20.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesDecolagem de safra

Decolagem de safra

A decolagem da safra promete recordes e colheitas abundantes este ano.

Por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico Agro Sustentável

Créditos: Divulgação

Estamos começando a safra de um modo bem assertivo. Neste momento, o horizonte tranquiliza as expectativas e, além disso, o campo está motivado pelo sucesso da safra 2022/2023, cujo resultado alcançou 317 milhões de toneladas de grãos, segundo a Conab. Um crescimento de 16,5% sobre o período anterior, algo em torno de 45 milhões de toneladas a mais. A maior colheita histórica de grãos. Até meados da safra, a expectativa era menor, por conta de obstáculos climáticos de seca ou chuva fora da medida certa. Mas o marcante desempenho da safrinha em produtividade e, também, o forte crescimento do trigo fecharam a colheita em ritmo ascendente e isso sempre contagia o plantio seguinte.

Na frente externa, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos reduziu as previsões para a safra norte-americana de 410 para 405 milhões de toneladas (com estoques de 120 milhões de t), o que mantém os preços olhando para cima. Há também um viés de alta para os preços dos grãos devido à guerra da Ucrânia, primeiro pela saída formal da Rússia do acordo negociado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a exportação de grãos ucranianos através do Mar Negro, o que traz novo potencial de risco para o comércio mundial de alimentos. Fora isso, há um crescente sentimento internacional de que o fim desse conflito pode não estar tão perto, mas sim distanciando-se cada vez mais.

Também no campo externo houve uma mudança de tom dos europeus em relação ao acordo com o Mercosul, o qual haviam condicionado a novas exigências ambientais e participação em compras governamentais. Com a reação brasileira demandando revisão nessas exigências, a União Europeia emitiu acenos positivos para se assinar o acordo até o final do ano. “Para nós, o acordo é muito mais importante do que as compras públicas e pequenos detalhes que podem se fechar ao final da negociação”, disse o embaixador do bloco europeu no Brasil, Ignácio Ibañez, no final de julho. Isso é positivo, pois o tratado prevê redução gradual de tarifas comerciais por 15 anos, o que mais adiante deve beneficiar o agro no mercado consumidor europeu.

No ambiente interno o Plano Safra aparentemente saiu calibrado para a expansão das colheitas e, de um modo geral, foi bem recebido pelo campo, em que pesem questões históricas que precisarão de mais ênfase com o correr do tempo, como armazenagem e seguro rural. Aliás, a chegada de mais um Plano Safra já é, em si, um motivo de confiança: é algo que quase sempre escapa à nossa atenção, mas este é o 33.o plano safra consecutivo do Brasil. Ou seja, há mais de três décadas o Plano Safra bate o ponto na porteira das fazendas, mostrando a consistência histórica de um dos pilares da governança estratégica do setor. Visão de longo prazo somada a perseverança, aprendizado, tempero de ousadia e, sobretudo, continuidade evolutiva.

O Plano Safra 2023/2024 também acolheu as demandas ambientais e climáticas ao criar estímulos às boas práticas sustentáveis por meio de bônus nos juros. Com isso, o plano entra no espírito do nosso tempo: alinha-se a demandas que hoje são crescentes em sociedades que representam mais de 70% do PIB mundial e buscam avançar na agenda da sustentabilidade e em metas de transição para uma economia verde. Para um país como o Brasil, que exporta alimentos para cerca de 200 países e alimenta algo ao redor de 800 milhões de pessoas, isso também significa compartilhar os valores do cliente, o que é fundamento essencial para se construir confiança e relevância no relacionamento comercial.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ações para evitar Doenças de Final de Ciclo já devem ser iniciadas

Aplicações de biofungicidas no manejo preventivo das culturas protegem a lavoura desde o início e ajudam as plantas a se desenvolverem melhor

Colheita de algodão se inicia em junho

Segundo maior produtor de algodão, a Bahia está na reta final para a colheita de algodão na safra 2019/2020 prevista para ser iniciada a partir de junho. A perspectiva dos produtores baianos é de manter em alta a sua produção na atual safra agrícola 2019/2020, que deve se manter em torno dos 1,5 milhão de toneladas (caroço e fibra), número alcançado, de forma histórica, na safra passada pelos produtores baianos. Com o plantio iniciado em dezembro passado, a safra ocupa uma área total de 313.566 mil hectares, e a perspectiva é de atingir a produtividade média de 300 arrobas por hectare. Os dados são da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), que completa 20 anos de atuação em prol do desenvolvimento da cotonicultura no estado.

Evento técnico norteia o setor para a próxima safra de soja

Fundação MT realiza o XXIII Encontro Técnico Soja em Cuiabá-MT, de 25 a 28 de abril. O evento que já tem inscrições abertas é uma grande oportunidade para produtores rurais e profissionais ligados ao agronegócio.

Soja brasileira da safra 2021/22 está 64,0% comercializada

Vendas do milho de verão do mesmo ano comercial alcançam 51,6%. Dados da DATAGRO.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!