for de 100 litros, a área percorrida será muito maior. Ou seja, no mínimo essa máquina faz 200 hectares por dia.

O produtor finaliza com uma afirmação: “O resumo de tudo é a confiança x eficiência. A Uniparts é muito eficiente, enxuta e bem organizada. É disso que preciso“, conclui.

Essa matéria você encontra na edição de outubro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Potássio melhora a frutificação do mamoeiro

  Aureliano Nogueira da Costa Engenheiro agrônomo, doutor em Solos e Nutrição de Plantas e pesquisador do Incaper aureliano@incaper.es.gov.br A fertilidade do solo e a nutrição de plantas...

Perspectivas do setor de tomate industrial

  Rafael de Rezende Sant´Ana Engenheiro agrônomo e vice-presidente da ABRATOP (Associação brasileira de tomate para processamento) Abadia dos Reis Nascimento Doutora e professora da Universidade Federal...

Vittia 3T23: micros de solo têm maior receita

Companhia segue com foco no futuro e investe em dois novos Centros de Distribuição.

Colheita de algodão se inicia em junho

Segundo maior produtor de algodão, a Bahia está na reta final para a colheita de algodão na safra 2019/2020 prevista para ser iniciada a partir de junho. A perspectiva dos produtores baianos é de manter em alta a sua produção na atual safra agrícola 2019/2020, que deve se manter em torno dos 1,5 milhão de toneladas (caroço e fibra), número alcançado, de forma histórica, na safra passada pelos produtores baianos. Com o plantio iniciado em dezembro passado, a safra ocupa uma área total de 313.566 mil hectares, e a perspectiva é de atingir a produtividade média de 300 arrobas por hectare. Os dados são da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), que completa 20 anos de atuação em prol do desenvolvimento da cotonicultura no estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!