27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiUvas: Qual o porta-enxerto ideal?

Uvas: Qual o porta-enxerto ideal?

Autores

Adilson Pimentel Junior Engenheiro agrônomo, mestre e professor – Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos (UNIFIO)adilson_pimentel@outlook.com

Aline Mendes de Sousa Gouveia Engenheira agrônoma, doutora e professora – UNIFIOalinemendesgouveia@gmail.com

Matheus GiugniGraduando em Agronomia – UNIFIOmatheusgiugni@outlook.com

Uvas – Créditos: Adilson Pimentel Junior

Os porta-enxertos da videira, conhecidos como cavalos, não produzem frutos, no entanto, são vigorosos e apresentam sistema radicular resistente às pragas e situações adversas do solo, transmitindo seu vigor e resistência para variedades-copa enxertadas. Na viticultura nacional, os porta-enxertos são obrigatórios e representam uma tecnologia simples, com resultados significativos para o desenvolvimento e crescimento das parreiras.

Principais porta-enxertos para as uvas

Entre as variedades de espécies americanas de Vitis, destacam-se a Rupestris du Lot (Vitis rupestris, var. du lot), a Riparia Gloire (Vitis riparia, var. Gloire de Montpellier), a Berlandieri Resseguier (Vitis berlandieri, var. Resseguier) e a Solonis (Vitis longii, var. Solonis).

Quanto aos híbridos, que são originários do cruzamento entre espécies distintas, temos: Ripária do Traviú (Vitis riparia x Vitis cordifoliaVitis rupestris), 101-14 (Vitis riparia x Vitis rupestris), Kober 5 BB (Vitis berlandieri x Vitis riparia), 420 A (Vitis berlandieri x Vitis riparia), Richter 99 (Vitis berlandieri x Vitis rupestris), SO4 (Vitis berlandieri x Vitis riparia) e Golia (Vitis rupestris x Vitis riparia – Vitis vinifera).

Visando a expansão no cultivo de videiras em regiões de clima tropical, o Instituto Agronômico (IAC) teve importante contribuição para a viticultura nacional, com o lançamento de porta-enxertos híbridos denominados “tropicais”, sendo os mais utilizados o ‘IAC 766 Campinas’ (Ripária do Traviú x Vitis caribaea), ‘IAC 572 Jales’ (Vitis caribaea x 101-14) e o ‘IAC 313 Tropical’ (Golia x Vitis cinerea). Estes materiais apresentam alto vigor, compatibilidade com diversas variedades-copa e adaptabilidade a diversos tipos de solos, especialmente a solos ácidos.

A seleção

Os principais critérios a serem observados na seleção do porta-enxerto da videira são: resistência a filoxera; nematoides; adaptação aos solos ácidos, calcários ou salinos; à seca ou umidade excessiva do solo; resistência a doenças fúngicas da folhagem; tolerância à deficiência nutricional; boa afinidade com a variedade produtora; compatibilidade na enxertia; facilidade de enraizamento e de pegamento na enxertia. Cada variedade deve ser selecionada atentamente para que o produtor seja atendido em suas exigências.

Manejo

A técnica de produção de mudas de videiras enxertadas é dividida em três etapas. Inicialmente, o viveiro deve seguir rigorosamente o esquema de certificação de mudas, com o registro das cultivares e a absoluta pureza genética e sanitária do material.

A primeira etapa é a produção de estacas de porta-enxertos, sendo que a coleta do material é realizada na ocasião da poda de inverno, quando as videiras estão em repouso vegetativo e com os sarmentos lignificados.

As estacas dos porta-enxertos devem possuir de 07 a 12 mm de diâmetro e 28 a 30 cm de comprimento, contendo oito a 10 gemas por estaca. São formados feixes de 200 estacas, os quais são armazenados em câmara fria com temperatura entre 3,0 e 5°C e 95% de umidade relativa, o que possibilita a superação da dormência e estratificação das estacas em tempos distintos que variam de 15 a 20 dias.

A segunda etapa é o plantio das estacas, sendo o porta-enxerto cortado no comprimento de 28 cm, removendo-se todas as gemas, deixando uma ou duas gemas no topo para a brotação. Enterra-se 2/3 do comprimento da estaca no solo, no local de plantio, respeitando os espaçamentos previstos, sendo que após um ano de crescimento é realizada a terceira etapa, que consiste na enxertia da variedade-copa, que pode ser realizada por garfagem no topo em fenda cheia, atenção nos diâmetros dos materiais que devem ser compatíveis. O enxerto deve apresentar de uma a duas gemas.

A muda pode ser obtida pela enxertia de mesa ou chamada de muda de raiz nua. Por existirem várias etapas muito criteriosas, é produzida por viveiros registrados e por pessoas especializadas, caso contrário as perdas são grandes.         

Investimento x retorno

[rml_read_more]

No campo, observam-se diversas interferências do porta-enxerto junto à variedade copa. O êxito da enxertia se dá pela compatibilidade ou afinidade entre o porta-enxerto e a variedade enxertada, que imprime maior vigor e rusticidade às parreiras, melhorando sua produtividade.

As características agronômicas e fisiológicas das cultivares-copa, tais como vigor, produção, tamanho de cachos e bagas, repartição de fotoassimilados, teor de açúcares e acidez dos frutos e outros compostos importantes para a qualidade das uvas podem ser influenciados pelo porta-enxerto.

As inúmeras espécies e variedades de porta-enxertos permite o aproveitamento de vários tipos de solos e climas, o que possibilitou a expansão da viticultura na região nordeste do País, devido ao uso dos porta-enxertos tropicais. Alguns ainda são tolerantes aos nematoides, e seu uso viabiliza uma produtividade rentável das plantas em regiões infestada.

O custo-benefício é grande ao se utilizar plantas enxertadas, possibilitando aumento na qualidade e produção de frutas, bem como utilização de áreas antes não recomendadas para o cultivo comercial de plantas.

Erros

Hoje, com as informações cada vez mais apuradas, são poucos os erros na escolha de variedades de porta-enxertos, sendo que o sucesso na produção das plantas está mais relacionado ao tipo de enxertia, também dependente do manejo aplicado pelo viticultor, como irrigação, adubação, controle fitossanitário e escolha da variedade copa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Agristar do Brasil completa 60 anos e inaugura matriz em São Paulo

  No mês de junho, a Agristar inaugura a sua nova matriz em Santo Antônio de Posse (SP), após investir na modernização de maquinário industrial,...

Manejo do boro e manganês na soja

O manejo adequado do boro e manganês na soja é essencial para garantir uma colheita abundante e saudável.

Mudas – Condição essencial para o sucesso do cultivo

Lourenço Nyssen Diretor da Holantec " Consultoria em Fruticultura holantex@uol.com.br A aquisição de mudas com garantia de qualidade é fundamental para o sucesso da atividade, principalmente após...

Termotécnica apresenta embalagens iPack para vinhos

A Termotécnica - uma das maiores indústrias de soluções de embalagens em EPS no Brasil ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!