22.6 C
Uberlândia
domingo, junho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasBuva na soja: qual a interferência na produtividade?

Buva na soja: qual a interferência na produtividade?

Crédito Brenda Santos

Ana Laura Costa Santos
analaura.csbb@outlook.com
Brenda Santos Pontes
brenda_spontes@hotmail.com
Graduandas em Agronomia – Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Hugo César Rodrigues Moreira Catão
PhD em Agronomia e professor – UFU
hugo.catao@ufu.br

O Brasil se caracteriza como o maior produtor mundial de soja, obtendo na safra de 2020/21 uma produção de 135,409 milhões de toneladas, com uma área plantada de 38,502 milhões de hectares. Portanto, é fundamental um bom manejo da cultura para que seja possível alcançar bons resultados de produtividade a cada safra.

Diante disso, alguns quesitos merecem atenção e um deles relaciona-se à presença de plantas daninhas na lavoura, mais especificamente à buva (Conyza bonariensis e Coniza sumatrensis).

Caracterização da buva

A buva é uma espécie de planta daninha que pertence à família Asteraceae, é herbácea, ereta e altura pode chegar a até dois metros. É uma planta originária da América do Sul, e está amplamente disseminada nas regiões agrícolas brasileiras, especialmente no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

O gênero Conyza é composto por diferentes espécies, sendo as predominantes no Brasil a Conyza sumatrensis e Conyza bonariensis. É uma planta de ciclo anual, capaz de produzir mais de 110 mil sementes por planta e, devido à facilidade de dispersão (pequeno tamanho das sementes), caracteriza-se como uma espécie daninha extremamente agressiva.

Algumas das culturas afetadas pela buva são: soja, milho, cana-de-açúcar, algodão, café e batata.

Sintomas, prejuízos e danos

A presença de plantas daninhas na cultura da soja pode causar diversas interferências, que se classificam como diretas e indiretas. A forma direta se caracteriza pela competição entre a soja e a planta daninha por luz, água, espaço e nutrientes, que são recursos essenciais ao desenvolvimento da cultura e que, consequentemente, influenciam negativamente no rendimento e qualidade dos produtos.

Já o modo indireto se dá em decorrência da interferência prejudicial no manejo cultural, na colheita e no beneficiamento de grãos. Além disso, as plantas daninhas também podem ser hospedeiras de pragas e doenças, como a lagarta-do-cartucho e a Helicoverpa armigera.

Os sintomas causados pela buva na soja estão diretamente ligados à desnutrição da cultura, podendo ocasionar a redução do desenvolvimento da planta e queda na produção e qualidade.

Diante disso, o principal impacto da buva na soja ocorrerá na produtividade, visto que a competição citada irá ocasionar redução na produção. Assim, estudos mostram que a presença de uma planta daninha por metro quadrado causou queda da produção da soja em 14%.

Já com a interferência de duas e três plantas a produtividade caiu em 21 e 23%. E quando em presença de 10 buvas por m² a produtividade obteve redução de 59%.

Controle e manejo

Há algumas formas de realizar o controle da buva nas lavouras de soja, sendo necessário um manejo integrado. Assim, para inicialmente prevenir a disseminação da planta usam-se técnicas como a limpeza do maquinário para evitar que tenham sementes de buva e a realização do manejo no inverno, visto que a buva tem preferência por climas quentes e não germina em condições de baixas temperaturas.

Para de fato controlar a buva, é necessário integrar métodos culturais e químicos. Assim, uma das formas de realizar esse controle é por meio da presença de densas camadas de palhada, pois assim será reduzida a capacidade de germinação e emergência da planta daninha.

Isso ocorre pois a buva necessita da presença de luz para que ocorra a germinação e, sob densa camada de palha, a semente não irá receber o estímulo luminoso necessário. Além disso, a viabilidade dessas sementes irá reduzir de acordo com o tempo que permanecem no solo.

Todo cuidado é pouco

Já em relação ao controle químico, é necessário bastante cuidado. Isso porque, atualmente, em diferentes regiões do mundo já foi confirmada a resistência de Conyza spp. a alguns herbicidas.

Em estudos realizados por Allbrecht e Albrecht (2021) com amostras coletadas nos Estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, observou-se que 93,6% dos exemplares apresentaram resistência ao glifosato, 56,7% ao clorimurom, 22,3% ao paraquate e 19,2% ao 2,4-D.

Isso demonstra que as populações de buva apresentam alta variabilidade genética e, consequentemente, potencial evolutivo para adquirir resistência a múltiplos herbicidas. Assim, a utilização de herbicidas para o controle da buva requer cuidado e recomenda-se, no caso de herbicidas pós-emergentes, o uso associado ou sucessivo de produtos com diferentes mecanismos de ação.

Devido à resistência da buva a herbicidas, é evidente a necessidade de produtos inovadores que possam contornar esse problema. Assim, há no mercado produtos como o Piroxasulfona + Fluxioxazina, um herbicida pré-emergente que traz uma tecnologia inovadora, apresentando um longo efeito residual, alta seletividade e a capacidade de controlar plantas daninhas resistentes.

Erros no controle e como evitar

Um dos problemas relacionados ao controle da buva no Brasil é referente ao uso exclusivo de herbicidas como o glifosato, promovendo a seleção de populações resistentes. Essa resistência ocorre para que a planta seja capaz de assegurar a sobrevivência da sua espécie diante da exposição ao herbicida.

Dessa forma, as plantas passam por mutações que aumentam a sua variabilidade genética e, à medida em que o herbicida é utilizado, as plantas que são resistentes irão sobreviver e o produto se tornará cada vez menos eficiente.

Portanto, o erro no controle reside no fato de se utilizar uma única ferramenta para o manejo da buva nas lavouras. Dessa forma, para evitar erros no combate é necessária uma série de medidas, tais como: a rotação de mecanismos de ação de herbicidas; incluir no manejo herbicidas pré-emergentes; adotar a rotação de mecanismos de ação de herbicidas; priorizar o controle entressafra e a realização da limpeza de máquinas e implementos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Bicudo do algodoeiro – acerte no alvo

O bicudo-do-algodoeiro, Anthonomus grandis Boheman, (Coleoptera: Curculionidae) é a principal praga em lavouras de algodão, responsável por perdas de até 100%, caso o manejo não seja conduzido de forma eficiente.

Florindo Agro e Bionat levam conhecimento sobre MIP

Na ocasião, a Bionat apresentará suas inovações e diferenciais em produtos e serviços para o setor, de modo a contribuir com esse mercado desafiador e tão exigente em tecnologias que entregam resultado no campo.

Percevejos da soja: Alerta para os produtores de grãos

Os percevejos da soja (semelhantes a marias-fedidas) são insetos da ordem Hemiptera que se caracterizam por apresentar o aparelho bucal sugador (estiletes ou “agulhas” que usam para sugar partes da planta) e que causam grandes prejuízos a cultura.

Suplementação luminosa da Nortel recebe chancela científica da Esalq/USP pela qualidade dos grãos de soja e milho

Pesquisadora da Esalq/USP avalia que a solução de suplementação luminosa proporcionou melhor interpretação dos estímulos de luz, conforme a composição das plantas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!