27.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasEmissões por desmatamento crescem 20% no Brasil

Emissões por desmatamento crescem 20% no Brasil

Créditos Pixabay

As emissões brutas causadas por desmatamento no Brasil cresceram 20% entre 2020 e 2021, indicam dados do SEEG (Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases do Efeito Estufa) lançados nesta terça-feira, 1°. O desmate na Amazônia é o principal vetor para o aumento, sendo responsável por 77% das emissões por mudanças de uso da terra, setor analisado em recorte por pesquisadores do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) no SEEG e que envolve emissões ligadas às alterações nos padrões do território, majoritariamente, por desmatamento e fogo associado.

O aumento nas emissões por mudanças de uso da terra registrado em 2021 é maior que o observado entre 2017 e 2018, de 18%, e em todos os anos anteriores. Só é superado pela alta que houve entre 2002 e 2003, de 20%. Todos os biomas cresceram em emissões causadas por desmatamento em 2021, com maior expressividade na Mata Atlântica (65%), na Amazônia (17%) e no Pantanal (15%). No Cerrado o aumento foi de 4%, na Caatinga e no Pampa, de 3%.

“A taxa de desmatamento em 2021 na Amazônia Legal foi de 13.038 km², o maior nível desde 2006, quando o desmatamento estava em franco decrescimento desde 27.772 km² em 2004. Isso demonstra que o aumento das emissões atualmente está refletindo esse retrocesso e a redução das ações de combate e fiscalização de desmatamento no país”, explica Bárbara Zimbres, pesquisadora no IPAM e no SEEG, responsável pelo cálculo de emissões por mudanças de uso da terra no Brasil, citando dados do Prodes, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

O SEEG também apresenta como dado adicional o impacto das queimadas não associadas ao desmatamento nas emissões, que são os incêndios florestais em vegetação nativa, por exemplo. Essas emissões ocorrem por conta da degradação da vegetação nativa atingida pelo fogo, mas atualmente não são contabilizadas no Inventário Nacional de Emissões do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. O destaque é que a consideração desse tipo de queimada elevaria em 8% em média as emissões anuais do país.

“O Brasil agora tem a chance de voltar a ser um dos protagonistas globais na redução das emissões de gases efeito estufa, reduzindo o desmatamento em todos os biomas e cumprindo os compromissos assumidos internacionalmente”, diz Julia Shimbo, pesquisadora no IPAM e no SEEG.

Além do setor de mudanças de uso da terra, o SEEG calcula as emissões brasileiras por agropecuária, energia, processos industriais e resíduos. Praticamente todos os setores tiveram alta nas emissões: 3,8% na agropecuária, setor que costuma ter flutuações pequenas nos gases de efeito estufa; 12,2% no setor de energia, a maior alta desde 1973; e 8,2% no setor de processos industriais e uso de produtos. O setor de resíduos foi o único com emissões estáveis de 2020 para 2021.

ARTIGOS RELACIONADOS

Brasil é destaque na Dinamarca com tecnologia para conservação de florestas

Reconhecida na Dinamarca, a greentech Brasil Mata Viva (BMV) agora chama a atenção do setor público brasileiro.

Mercado de carbono: o crescimento e o potencial do Brasil

Descubra o potencial do Brasil no mercado de carbono! O país tem vantagem na categoria "floresta e uso de terra", com capacidade de suprir 22% da demanda global

John Deere lança primeira plantadeira florestal

A Nilgiri 1.0 é a grande novidade da companhia capaz de plantar 1200 mudas por hora e otimizar até 90% o tempo de trabalho manual.

Espécies alternativas para reflorestamentos

Autores Antônio Renan Sales de Castro Engenheiro florestal e mestrando em Ciências Florestais - Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) renansales6@hotmail.com Luan Felipe...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!