20.6 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosBrócolis agradece aplicação de bioestimulantes

Brócolis agradece aplicação de bioestimulantes

Os bioestimulantes compostos por algas marinhas quanto por ácidos húmicos e fúlvicos beneficiam o desenvolvimento e a produtividade dos brócolis.

Nilva Teresinha Teixeira
Engenheira agrônoma, doutora e professora de Bioquímica, Nutrição de Plantas e Produção Orgânica – UniPinhal
nilva@unipinhal.edu.br

A importância econômica dos brócolis vem crescendo: é muito apreciado na culinária, tem excelentes propriedades nutricionais e alto valor nutricional. Sua inflorescência contém consideráveis quantidades de fibras; de vitaminas A (retinol), B1 (tiamina), de B2 (riboflavina) e de minerais como cobre, magnésio, manganês, zinco, potássio, sódio, cálcio, ferro e fósforo.

Conta ainda com quantidades expressivas de glucosinolatos, que apresentam propriedades anticancerígenas. Assim, é um alimento saudável e auxiliar na preservação da saúde.

Os bioestimulantes promovem raízes mais vigorosas, que exploram mais o solo
Foto: Shutterstock

Aspectos produtivos

No Brasil, a região sudeste é a maior produtora, destacando-se o estado de São Paulo. São vários os aspectos que influenciam a produção e a produtividade do brócolis, como a escolha da cultivar adequada ao local, preparo do solo, adubação, pragas, doenças e irrigação.

Nos tempos atuais, as mudanças climáticas, temperaturas extremas e a insolação também influenciam. A espécie tem melhor desenvolvimento e produtividade nas épocas de temperatura amena.

Para a maioria das variedades, as temperaturas máximas e mínimas ótimas estão entre 20 e 24°C, e entre 15 e 18°C, antes e depois da emergência da inflorescência central. Porém, há cultivares que se adaptam a temperaturas mais altas, quando distúrbios fisiológicos aumentam e há queda da produtividade e qualidade dos floretes.

Obstáculos e soluções

A ocorrência, no ciclo de cultivo, de temperaturas inadequadas, altas ou baixas, está entre os principais problemas para o brócolis.

Entre as ferramentas disponíveis para solucionar o problema citado e também para aumentar a produtividade e a qualidade do produto estão os bioestimulantes, entre eles os derivados de algas marinhas e de ácidos húmicos e fúlvicos, que podem ser aplicados na produção de mudas e no cultivo propriamente dito.

As algas marinhas são seres de composição extremamente rica. Então, nos seus extratos há aminoácidos, proteínas, polissacarídeos e como alginato, hormônios análogos aos dos vegetais.

Recomendações

Seu emprego via solo pode melhorar a retenção de água no perfil e, assim, a disponibilidade dela para as plantas e a resistência ao estresse hídrico. Estimula a divisão celular, promovendo raízes mais vigorosas, que exploram mais adequadamente o solo e, assim, melhora a utilização da água e de nutrientes pelas plantas.

O emprego durante o ciclo, via solo ou foliar, vai beneficiar os níveis de clorofila, a taxa fotossintética e a atividade respiratória, o que pode condicionar ganhos de produtividade, pois tais processos são os geradores da energia que é canalizada para as diversas sequências metabólicas responsáveis pela formação da produção vegetal.

Os aminoácidos presentes nas algas contribuem para que o metabolismo nitrogenado seja menos dispendioso energeticamente: para que o nitrogênio mineral dos fertilizantes se transforme em proteínas vegetais se emprega energia gerada pela planta, na forma de Adenosina Trifosfato (ATP), quantidades que diminuem significativamente quando a planta absorve os aminoácidos.

Como eles agem

Os ácidos húmicos e fúlvicos, que são derivados da decomposição microbiana de fragmentos orgânicos, são materiais que agem positivamente sobre as propriedades biológicas, químicas e físicas dos solos.

Estimulam a atividade microbiológica, melhoram a capacidade de troca catiônica, a disponibilidade de nutrientes, a estrutura e a capacidade de retenção de água dos solos e, ainda, a produção de substâncias que estimulam a divisão celular, favorecendo o enraizamento.

Beneficiam o desenvolvimento vegetativo, estimulando a taxa fotossintética e respiratória. A inclusão dos ácidos húmicos e fúlvicos no cultivo, devido às suas propriedades de melhorar a estruturação do solo, de indução de desenvolvimento da biota do solo, de estímulo às atividades metabólicas das plantas, tais quais síntese de clorofila e estímulo das enzimas respiratórias, promovem melhor produtividade e plantas mais resistentes ao estresse biótico e abiótico.

Assim, tanto os bioestimulantes compostos por algas marinhas quanto por ácidos húmicos e fúlvicos podem beneficiar o desenvolvimento e a produtividade dos brócolis.

