17.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosCultivo de cacau ganha espaço

Cultivo de cacau ganha espaço

O cultivo de cacau está ganhando cada vez mais espaço, promovendo o desenvolvimento econômico e a preservação ambiental.

Andrey Vetorelli Borges
Engenheiro agrônomo – SAA – CATI Regional São José do Rio Preto
andrey.vetorelli@cati.sp.gov.br

Os pequenos produtores enxergam o cacau como uma cultura segura, já que se trata de uma commodity, com preço estabelecido em bolsa de valores e com liquidez na venda.

Em geral, os produtores não querem desistir da atividade que já possuem experiência, mas precisam buscar a diversificação para minimizar problemas com a renda quando sua cultura principal é afetada.

O Brasil figura entre os cinco maiores produtores de cacau do mundo
Créditos: Embrapa

A cultura de seringueira, por exemplo, é uma atividade altamente dependente de mão de obra especializada, e esses trabalhadores podem ser aproveitados também no cultivo do cacau, aumentando de forma significativa a renda destes trabalhadores e incentivando a sua permanência no campo.

Oportunidade

O cacau passou a despertar o interesse dos produtores, por possuir um alto potencial de valor agregado, com alta rentabilidade por área e fácil comercialização, tanto para grandes empresas quanto para produtores de chocolates artesanais.

A possibilidade de armazenar as amêndoas para negociá-las no momento mais favorável é outra característica que também atrai os produtores. Além disso, o cacau tem se mostrado uma cultura que atende aos três pilares de sustentabilidade (econômico, social e ambiental), o que também agrega valor ao produto e amplia as possibilidades de mercado.

Suporte e orientação

A CATI é um órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, responsável pela Ater no estado paulista. Seu corpo técnico, por meio da extensão rural, possui um papel fundamental de orientar o produtor, desde o planejamento do cultivo de cacau até sua comercialização ou processamento.

Os técnicos orientam os produtores para que eles adotem a tecnologia adequada para cada região e propriedade, acompanham a execução dos projetos, apoiam o produtor na obtenção de crédito e comercialização e na organização de produtores para essa cadeia produtiva.

Também atuam na divulgação das tecnologias, por meio das Unidades de Adaptação de Tecnologia, com cursos, palestras e eventos. Estão em constante aperfeiçoamento através participações em eventos da área, visitas técnicas e troca de experiências com pesquisadores do estado e da Ceplac.

Mais conhecimentos

Muitos produtores e técnicos vêm buscando informações sobre a cultura, visitando áreas e participando dos eventos promovidos pela CATI. Os principais desafios são fatores climáticos, os quais são mitigados com a adoção de tecnologias apropriadas, oferta de crédito e disponibilidade de mudas de qualidade para plantio.

Um grande avanço para o setor é a produção de mudas de qualidade em embalagens biodegradáveis a baixo custo, o que vem sendo viabilizado pela CATI Sementes e Mudas.

Inovação

Mais uma vez, o Estado de São Paulo se mostra inovador e sustentável. Após intenso trabalho de adaptação e divulgação de tecnologia realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA), por meio da extensão rural, é possível celebrar a evolução da área plantada com tecnologia e o aumento expressivo de produtores de diversas regiões interessados em investir na cacuicultura, que vem se firmando como alternativa viável dos pontos de vista econômico, social e ambiental.

Nasce, então, o Programa Cacau SP com a assinatura do Protocolo de Cooperação entre a SAA, por meio da CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) e dos institutos de pesquisa da Apta (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, por meio da Ceplac (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira) – maior autoridade em cacauicultura das Américas, que visa permitir a instalação da cadeia produtiva de forma organizada no Planalto Paulista e também no Vale do Ribeira.

O Estado possui…

• Produtores com vocação e disposição em investir na cacauicultura;

• Solos de qualidade, clima adequado, com característica de zona de escape das doenças do cacau;

• Capilaridade de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) – a CATI está presente na quase totalidade dos municípios paulistas, por meio das Casas da Agricultura – e excelência em centros de pesquisa;

• Empresas ligadas ao segmento;

• Grande mercado consumidor;

• Logística e infraestrutura de comercialização para os mercados interno e externo.

O queridinho de todos

Com origem na Amazônia e em regiões da América Central, o cacau tem seu cultivo estabelecido principalmente nas regiões norte e nordeste, que fazem o Brasil figurar entre os cinco maiores produtores do mundo.

Apesar disso, o país não é autossuficiente no atendimento ao mercado interno, sendo, portanto, um importador de outros países. E com o olhar no futuro, São Paulo abre uma janela de plantio em áreas não tradicionais de cultivo, para contribuir para o Brasil alcançar autossuficiência.

ARTIGOS RELACIONADOS

Acacia mangium – Aproveitamento de 100% da árvore

Além do aproveitamento da madeira de desbaste, a Acacia Mangium oferece tanino, mel extraído das folhas e flores, própolis, cera, geleia real e forragem...

Lavoro conclui aquisição da Coram

Coram reforça presença da Lavoro nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás.

Mercado do milho encontra sustentação pela frente

Segundo o relatório divulgado, maiores deteriorações da produção de milho tanto na Argentina quanto nos EUA podem acentuar esse cenário.

Realidade da competitividade do milho

Diante dos elevados preços do milho no país e de um oferta mais baixa, a competitividade do cereal ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!