25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasA importância dos micronutrientes

A importância dos micronutrientes

Foto: Dário Pauletto

Para o bom desenvolvimento das culturas, uma série de elementos químicos são fundamentais. Entre eles, os micronutrientes, como o boro (B), cloro (Cl), cobre (Cu), zinco (Zn), ferro (Fe), manganês (Mn), molibdênio (Mo), cobalto (Co), silício (Si) e níquel (Ni).

Sabemos que os micronutrientes estão condicionados à “lei do mínimo”, que diz: o nutriente presente em menor quantidade tende a ter efeito limitante sobre a planta. Sendo assim, são essenciais e absorvidos em pequenas quantidades (a unidade de medida é miligramas por quilograma de matéria seca da planta – mg/kg de MS).

É necessário entender melhor as necessidades nutricionais de cada cultura, conhecer os sintomas causados pelas deficiências e garantir uma nutrição com fertilizantes adequados.

Conhecendo os elementos

Os micronutrientes são divididos em aniônicos: boro (B), cloro (Cl) e molibdênio (Mo). E os catiônicos: cobre (Cu), manganês (Mn), zinco (Zn) e ferro (Fe).

Eles também são classificados com base na sua mobilidade dentro da planta, tendo a possibilidade de se translocar no caso de surgir a deficiência desse elemento em determinado momento do desenvolvimento.

Alguns elementos são imóveis, como o boro (B) e o cálcio (Ca); outros apresentam menor mobilidade, como o cobre (Cu) e o ferro (Fe); já o cloro (Cl), sódio (Na), molibdênio (Mo) e zinco (Zn) apresentam maior mobilidade.

Sabendo disso, podemos diagnosticar a deficiência causada pelo desequilíbrio de um determinado elemento químico de acordo com as características de cada uma das regiões da planta.

A deficiência de elementos imóveis ou com menor mobilidade se manifesta nas folhas novas e na área de crescimento da planta. Já os elementos móveis geram deficiências nas folhas velhas e partes já formadas da planta.

Ou seja, quando observamos uma alteração visual em folhas velhas, podemos associar a um desequilíbrio nutricional dos elementos que translocam dentro da planta. E quando ocorre nas folhas e áreas vegetativas novas, o desequilíbrio está associado aos elementos imóveis.

Resumindo: os sintomas de deficiência são expressão de distúrbios metabólicos resultantes de um suprimento insuficiente de um determinado elemento.

Equilíbrio é fundamental

Fatores que podem levar a insuficiência ou excesso de determinado elemento:

– Falta ou insuficiência de um determinado elemento no balanço nutricional da solução nutritiva ou da correção do solo;

– Quantidades excessivas de um determinado elemento podem induzir a deficiência de outro, como, por exemplo, o excesso de manganês pode induzir a deficiência de ferro e molibdênio;

– Para quem planta em solo, a deficiência ou excesso de cada elemento pode surgir por questões geológicas do solo da região. Também sabemos que solos arenosos ou pobres em matéria orgânica são deficientes em micronutrientes;

– O pH do solo ou do substrato é o principal fator que regula a disponibilidade ou falta dos micronutrientes para a planta. Assim, temos que pH menor do que 6,5 aumenta a disponibilidade de ferro (Fe), cobre (Cu), manganês (Mn) e zinco (Zn); e acima de 6,5, disponibilizam molibdênio (Mo), cloro (Cl) e boro (B);

– A disponibilidade de ferro (Fe) e manganês (Mn) está relacionada com a condição de aeração do solo e/ou do substrato;

– O desbalanceamento entre cátions metálicos por uma inibição competitiva, como a deficiência de manganês (Mn), ocorre pelo excesso de ferro (Fe);

– Também temos o desbalanceamento entre os íons que podem ser antagônicos, ou seja, quando a presença de um íon não deixa manifestar a toxicidade de outro. Por exemplo, a relação entre o cobre (Cu) e o cálcio (Ca);

– Sinérgicos: quando a presença de um facilita a presença do outro.

Foto: Dário Pauletto

A importância de cada micronutriente

Sabemos que a deficiência de um determinado elemento ou desequilíbrio nutricional provoca mudanças morfológicas e bioquímicas nas plantas, podendo aumentar ou diminuir sua resistência ao ataque de pragas ou doenças.