Pesquisas

Informações na literatura indicam que insumos derivados de algas marinhas podem ser empregados já na formação de mudas, por meio de tratamento de sementes, quando o uso de extratos da alga parda Ascophylum nodosun ou de alga calcária (Lithothamnium calcareum) propiciam aumentos de taxas de germinação e plântulas mais enraizadas e melhor desenvolvidas.

No início da formação dos pellets e aplicação, citações informam que o emprego de bioestimulantes à base de glicina-betaína mais prolina e formulados com algas permite o enfrentamento de situações extremas de temperatura, seca ou salinidade e protege as plantas de estresses hídrico e térmico.

O uso no ciclo de cultivo tem proporcionado bons resultados em desenvolvimento e produtividade. A aplicação de formulados comerciais e à base de aminoácidos e de algas marinhas, em estudo realizado por Iqbal et al. (2022), trinta dias após plantio, beneficiou significativamente a altura da planta, peso verde e seco, área foliar e rendimento.

Propiciaram, também, o aumento dos teores de enzimas antioxidantes, ou seja, da superóxido dismutase, peroxidase e catalase, que protegem contra os efeitos deletérios de temperaturas extremas e de falta de água.

O uso de formulados compostos por ácidos húmicos e fúlvicos associados a aminoácidos aplicados por ocasião do plantio e ao longo do ciclo, via foliar ou drench, tem proporcionado bons resultados em produtividade, qualidade dos floretes e resistência aos raios solares e a temperaturas altas.

Os bioestimulantes

As mudanças climáticas estão propiciando períodos de temperaturas extremas, distribuição irregular de chuvas e alta incidência de raios solares, o que pode prejudicar a produtividade dos brócolis.

Uma das ferramentas que pode minimizar tais perdas são os bioestimulantes que, como já se referiu, promovem maior taxa respiratória e fotossintética, processos geradores de energia, o que torna as plantas mais resistentes a tais problemas.

Outro fator que auxilia a minimizar os prejuízos causados pelos problemas em questão é que os bioestimulantes em análise melhoram a disponibilidade no solo e os teores de água nos vegetais.

Como já se colocou, a incidência de pragas e doenças também influencia a produtividade. Os bioestimulantes, principalmente os naturais, como os derivados de algas marinhas e os compostos por ácidos húmicos e fúlvicos, estimulam a formação de fitoalexinas, que aumentam a resistência das plantas aos problemas fitossanitários.

Foto: Shutterstock

Lista de benefícios

Todos os potenciais benefícios listados fazem com que o uso dos bioestimulantes\ base de algas marinhas e de ácidos húmicos e fúlvicos propiciem plantas de brócolis e de outras e espécies vegetais mais resistência às intempéries e às pragas e doenças e, assim, mais produtividade.

O uso de bioestimulantes naturais, como os formulados com extratos de algas e de ácidos húmicos e fúlvicos, que proporcionam maior disponibilidade de nutrientes para as plantas e aproveitamento pelos vegetais, condicionam menor necessidade de uso de fertilizantes, plantas mais equilibradas e maior produtividade e qualidade dos produtos.

Já se destacou que um dos problemas no cultivo de brócolis é a ocorrência de temperaturas inadequadas durante o ciclo, quando a formação e a qualidade dos floretes são bastante prejudicadas e o emprego dos bioestimulantes compostos de algas marinhas e/ou ácidos húmicos e fúlvicos pode auxiliar no enfrentamento de tal problema.

São insumos que aumentam a disponibilidade de água e os teores dela nas plantas, melhoram o nível de energia no vegetal, tornando-a mais resistente ao frio e a altas temperaturas.

Aspecto importante

As indicações de aplicação dependem do produto e da forma de aplicação, podendo ser via solo, drench, irrigação por gravidade ou injetado no sistema – via semente – na formação de mudas – ou via foliar, podendo-se aplicar durante todo o ciclo: duas a três aplicações no desenvolvimento vegetativo e uma a duas durante o desenvolvimento dos floretes.

Para que se tenha êxito no uso, é importante considerar orientação técnica e se a ater a tais recomendações.

Lembre-se que os bioestimulantes não são fertilizantes e não os substituem. Mas, podem proporcionar melhor aproveitamento deles e, até mesmo, provocar redução das quantidades necessárias.

ARTIGOS RELACIONADOS

APP Nutrição de Safras, da Mosaic Fertilizantes, disponível para IOS e Android

Reforçando sua parceria com os agricultores, a Mosaic Fertilizantes, disponibiliza gratuitamente as versões para IOS e Android do aplicativo "Nutrição de Safras", tecnologia intuitiva para facilitar a tomada de decisão na hora de nutrir o solo.

Novas tecnologias na produção de ameixa

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

STA participa do Congresso Brasileiro do Tomate Industrial

Em sua 9ª edição, o Congresso Brasileiro do Tomate Industrial foi realizado em Goiânia (GO), entre os dias 20 a 22 de novembro de 2018, e...

Como realizar a irrigação em períodos de chuva?

É fato que a estiagem prejudica e muito a agricultura. A água é o elemento principal na vida de qualquer espécie de planta. Porém, além...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!