22.7 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAgronegócio olímpico sob condições adversas e sem regras para o fair play

Agronegócio olímpico sob condições adversas e sem regras para o fair play

 

José Luiz TejonMegido

Conselheiro fiscal do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM e é comentarista da Rede Estadão

 

 Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Saiu o PAP ” Plano Agrícola e Pecuário: mais cerca de R$ 30 bilhões no crédito agrícola, porém, com aumento de juros ” esse é o salto do gato. Safra passada tivemos R$ 156,1 bilhões de crédito agrícola.

Na safra 2015/16 teremos R$ 187,7 bi. Para o custeio teremos mais crédito, porém, a juros controlados, que crescem de 4,5 para 7,5%, e produtores com receita acima de R$ 90 milhões pagam 9% de juros controlados. Existirão apenas R$ 94,5 bilhões, ou seja, apenas 7,5% a mais em recursos, comparado ao ano passado.

O setor reclama que os custos de produção cresceram 15% e que a inflação será maior do que o montante do recurso oferecido para custeio a juros controlados. No custeio a juros livres, o aumento foi de 130% na disponibilidade, saindo de R$ 23 bi para R$ 53 bi. Mas juros livres na faixa de 17 a 23% ao ano.

 Para investimentos, o total dos recursos diminuiu 24%, comparado ao ano passado, também dentro dos juros controlados. Ou seja, o aumento da oferta de crédito, de verdade, está se dando a juros livres, que poderão variar conforme a instituição financeira, de 17 a 23% ao ano.

 Outras preocupações do campo estão no modelo de seguro rural, que apenas inicia neste ano com o SIS RURAL ” Sistema Integrado de Informações do Seguro Rural, e a eterna dúvida da chegada dos recursos a tempo hábil na mão dos produtores.

O pessoal do arroz reclama de não consideração dos custos do arroz irrigado, responsável por 90% do arroz consumido no Brasil, que teve consideráveis aumentos de energia elétrica, após a promessa de que o custo da energia iria cair no país.

E o programa da agricultura de baixo carbono, essencial para o posicionamento de sustentabilidade do agronegócio brasileiro, perdeu 1/3 dos recursos na próxima safra, caindo de R$ 4,5 bi, para R$ 3 bi.

O agronegócio no Brasil é uma olimpíada disputada a cada ano. Só que sob condições incertas e adversas, nunca dentro de instalações para alta performance, e com regras que promovam o fair play.

Essa matéria você encontra na edição de julho da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Nova empresa LP Sementes lança híbridos no Show Rural 2018

Resultado da aquisição de ativos da Dow AgroSciences, LP Sementes nasce com 18,5% do mercado de sementes de milho; nova marca será lançada no...

ABC Bio anuncia, no Fórum de Biodefensivos, projeto de capacitação online para disseminar conhecimento sobre defensivo biológico

Evento está sendo realizado em São Paulo e deve divulgar nesta quarta (30) pesquisa inédita com uma radiografia do mercado brasileiro de biodefensivo Até o...

Grupo Sabará apresenta ações sustentáveis por um planeta melhor

Empresa aproveita a data para reforçar o compromisso de atuar pela conservação ambiental e promover iniciativas ligadas a ESG

Kimberlit Agrociências entre as seis melhores empresas de fertilizantes do Brasil

A 12ª edição do Anuário do Agronegócio, publicado pela Revista Globo Rural, em outubro de 2016, confirma a Kimberlit Agrociências como uma das seis...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!