20.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesCuidados no pós-colheita preservam a qualidade do café

Cuidados no pós-colheita preservam a qualidade do café

Com o clima seco dos últimos dias, cafeicultores avançaram na colheita de café, atingindo 95% da área plantada no Brasil.

O Brasil avançou na colheita de café do ciclo 2023/24, beneficiado pelo clima seco que predominou nas últimas semanas. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), até o final da semana passada, 95% da produção estimada em 66,5 milhões de sacas de 60 quilos havia sido colhida. A qualidade da safra é um aspecto fundamental para a rentabilidade dos produtores e a preferência dos consumidores, e está diretamente relacionada à umidade dos grãos.

Créditos: Divulgação

A umidade é a medida da quantidade de água presente nos grãos de café, e influencia os processos metabólicos que ocorrem neles. O teor de umidade no grão deve variar entre 10% e 12%. Grãos com umidade excessiva podem deteriorar-se mais facilmente, comprometendo o aroma, o sabor e o corpo do café. Por isso, é importante monitorar a umidade dos grãos em todas as etapas da cadeia produtiva, desde a colheita até a indústria.

Para isso, os cafeicultores contam com equipamentos que permitem medir a umidade dos grãos com rapidez e precisão. É o caso do produtor Rafael Stefani, que cultiva mais de 1 milhão de pés de café em Ribeirão Corrente, na região de Franca, no interior de São Paulo. Ele utiliza medidores de umidade de grãos da Motomco para garantir que seus cafés estejam dentro do padrão ideal”.

Stefani está prestes a lançar sua própria marca de cafés especiais, chamada “Café no Brasil”, que tem como proposta valorizar a qualidade e a diversidade do café nacional. “Quero mostrar ao público os diferentes tipos e sabores de café que o Brasil produz, e também compartilhar um pouco da minha trajetória como cafeicultor”, afirma Stefani, que mantém uma conta no Instagram onde posta suas experiências e dicas sobre o cultivo do café.

“A qualidade do café depende muito de como você faz o armazenamento e secagem. Se o café ficar exposto à umidade, ele pode ficar esbranquiçado e contaminado por  fungos que comprometem o sabor e o valor do produto. Se estiver muito seco, ele pode quebrar na hora do beneficiamento e perder peso e valor”, diz Stefani.

O armazenamento e a secagem do café são etapas fundamentais para garantir a qualidade e o aroma da bebida, mas também envolvem alguns desafios e cuidados que o produtor rural precisa ter.

Um desses desafios é manter o equilíbrio entre a umidade e a secagem do café, que pode variar de acordo com o clima da região onde ele é cultivado. O produtor rural Stefani, que cultiva café há quase 20 anos, explica que esses fatores influenciam diretamente na qualidade do produto final.

Segundo ele, a forma mais comum de secar o café é usando o sol, que é uma fonte de energia natural e gratuita. Porém, nem todas as regiões têm condições climáticas favoráveis para essa prática, e algumas precisam recorrer ao uso de secadores artificiais, que têm um custo adicional. “Isso eleva os custos para o produtor”, acrescenta.

“A duração do armazenamento do café também depende do clima da região. Em regiões mais secas e quentes, o café pode ser armazenado por mais de dois anos, mas em regiões mais úmidas e frias, esse tempo pode ser menor que um ano.  Por isso, é importante ter um medidor de umidade na propriedade para você realmente conseguir saber o teor de umidade antes de armazená-lo”.

Alguns cuidados devem ser adotados durante a secagem para garantir que os frutos e grãos fiquem uniformes e com o mesmo teor de umidade. Um dos principais cuidados é determinar o ponto certo para encerrar o processo de secagem, definido pelo teor em porcentagem de umidade dos grãos, já que manter esse controle é fundamental para obter um café de alta qualidade e com sabor uniforme.

O engenheiro agrônomo  Roney Smolareck, da Loc Solution, empresa detentora da marca Motomco de medidores de umidade, explica que o medidor de umidade é uma ferramenta a mais que o produtor pode ter em sua propriedade para  conhecer melhor o seu produto.

Assim como os demais grãos, a  medição de umidade  no café deve ser sempre feita mediante o uso de equipamentos específicos. “Recomendamos ao produtor rural nosso aparelho portátil da Motomco, o 999CP, que é o modelo  utilizado nas propriedades. Ele atende todos os processos do monitoramento da qualidade do grão, fornecendo uma porcentagem de umidade muito mais confiável” explica Roney Smolareck.

De acordo com portaria do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro), após a secagem o ideal é que a umidade do grão se mantenha entre 10% e 12%, índices que seguem normas do Ministério da Agricultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cafés do Brasil ocupa área de 1,82 milhão de hectares

Em nível mundial safra 2021/2022 está estimada em 164,8 milhões de sacas, sendo 53% de cafés

Bactericida e fungicida de origem biológica é registrado para 58 culturas

Kasumin da Arysta agora é registrado para uso em 58 culturas, com destaque para café, milho e olerícolas   O bactericida e fungicida de origem biológica...

Manejo biológico favorece a produção de café

O uso do controle biológico para manejo de pragas e doenças na cafeicultura tem ...

Nanobiotecnologia e o controle de pragas e doenças

Marlene de Barros Coelho Pesquisadora Embrapa Gado de Corte (Campo Grande, MS)   A nanotecnologia é uma ciência de ponta que trabalha na nanoescala e que oferece...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!