23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 17, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesVocê sabia que a sua saúde depende da saúde do solo?

Você sabia que a sua saúde depende da saúde do solo?

Você sabia que o solo é acima de tudo um meio vivo e que contém mais de um quarto das espécies animais e vegetais conhecidas em nosso planeta?

Valter Casarin, coordenador científico da NPV

Você sabia que o solo é acima de tudo um meio vivo e que contém mais de um quarto das espécies animais e vegetais conhecidas em nosso planeta? Nesse ambiente, cada metro quadrado abriga milhares de animais invertebrados, como minhocas ou formigas, várias dezenas a várias centenas de milhares de espécies de fungos e bactérias. 

Por solos “saudáveis” entendemos principalmente aqueles que contém uma diversidade de organismos que contribuem para sua fertilidade, que não poluem o meio ambiente e que são ricos em matéria orgânica. Nessas condições, os solos podem cumprir adequadamente suas diversas funções ecológicas.

A saúde do solo é frequentemente descrita pela forma como funciona e não pelo que é. Esse local onde as plantas crescem é um sistema muito complexo e estamos aprendendo cada vez mais sobre ele todos os dias. Entre as principais funções identificadas pelos cientistas, podemos citar, por exemplo, a retenção, circulação e infiltração de água ou a retenção e fornecimento de nutrientes às plantas, ações essenciais para a manutenção dos ecossistemas e que também são essenciais para o ser humano atender às suas necessidades básicas. 

Os solos saudáveis são de fato a primeira condição para a produção dos nossos alimentos e para a nossa qualidade de vida: fornecem nutrientes e abrigam os organismos graças aos quais os vegetais crescem – limitando também as doenças e pragas – contribuem para regular a qualidade da água que consumimos, o clima local e global que toleramos – em particular armazenando duas a três vezes mais carbono do que a atmosfera.

Apesar do seu papel principal, o solo é um recurso não renovável na escala da vida humana e está sujeito a muitas pressões, muitas delas causadas por atividades que causam a sua degradação. Como são necessários algumas centenas de milhares de anos para formar 1 cm de solo saudável, desta forma, a sua preservação é fundamental para a manutenção do seu potencial produtivo.

Por isso, impermeabilização, compactação causada pela mecanização das atividades agrícolas e florestais, escavação, poluição por pesticidas, produtos químicos e plásticos, erosão ligada ao desmatamento, são degradações que resultam em inúmeras e crescentes pressões como, urbanização galopante, demanda exponencial de alimentos ou produção de biomassa como alternativa aos recursos fósseis.

Quando falamos de solos urbanos, existe uma grande diversidade de situações, com solos mais ou menos degradados por estarem, muitas vezes, desestruturados e compactados, o que desequilibra a sua composição em elementos minerais e matéria orgânica, e contêm vários poluentes, que afetam a biodiversidade e o funcionamento biológico dos solos.

Por último, a desestocagem de carbono no solo provocada pelas atividades humanas, também têm efeitos nefastos sobre o solo. As fortes chuvas que se intensificam contribuem em particular para a sua erosão.

Felizmente, os avanços tecnológicos e o desejo crescente da indústria de adotar práticas agrícolas ecologicamente corretas permitem obter bons rendimentos, minimizando o impacto ambiental. A saúde das plantas começa com o solo. Quando os agricultores implementam práticas de restauração ou equilíbrio biológico do solo, como cobertura vegetal, rotação de culturas ou fertilizantes, isso melhora as interações entre o solo e a planta. Essas práticas podem ajudar a diminuir a resposta negativa de uma planta ao estresse ambiental e também aumentar a produtividade.

Além da restauração de solos agrícolas e da reabilitação de solos urbanos, vários caminhos são possíveis para promover um desenvolvimento urbano mais sustentável. Por exemplo, é possível reinvestir e densificar áreas já construídas ou impermeabilizadas, desenhar arquiteturas urbanas economizadoras de espaço ou prever formas de gestão diferenciadas através da recriação de espaços verdes de forma a promover continuidades ecológicas e combater o calor urbano ou limitar as inundações.

Preservar a biodiversidade dos solos agrícolas e florestais, mas também reabilitar os solos urbanos , significa melhorar a capacidade das nossas sociedades para enfrentar o futuro. Ao nível da agricultura, isto implica alterações de práticas, nomeadamente no “reabastecimento” do solo em matéria orgânica e na diversificação das culturas. 

O manejo adequado da microbiologia traz o solo de volta à vida e aumenta a disponibilidade de nutrientes que uma planta pode usar para melhorar o crescimento das raízes e possivelmente a imunidade e a supressão de doenças. Ao mesmo tempo, a matéria orgânica é devolvida ao solo, criando um ciclo virtuoso para as safras futuras e deixando um legado duradouro para as novas gerações.

Agora pense que 20% dos solos ao redor do mundo foram degradados por práticas agrícolas. Deixar nossos campos intocados por milhares de anos não é uma resposta realista à degradação da terra. No entanto, uma solução viável pode ser encontrada por meio de práticas agrícolas baseadas na conservação e repovoamento do solo com microrganismos benéficos que melhoram a saúde e a qualidade do solo.

Sobre a NPV 

A NPV – Nutrientes para a Vida – nasceu com objetivo de melhorar a percepção da população urbana em relação às funções e os benefícios dos fertilizantes para a saúde humana. Braço da fundação norte-americana NFL – Nutrients For Life – no Brasil, a NPV trabalha baseada em informações científicas. O uso de fertilizantes de forma responsável e correta é o caminho para oferecer à sociedade oportunidade para maior segurança alimentar e qualidade nutricional dos alimentos e, sobretudo, produzindo de forma sustentável e com total respeito ao ambiente. Nutrir o solo, através dos fertilizantes, é a forma mais sensata de produzir alimentos em quantidade e qualidade para as pessoas, além de valorizar a preservação de nossas florestas. 

A missão da NPV é esclarecer e informar a sociedade brasileira, com base em estudos científicos, sobre a importância e os benefícios dos fertilizantes na produção e qualidade dos alimentos, bem como sobre sua utilização adequada.

A NPV tem sua sede no Brasil, é mantida pela ANDA (Associação Nacional para Difusão de Adubos) e operada pela Biomarketing. A iniciativa conta ainda com parceiros como: Esalq/USP, IAC, UFMT, UFLA e UFPR.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fazenda aumenta produtividade da lavoura e amplia área de gado com uso de sementes forrageiras em sistema integrado

Propriedade que fica localizada no município de Uruçuí, no Piauí utiliza as sementes Advanced da Soesp e tem implemento de até 10 sacas de soja por...

Ácidos húmicos e insumos biológicos na agricultura

AutorGean Charles Monteiro Engenheiro agrônomo, mestre e doutorando em Agronomia - FCA/UNESP – Campus de Botucatu (SP) gean.monteiro@yahoo.com.br As substâncias húmicas (ácido húmico, ácido...

Análise de solo determina operações subsequentes

  Silvino Guimarães Moreira Doutor em Agronomia, Professor de Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas da Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) silvino@ufsj.edu.br Os...

Técnica inédita avalia carbono no solo

Pela primeira vez a técnica fotônica Espectroscopia de Fluorescência Induzida por Laser (LIFS) foi ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!