Molibdênio (Mo): participa da absorção, transporte e fixação do nitrogênio, sendo componente de diversas enzimas. Sua deficiência se manifesta com clorose generalizada entre as nervuras e a necrose das folhas mais velhas, favorecendo infecções em geral e ataques de pragas devido ao acúmulo de nitratos nas folhas;

Cobalto (Co): essencial para a fixação do nitrogênio. Sua deficiência se apresenta nas folhas novas, como o amarelecimento e enfezamento da planta;

Zinco (Zn): essencial para o crescimento da planta, muitas enzimas requerem íon de Zinco (Zn2+) para suas atividades, fazendo parte de hormônios reguladores de crescimento e da síntese da clorofila. Sua deficiência promove a redução do crescimento internodal e clorose em folhas novas, além do aparecimento de Oidium sp e Phytophthora sp;

Cloro (Cl): está envolvido na fotossíntese e no transporte de outros nutrientes, como potássio, cálcio e magnésio. É encontrado nas plantas como íon cloreto (Cl), sendo necessário para a divisão celular tanto em folhas quanto em raízes;

Boro (B): ativador de crescimento e multiplicação celular, é vital para o metabolismo e translocação de açúcares, promove o crescimento do tubo polínico e a germinação do grão de pólen. Plantas com deficiência de boro podem exibir uma grande variedade de sintomas, dependendo da espécie e idade da planta. Entre eles está a necrose das folhas jovens e gemas terminais, devido à inibição da divisão celular. Com a deficiência desse elemento, as paredes celulares se tornam mais finas, apresentando menor barreira mecânica, favorecendo a penetração de hifas de fungos e o aparecimento de Botrytis sp. Diminui também a capacidade da planta de translocar açúcares solúveis das folhas para o caule, aumentando a concentração desses açúcares, que são alimento para pragas;

Manganês (Mn): é um ativador da fotossíntese, respiração e síntese de proteínas. Proporciona melhor aproveitamento de cálcio, magnésio e fósforo. O principal sintoma da deficiência é a clorose internervura, que pode ocorrer em folhas jovens ou mais velhas, dependendo da espécie vegetal e da taxa de crescimento. A deficiência favorece também a manifestação de infecção bacteriana;

Cobre (Cu): o cobre está envolvido no processo fisiológico da planta, como a fotossíntese, respiração, regulação hormonal e também é responsável pela promoção de maior resistência a doenças. Sua deficiência gera manchas necróticas das folhas jovens, estendendo-se para a base das folhas. Sob extrema deficiência, as folhas podem cair prematuramente;

Ferro (Fe): o ferro é essencial para a síntese de proteínas e nos processos da fotossíntese, além de ser fundamental para a formação da clorofila. Sob condições de deficiência extrema, as nervuras das folhas podem se tornar cloróticas;

Silício (Si): este micronutriente está presente nas plantas em pequenas quantidades. Plantas deficientes em silício são mais suscetíveis ao acamamento e a infecções fúngicas.

Causas mais comuns de deficiência nutricional de micronutrientes

Molibdênio (Mo):

Solo: deficiência provocada pela acidez do solo.

Solução nutritiva: estar em concentração menor do que a exigida pela planta; diminuição da disponibilidade quando o pH for menor que 5,5 e deficiência induzida pelo excesso de cobre.

– Zinco (Zn):

Solo: deficiência provocada pela pobreza do solo; calagem excessiva e correção fosfatada do solo em excesso.

Solução nutritiva: estar em concentração menor do que a exigida pela planta; diminuição da disponibilidade quando o pH for maior que 7 e inibição competitiva com excesso de fósforo, cálcio, boro ou magnésio.

– Boro (B):

Solo: pobreza do elemento no solo; acidez excessiva e deficiência de matéria orgânica e lixiviação.

Solução nutritiva: estar em concentração menor do que a exigida pela planta; baixa disponibilidade quando o pH for acima de 7 ou abaixo de 5 e deficiência induzida pelo excesso de fósforo.

– Manganês (Mn):

Solo: deficiência gerada pela calagem excessiva; excesso de matéria orgânica e solos encharcados.

