18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Lançamentos VII Encontro Técnico Algodão da Fundação MT debate os principais assuntos da...

VII Encontro Técnico Algodão da Fundação MT debate os principais assuntos da cultura

 

Edição teve relatos de produtores sobre doenças e maior tempo para debates

Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

Com o tema “Informações a favor da cotonicultura“, a Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso ” Fundação MT, realizou a sétima edição do Encontro Técnico Algodão nos dias 6 e 7 de agosto, em Chapada dos Guimarães (MT). O evento, já tradicional, reuniu produtores, consultores, agrônomos, pesquisadores e técnicos para a aquisição de novas informações através de palestras e debates. O evento atrai profissionais de todo o Centro-Oeste para o aprofundamento dos temas mais importantes para o período e apontamentos futuros.

O diferencial desta edição foi o acréscimo de tempo para as discussões entre o público e palestrantes, e também o relato de profissionais que acompanham o dia a dia das fazendas, sobre doenças no algodão na safra 2014/2015. Elton José Emanuelli, coordenador de Produção de Algodão da Sementes Bom Jesus foi um deles e ressaltou os problemas enfrentados nas áreas do grupo em todas as regiões de Mato Grosso. Sobre o evento, Elton destaca que as discussões sobre clima, mercado e lançamentos de cultivares foram essenciais para o momento.

Alexandre Jacques Bottan, produtor de Campo Novo do Parecis e Sapezal, municípios de Mato Grosso, também apresentou relatos sobre doenças em suas áreas e frisou que acrescentar maior tempo aos debates dá a oportunidade de aprofundamento. “Esses momentos permitem dialogar sobre aquilo que está sendo desenvolvido pelos profissionais que atuam no campo e pelas instituições de pesquisa“, colocou.

Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

No primeiro dia de evento, um dos destaques foi a palestra da pesquisadora Marina Rondon. Em ascensão na cultura do algodão, a doença Corynespora cassiicola já é observada há algumas safras com variações no nível de agressividade a cada período. “Essas variações de severidade de safra em safra dificultam o controle químico porque fica difícil saber o momento certo da aplicação“, destaca. A especialista apresentou resultados de pesquisas realizadas pela instituição, em anos distintos, para verificar e entender a patogenicidade de inoculados de Corynespora em algodão, crotalária e soja. “Foi possível observar que o desenvolvimento dos sintomas da doença em plantas de soja é mais lento quando comparado com os outros hospedeiros – algodão e crotalária“, informou.

A programação do Encontro Técnico também apresentou e debateu a previsão climática 2015/16, fatores ambientais sobre a característica da fibra, controle químico sobre doenças, perspectivas para o mercado do algodão, rotação de culturas dentro do sistema de produção, melhoramento genético e posicionamento de cultivares de algodão, resultados de controle de mosca-branca e lagartas, e bicudo do algodoeiro.

Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

O evento teve o patrocínio da Arysta LifeScience, Basf, Bayer CropScience, CCAB, Oxyquímica Agrociência, Quimifol, Stoller, Syngenta, TMG, Vale e recebeu apoio da Associação Mato-Grossense dos Produtores de Algodão (Ampa).

Inicio Lançamentos VII Encontro Técnico Algodão da Fundação MT debate os principais assuntos da...