20.6 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 19, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosBiossoluções podem conter avanço do greening

Biossoluções podem conter avanço do greening

Saiba mais sobre a doença que está impactando a citricultura e descubra soluções sustentáveis para controlar o psilídeo dos citros

Foto: Ascenza

Desde o ano passado, o Paraná está em estado de atenção para o greening. A doença ataca os citros e se alastra pelas regiões norte e nordeste, onde está localizado o polo produtor do estado, com 20,5 mil ha de pomares de laranjas, 7 mil ha de tangerinas e 1,5 mil ha de lima ácida Tahiti.

De acordo com nota técnica emitida pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná) e a Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SEAB), um dos principais fatores que, inclusive, levou ao decreto de emergência fitossanitária, está associado ao abrupto aumento da infestação do inseto vetor, o psilídeo dos citros (Diaphorina citri).

“O decreto de emergência fitossanitária é um instrumento drástico, mas nos dá possibilidade de tomar as medidas necessárias de forma mais efetiva na tentativa de controlar o problema, pois a citricultura é uma atividade muito importante para o estado”, disse Norberto Ortigara, secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná.

Com a produção de 842 mil toneladas de frutos, a citricultura responde, sozinha, por um VBP (Valor Bruto da Produção) de R$ 827 milhões. Em São Paulo e Triângulo Mineiro, outros dois grandes polos produtores, a doença já compromete 21% da produção, segundo dados da Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus).

Biossoluções diminuem prejuízos do greening

Huanglongbing (HLB), mais conhecido como greening ou “amarelinho”, tem potencial destrutivo elevado, pois causa a queda prematura de frutos e a morte precoce da planta. Nos locais em que a infestação do psilídeo é acentuada, os produtores necessitam pulverizar inseticidas semanalmente durante o ano todo, o que pode levar à resistência do inseto, contaminação do solo e dos alimentos.

A boa notícia é que nos últimos três anos cresceu a oferta de biossoluções elaboradas a partir de microrganismos vivos, a exemplo de fungos, bactérias e até mesmo substâncias bioativas de extratos vegetais. É o caso do PREV-AM, aprovado pelo Ministério da Agricultura para comercialização em 2020.

Formulado com blends de terpenoides originários do metabolismo secundário das plantas, o produto controla exponencialmente a infestação de psilídeo. PREV-AM provoca a desnaturação da parede proteica e expulsa os fluídos corporais, matando a praga ainda na fase de ninfa. Já o inseto adulto perde a capacidade de voar e se reproduzir.

“Diferentemente da maior parte dos fitossanitários usados na agricultura, PREV-AM não ameaça a população de predadores naturais e polinizadores, a exemplo das abelhas, além de possuir baixa toxicidade à cultura e não deixar resíduos nos alimentos. Os frutos podem ser consumidos 24 horas após aplicação do produto”, explica Marlon Assunção, Global Crop Technology & Product Scouting Manager, da Rovensa Next Brasil.

Mais soluções

Outra biossolução eficaz no controle do psilídeo é o Bovenext. Lançado no ano passado pela Rovensa Next Brasil, durante o Simpósio de Controle Biológico, ele coloniza o hospedeiro até a sua morte e ainda potencializa a contaminação tarsal.

Os dois produtos podem ser utilizados juntos. PREV-AM age por contato e pode matar o psilídeo em 24 horas; o Bovenext leva os vetores do greening à morte de cinco a sete dias.

Como saber se as plantas estão com greening?

Foto: Ascenza

Segundo informações de Adriana de Cássia Mistroni da Silva, coordenadora Regional de Vendas da Rovensa Next Brasil, o sintoma inicial da doença aparece em um ramo ou um galho, que se destacam pela cor amarela.

“As folhas apresentam coloração amarela pálida formando manchas irregulares, mosqueadas. Em alguns casos, observam-se ainda o engrossamento e o clareamento das nervuras da folha”, descreve a consultora. Com a evolução do quadro, há intensa desfolha, tomando toda a copa, inclusive com morte dos ponteiros.

Em plantas novas afetadas pelo greening, em alguns casos, não se observa folhas com o mosqueado típico. Nessas, o sintoma se caracteriza pelo amarelecimento generalizado das folhas. Os frutos apresentam aspecto deformado e assimétrico, além de tamanho pequeno e intensa queda.

“É comum a ocorrência de sementes abordadas, pequenas e de coloração escura. Também pode ocorrer maturação irregular interna do fruto, onde apenas um dos lados fica maduro. Na casca, podem aparecer pequenas manchas circulares verde-claras”, conclui Adriana de Cássia.

A confirmação do diagnóstico deve ser feita por teste de reação em cadeia da polimerase, conhecido pela sigla “PCR”. O greening não tem cura, assim, pode dizimar toda a plantação, porque requer a destruição das plantas doentes.

A preocupação é nacional. Em São Paulo, por exemplo, há produtores migrando de cidades produtoras, como Bebedouro, Descalvado e Limeira para o entorno de Ubirajara e Avaré, onde as condições climáticas são desfavoráveis ao desenvolvimento do psilídeo.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

Espécies de citros que produzem repelente contra o greening

O greening, ou huanglongbing (HLB), é considerado a doença mais destrutiva dos citros atualmente e a mais temida entre os produtores, por não possuir cura ou tratamento e se propagar com alta velocidade nos pomares.

Oro Agri é adquirida pela Rovensa

Presente em 70 países e com sede em Lisboa, o Grupo Rovensa é líder mundial em soluções ...

Greening: resistência e manejo correto do psilídeo

O 26º episódio do Fundecitrus Podcast, que agora estreia em vídeo, aborda a resistência do psilídeo ao grupo dos organofosforados em algumas microrregiões no cinturão citrícola, como isso ocorre e, principalmente, o que fazer neste momento.

Corteva Agriscience apresenta ferramentas contra o greening

Linha Citrus conta com tecnologias que integram o manejo recomendado pelo Fundecitrus; os inseticidas Delegate® e Verter® SC pertencem aos grupos químicos das espinosinas e sulfoxaminas, que não possuem resistência ao psilídeo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!