Solução nutritiva: estar em concentração menor do que a exigida pela planta; excesso de retenção de água pelo substrato; baixa disponibilidade quando o pH for acima de 7 e deficiência induzida pelo excesso de ferro.

– Cobre (Cu):

Solo: deficiência nutricional do solo; calagem excessiva e excesso de matéria orgânica.

Solução nutritiva: estar em concentração menor do que a exigida pela planta; baixa disponibilidade quando o pH for acima de 7 e inibição competitiva com o molibdênio e induzida pelo excesso de fósforo.

– Ferro (Fe):

Solo; deficiência pelo excesso de calagem; excesso de umidade e excesso de matéria orgânica no solo.

Solução nutritiva: estar em concentração menor do que a exigida pela planta; substrato com o pH acima de 7; ineficiência na drenagem do substrato e inibição competitiva com o manganês.

Quando recorrer à aplicação de fertilizantes foliares?

Sabemos que a principal fonte de nutrição das plantas vem da adubação do solo ou do preparo da solução nutritiva, e que a forma mais eficaz de absorção de nutrientes é pela raiz, sendo a adubação foliar uma forma de complementar a nutrição.

Entre as vantagens do uso de foliares está a correção de deficiências específicas e momentâneas em determinado estágio de desenvolvimento da planta, como, por exemplo, o boro em pré-florada, o zinco em intenso florescimento ou mesmo o potássio em plena produção de frutos.

A seguir, outras recomendações para o uso de foliares:

– Quando existir uma deficiência específica de determinado elemento;

– Quando em um determinado estágio da planta houver necessidade de complementação nutricional, como cálcio e boro em pré-florescimento;

– Impedimento físico ou químico de absorção pelas raízes, como um solo compactado ou um substrato encharcado;

– Em condição de frio extremo, quando a atividade radicular é reduzida;

– Também devemos ficar atentos quanto à mobilidade do elemento. Assim, a aplicação foliar de cálcio e boro deve ser feita sempre de forma preventiva. Já os demais micronutrientes podem ser aplicados de forma corretiva.

– Os micronutrientes podem ser aplicados preventivamente para evitar deficiências futuras.

Cuidados especiais:

– Ambiente favorável para a aplicação;

– Evitar horas mais quentes do dia;

– Evitar alguns tipos de misturas que podem provocar queimaduras nas folhas e;

– Ajustar o pH para melhor disponibilidade dos nutrientes. Ideal entre 5 e 6.

Considerações finais

Para obtermos sucesso na produção precisamos, além do conhecimento técnico, contar com informações que só podemos obter com resultados de análises químicas e físicas do solo e/ou do substrato. Os resultados obtidos, quando bem interpretados, geram um programa de nutrição seguro para cada tipo de cultura.

Ressaltamos também a importância dos resultados de análise foliar, que quando feitas de forma correta, podemos perceber a real interação da planta com o aproveitamento nutricional obtido pela adubação.

Assim, com os resultados das análises em mãos e uma boa orientação técnica, o produtor obterá sucesso no uso e aplicação de seus fertilizantes.

ARTIGOS RELACIONADOS

O sistema ideal para cultivar morangos

Mário Calvino Palombini Engenheiro agrônomo e consultor técnico vermelhonatural@hotmail.com   Existem vários sistemas de produção de morango em semi-hidroponia ou hidroponia por gotejamento. Todos eles possuem vantagens e...

Aquafértil tem foco em nutrição de plantas

O Encontro de Hidroponia 2016 foi semelhante à edição de 2015, segundo Marcelo Cristóvão Arrighi, diretor da Aquafértil, exceto pela surpreendente presença de produtores...

Calhas beneficiam cultivo de tomate mais saudável

Douglas José Marques Professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas) douglas.marques@unifenas.br Vladimir Landiva Representante técnico da Solotec Soluções Agrícolas A crescente demanda por...

Programa Aplique Bem leva treinamento gratuito sobre defensivos agrícolas a produtores do Circuito das Frutas

Iniciativa para uso seguro de defensivos agrícolas une Instituto Agronômico, prefeitura da cidade de Jundiaí e a empresa americana Arysta LifeScience; agricultor será membro...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!