24.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiÁcidos húmicos - Mais umidade para o solo

Ácidos húmicos – Mais umidade para o solo

Nilva Teresinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL)

nilva@unipinhal.edu.br

Créditos Shutterstock
Créditos Shutterstock

Todas as formas de vida estão ligadas à água, que é o maior componente das plantas. Entre todos os órgãos dos vegetais, as sementes são os que contêm teores menores de água, chegando a apresentar, em oleaginosas, apenas 5 a 7%.

A água nas plantas é, realmente, de vital importância. Entre as funções que desempenha estão: solvente para os nutrientes minerais e substâncias orgânicas, veículo para absorção de nutrientes (via raiz e parte aérea), é fundamental para o metabolismo das plantas, participando como reagente ou o meio para que ocorra todos os outros tipos de reações, é o veículo para absorção, transporte via xilema e redistribuição das substâncias orgânicas e de minerais, via floema participa da fotossíntese (como doador de elétrons na fase clara) e responde pela manutenção da turgescência.

Assim, a provisão de água no solo é extremamente importante para a vida e a produtividade dos cultivos. Portanto, a capacidade do solo em reter água é fundamental para os vegetais.

Condições para a absorção de água

A retenção de água no solo é influenciada pela textura e estrutura do solo.Textura nada mais é do que a proporção de argila, silte e areia presentes no solo, que têm como características diâmetro de partículas e reatividade peculiares.

A fração argila corresponde a partículas de diâmetro menores que 0,002 mm e de alta reatividade. As partículas de silte são menos reativas que as primeiras e de diâmetro entre 0,002 – 0,02 mm. A fração areia, material pouco reativo, se divide em:areia fina com diâmetro entre de 0,02- 0,2 mm e a areia grossa, com partículas entra 0,2-2,0 mm.

Os solos são classificados em grupos, de acordo com a sua textura, em função dos teores de argila. Veja na tabela 1:

Classe de solos Teores de argila (g/kg de terra fina seca ao ar)
Muito argiloso Maior que 600
Argiloso Entre 350 e 600
Textura média Entre 150 e 300
Arenoso Menor que 150

Quanto menor os conteúdos de argila, menor será a retenção de água no solo. Entretanto, solos muito argilosos têm problemas de infiltração de água, o que provoca menor quantidade dela no perfil do solo. Assim, haverá maiores problemas em solos muito argilosos e arenosos.

O conhecimento da textura é importante no manejo dos solos quanto à fertilidade e práticas conservacionistas.

Experimentos comprovam que a inclusão dos ácidos húmicos beneficia a produção - Créditos Shutterstock
Experimentos comprovam que a inclusão dos ácidos húmicos beneficia a produção – Créditos Shutterstock

Estrutura do solo

Por estrutura do solo se entende o resultado da agregação das partículas dele, originando formas definidas, que podem influenciar:

  1. Na retenção de água.
  2. Na penetração e distribuição das raízes no solo.

Se o solo é mal estruturado, haverá problemas de disponibilidade de água, de oxigênio e de nutrientes para as plantas. A estrutura afeta a porosidade do solo (macro e microporos), onde se alojam água e oxigênio.

Um solo bem estruturado apresenta boa quantidade de poros de tamanhos relativamente grandes. Diz-se que o solo possui alta macroporosidade, o que beneficia a penetração das raízes, a circulação de ar (aeração) e a infiltração de água.

 A recuperação da estruturação de solos é um processo lento, necessitando de muitos anos para se obter algum resultado. Entre as práticas a adotar está a inclusão dos ácidos húmicos nas áreas de cultivo.

Créditos Shutterstock
Créditos Shutterstock

Os ácidos húmicos

Os ácidos húmicos fazem parte das chamadas substâncias húmicas e apresentam tamanho coloidal, desempenhando (ao lado dos ácidos fúlvicos) importante papel na estabilidade de agregados, entre outros importantes efeitos benéficos.

A estabilidade dos agregados interfere na infiltração, retenção de água e aeração do solo. Assim, os ácidos húmicos constituem um componente fundamental da capacidade produtiva dos solos e representam a fração das substâncias húmicas insolúveis em ácidos e solúveis em meio alcalino.

Devido às dimensões coloidais, os ácidos húmicos podem funcionar como cimentantes das partículas do solo. Em solos argilosos, a introdução dos ácidos húmicos pode provocar a união das argilas, formando agregados mais resistentes, o que aumenta a porosidade de solo e a capacidade de infiltração da água, bem como a oferta às plantas.

Agora, qual o papel dos ácidos húmicos, em relação ao solo? Pode-se considerar que os ácidos húmicos interferem diretamente na qualidade física do mesmo por promoverem uma aproximação das partículas e, consequentemente, a maior agregação dos solos.

O processo de agregação dos solos influi diretamente sobre outras características como, por exemplo, a densidade, porosidade, aeração, capacidade de retenção e infiltração de água. Contudo, a agregação é o ponto de partida, sem a qual os demais benefícios para o solo não ocorrem. E os ácidos húmicos são indispensáveis fatores de agregação.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

ArystaLifeScience leva linha Pronutiva à Hortitec

A ArystaLifeScience participou mais uma vez da Hortitec. Desta vez, uma equipe de especialistas da companhia ministrou palestras de curta duração com demonstrações de...

FMC consagra portfólio para Hortifrúti

A FMC AgriculturalSolutions participa há 15 anos da Hortitec, considerada a principal vitrine da América Latina, para apresentar inovações e lançamentos em hortifrúti. “Nosso...

Caqui: Embalagens podem prolongar durabilidade da fruta

Autores Veridiana Zocoler de Mendonça Engenheira agrônoma e doutora em Agronomia/Energia na Agricultura - UNESP/FCA veridianazm@yahoo.com.br Aline Mendes de Sousa Gouveia Engenheira agrônoma, doutora...

Câmeras termográficas e drones, previnem incêndio florestais?

Os grandes incêndios que atingiram a Amazônia em agosto devastaram mais de 900.000 hectares no Brasil, Bolívia, Equador, Peru e Paraguai, de acordo com o Instituto Nacional...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!