22.7 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCapim-amargoso está mais resistente

Capim-amargoso está mais resistente

Marcus Fiorini

Líder de Herbicidas e CropLeader para RowCrops

 

Créditos Mauro Rizzardi
Créditos Mauro Rizzardi

Devido à alta frequência de aplicação de glifosato, inclusive em pós-emergência da soja, ocorreu uma forte pressão de seleção de biótipos de plantas daninhas resistentes que já estavam naturalmente presentes nas áreas.

O primeiro caso mundial de resistência de capim-amargoso ao herbicida glifosato foi comprovado em 2005, no Paraguai, por Adegas et al., sendo que três anos depois foi relatado, pela mesma equipe, o primeiro caso no Brasil (Heap, 2016).

A partir deste relato inicial, outros casos foram comprovados no País, estando a espécie disseminada em diversas regiões brasileiras produtoras de soja. Neste cenário de resistência, em que o capim-amargoso já era naturalmente difícil de ser controlado, o problema se agravou, com aumento do custo de controle e perdas nas lavouras, pois a matocompetição com o capim-amargoso pode interferir fortemente na produção da soja.

Observam-se situações onde infestações entre uma planta/m² e três plantas/m², e entre quatro plantas/m² e oito plantas/m² reduziram a produtividade da cultura em 23,5% e 44,5%, respectivamente (Gazzieroet al., 2012).

Medidas urgentes

Atualmente, para o manejo do capim-amargoso é recomendado que os produtores adotem os conceitos do Manejo Integrado de Plantas Daninhas (MIPD), que inclui a integração de diversas práticas, como o controle cultural (exemplo: cobertura do solo com palha), o mecânico (capinas de repasse e roçada de plantas perenizadas) e o químico (com herbicidas de mecanismo de ação diferentes do glifosato).

Em relação ao manejo químico, o controle pode ser realizado tanto em pré quanto em pós-emergência das plantas. Os principais herbicidas pré-emergentes para o controle do capim-amargoso pertencem aos seguintes mecanismos de ação: os inibidores da divisão celular, os inibidores do fotossistema II, os inibidores da síntese de carotenoides, os inibidores da ALS e os inibidores da Protox.

BOX

Controle químico

A Dow AgroSciences, considerando este cenário preocupante, está promovendo a campanha “Fim do Amargoso“. Com 135 ativações em canais de diversas regiões, a companhia está levando a informação mais completa e relevante aos produtores.

Nos campos de demonstração de resultados, por exemplo, eles podem ver a eficácia nos resultados do manejo recomendado pela Dow no combate a esta planta daninha ao usar o herbicida Verdict® R na dessecação e em pós-emergência, como também no uso do herbicida Spider® na pré-emergência para o controle da sementeira do capim-amargoso.

Além disso, no site http://fimdoamargoso.com.br/ agricultores de todo o Brasil encontram conteúdo técnico sobre a planta daninha e as melhores soluções para o seu controle.

O Verdict® R é o gramicida pós-emergente de maior espectro de controle. Possui a melhor performance nas ervas fora de estágio e é uma excelente ferramenta no controle de gramíneas resistentes ao glifosato.

O ideal é fazer a aplicação do Verdict® R quando as plantas daninhas estiverem se desenvolvendo vigorosamente. Normalmente as aplicações devem ser feitas entre 20 a 45 dias após o plantio da cultura. Apenas uma aplicação é suficiente para o controle das plantas daninhas.

Para o manejo do capim-amargoso é recomendado que os produtores adotem os conceitos do Manejo Integrado de Plantas Daninhas - Créditos Mauro Rizzardi
Para o manejo do capim-amargoso é recomendado que os produtores adotem os conceitos do Manejo Integrado de Plantas Daninhas – Créditos Mauro Rizzardi

Custo

As perdas ocasionadas pelo capim-amargoso podem ser muito elevadas, compensando o controle químico e também a adoção das práticas culturais recomendadas. O uso do graminicidaVerdict® R em dessecação e na pós-emergência da soja junto com o pré-emergente Spider®, além da ajuda no combate ao capim-amargoso, controla uma série de outras plantas daninhas, resistentes ou não ao glifosato, como por exemplo, a buva.

Esta prática muitas vezes elimina o uso de uma aplicação de glifosato em pós-emergência da soja. Com isso, toda a análise de custo-benefício fica favorável ao agricultor, pois ele terá um melhor controle das plantas daninhas, diminuindo a matocompetição com a cultura, revertendo assim em maior produtividade.

Equilíbrio, sempre

Mesmo com o grande benefício que temos com a tecnologia de culturas resistentes ao glifosato, as iniciativas de boas práticas agrícolas devem ser adequadas ao processo de cultivo.

O manejo de plantas daninhas com práticas culturais, controle mecânico e, principalmente, a rotação de ativos dos herbicidas, deve ser constantemente utilizada para não agravar mais o problema com o capim-amargoso resistente ao glifosato e também evitar o aparecimento de novas plantas daninhas problemáticas como esta.

Essa matéria você encontra na edição de janeiro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como manejar a buva?

Confira dicas sobre como controlar essa terrível planta daninha.

Clonagem do eucalipto proporciona maior produtividade e qualidade da madeira

  O setor florestal brasileiro, ao longo das ultimas três décadas, teve um avanço muito grande em termos de aumento de produtividade florestal. Na década...

Embrapa mostra “ao vivo“ benefícios do sistema radicular para o solo e sistema de diagnóstico rápido da qualidade do solo

A Embrapa também apresenta novas cultivares, benefícios do MIP, controle de nematoides, reúne, em seu estande, palestras de todas as instituições presentes no Showtec Ver...

Modernização do controle de doença de citros gera economia de 5 bilhões de litros de água

  Pesquisa do Fundecitrus mostra que é possível reduzir volume de calda, beneficiando o meio ambiente e o bolso dos citricultores Estudo do Fundecitrus propõe reduzir...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!