23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesFazenda brasileira aplica novo conceito de produção de lúpulo

Fazenda brasileira aplica novo conceito de produção de lúpulo

Planta típica de regiões frias começa a ser produzida em larga escala no país, um desafio vencido pela Mundo Hop. Cervejarias mineiras já estão trocando lúpulo importado pela produção local.

Gabriel Purri e Thiago Fenelon, cofundadores da Mundo Hop
Rafaela Nassam/Divulgação

O Ministério da Agricultura e Pecuária acaba de publicar o Anuário da Cerveja 2022, que tem resultados animadores para a economia. O setor cervejeiro cresceu 11,6%, com a abertura de 180 novos estabelecimentos, totalizando 1.729 cervejarias no Brasil. Acompanhando este mercado, temos o lúpulo, planta essencial à fabricação de cerveja, mas pouco produzida no país até então. Em 2023 vimos a Mundo Hop começar a mudar esse cenário, sendo a primeira produtora de lúpulo em larga escala do país.

De acordo com o anuário, a balança comercial brasileira no mercado de cerveja registra um superávit (vendeu mais do que comprou) de US$ 100.038.646. Ainda assim, observa-se que o produto nacional exportado é menos valorizado que o importado. O preço médio da cerveja brasileira exportada foi de 0,60 US$/Kg, enquanto o valor da cerveja importada foi de 0,87 US$/Kg, o que representa uma desvantagem de 31% no valor por cada quilograma da bebida.

Para Gabriel Purri, sócio-fundador da Mundo Hop, uma das explicações possíveis é a baixa qualidade que o lúpulo geralmente usado no Brasil tem. “Por ser uma planta que se adapta bem em regiões mais frias, 99% do lúpulo usado no país é importado. As safras lá fora são anuais, restando para nossos fabricantes de cerveja um lúpulo de menor qualidade muitas vezes colhidos há mais de dois anos, o que obviamente impacta no sabor e no preço da bebida”, comenta.

Em busca de mudar esse cenário, Purri e seu sócio Thiago Fenelon investiram em pesquisa para desenvolver uma técnica de cultivo que permitisse ao lúpulo crescer em solo brasileiro – com altíssima qualidade e em larga escala – e ainda aumentar o número de colheitas. Até o momento, já foram investidos mais de R$ 3 milhões pela empresa para que o Brasil ocupe o posto almejado de produtor de lúpulo. A estimativa é de investirem mais cerca de R$ 2 milhões até o final de 2024 para expansão e melhorias .

A fazenda da Mundo Hop, localizada em Mateus Leme, Minas Gerais, é capaz de produzir 15 toneladas de lúpulo ao ano, em três safras, com sete variedades: Comet, Cascade, Chinook, Saaz, Triumph, Triple Pearl e Zeus. “Temos conseguido aumentar o número de safras, nos diferenciando globalmente dos outros produtores. Isso significa que temos lúpulo fresco o ano inteiro, resultando em cervejas ainda melhores e podendo elevar o preço da bebida para exportação, explica Fenelon.

Diversas cervejarias brasileiras já estão trocando o lúpulo importado pelo lúpulo da Mundo Hop, como as marcas Capapreta, Caraça, Krug Bier, Viela, São Sebastião, Tarin e Verace. Produzido com cuidado e alta tecnologia, o lúpulo da Mundo Hop passa por uma seleção rigorosa, é levado para peletização em máquina própria, desenvolvida especificamente para atender à empresa, e embalado em atmosfera modificada, chegando em perfeitas condições às cervejarias. A expectativa dos sócios é escalar o negócio para atender fabricantes em todo o Brasil e até mesmo cervejarias de outros países. 

Sobre a Mundo Hop – É a maior produtora de lúpulo do Brasil, criada em 2019 pelos empreendedores belo-horizontinos Gabriel Purri e Thiago Fenelon. Sua fazenda de 4 hectares, localizada em Mateus Leme, Minas Gerais, é capaz de produzir até 15 toneladas de lúpulo ao ano, em três safras, com sete variedades: Comet, Cascade, Chinook, Saaz, Triumph, Triple Pearl e Zeus. A Mundo Hop se caracteriza pela inovação ao produzir em terras brasileiras e em larga escala uma planta típica de regiões frias e por um lúpulo de altíssima qualidade e frescor.

ARTIGOS RELACIONADOS

Por que o ESG sem o G não funciona?

Para se ter uma ideia da importância da tecnologia nesse processo, a automatização do processo de cálculos da remuneração variável se tornou um dos requisitos, os chamados SOXs, para todas as empresas listadas nas bolsas de valores dos EUA.

Figos em estufas: como produzir?

O figo é uma frutífera originária da região da Mesopotâmia, tipicamente de clima temperado, com bom desenvolvimento em clima frio ou mesmo em condições de inverno ameno.

Normas para produção integrada de folhosas entram em vigor em fevereiro

A partir de 1º de fevereiro, entra em vigor a Instrução Normativa nº 1 que traz as normas técnicas para produção integrada de folhosas, inflorescência e condimentais. A instrução foi publicada no dia 13 de janeiro.

Tecnologia reduz aplicação de fertilizante

A FertiSystem desenvolveu uma tecnologia, em parceria com o Instituto SENAI de Inovação em Soluções Integradas em Metalmecânica e com a Embrapa, capaz de reduzir de 14,5% a 20% a aplicação de fertilizantes, mantendo a produtividade da plantação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!