27.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFertilizante e agrotóxico são a mesma coisa?

Fertilizante e agrotóxico são a mesma coisa?

Valter Casarin
Coordenador geral e científico da NPV – Nutrientes para a Vida

Valter Casarin

Em 28 de dezembro, quando o Presidente da República realizou alguns vetos na Nova Lei dos Agrotóxicos, aprovada no Senado, a Nutrientes para a Vida (NPV) recebeu diversas mensagens sobre como ficará a situação dos fertilizantes no Brasil. Mas o primeiro e importante esclarecimento, é entender que fertilizante não é um agrotóxico. Estamos tratando de dois importantes produtos usados na agricultura, mas que possuem funções diferentes.

O registro de um fertilizante é realizado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), enquanto os agrotóxicos têm seu registro regulamentado por 3 órgãos: MAPA, Ministério do Meio Ambiente, representado pelo IBAMA, e o Ministério da Saúde, representado pela ANVISA.

De maneira bem simples, o agrotóxico é usado para eliminar, prevenir ou controlar tudo que impede o crescimento de um vegetal. Por outro lado, os fertilizantes, ou adubos, favorecem o crescimento dos vegetais, permitindo melhores produções. Assim, podemos colocar esses dois produtos em lados opostos, com funções totalmente diferentes.

De fato, os agrotóxicos consistem em destruir tudo que pode prejudicar o desenvolvimento de um vegetal, como é o caso dos insetos, das plantas daninhas e de doenças fúngicas e bacterianas. Para tanto, são usados os herbicidas (contra as ervas que competem com as culturas), os inseticidas (contra insetos) e os fungicidas (contra os fungos). Isso se assemelha como as mesmas situações que encontramos em nosso cotidiano, onde controlamos os insetos dentro de casa usando inseticidas contra o pernilongo (transmissor da dengue, zika e chikungunya) ou prevenimos doenças com o uso de vacinas (gripe, febre amarela e mais recentemente o Covid).

No que concerne aos fertilizantes, ou adubos, eles têm um objetivo totalmente diferente dos agrotóxicos, pois sua função é favorecer o crescimento das plantas, fornecendo os nutrientes que permitem o seu crescimento e desenvolvimento. Além disso, os fertilizantes permitem igualmente proteger as plantas contra certas doenças. Se fizermos uma analogia com os seres humanos, os fertilizantes são o alimento, pois é através dele que obtemos os nutrientes necessários para o nosso crescimento e nossa saúde.

A utilização de fertilizantes permite um melhor crescimento das culturas agrícolas e, consequentemente, uma maior produção de alimentos. Por outro lado, os agrotóxicos reduzem os fatores de riscos de perdas da produção, como é o caso dos insetos e plantas daninhas e, igualmente, como um medicamento contra doenças.

Podemos resumir as informações da seguinte forma:

  1. Os agrotóxicos são produtos químicos utilizados para matar ou controlar pragas e doenças, enquanto os fertilizantes são substâncias utilizadas para enriquecer o solo com nutrientes;
  2. Os agrotóxicos são usados ​​para proteger as plantas dos danos dos insetos e doenças, enquanto os fertilizantes são usados ​​para ajudar as plantas a crescer;
  3. Os pesticidas podem prejudicar o meio ambiente e a saúde humana se não forem usados ​​corretamente, enquanto os fertilizantes são geralmente seguros quando usados ​​de acordo com as instruções;
  4. Os pesticidas podem basear-se na sua química, atividade toxicológica e penetração, enquanto os fertilizantes são compostos inorgânicos e orgânicos, naturais ou sintéticos, que fornecem ao solo nutrientes necessários para o desenvolvimento das plantas;
  5. Aplicação de agrotóxicos exige o uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual), ou seja, o uso de máscaras protetoras, óculos, luvas impermeáveis, chapéu impermeável de abas largas, botas impermeáveis, macacão com mangas compridas e avental impermeável. A aplicação de fertilizante não exige o uso de EPI.

Segundo o Ministério da Agricultura e Pecuária, o país é responsável por cerca de 8% do consumo global de fertilizantes, ocupando a quarta posição, atrás apenas da China, Índia e dos Estados Unidos. Soja, milho e cana-de-açúcar respondem por mais de 73% do consumo de fertilizantes no Brasil.

Sobre a NPV

A NPV – Nutrientes para a Vida – nasceu com objetivo de melhorar a percepção da população urbana em relação às funções e os benefícios dos fertilizantes para a saúde humana. Braço da fundação norte-americana NFL – Nutrients For Life – no Brasil, a NPV trabalha baseada em informações científicas. A NPV tem sua sede no Brasil, é mantida pela ANDA (Associação Nacional para Difusão de Adubos) e operada pela Biomarketing. A iniciativa conta ainda com parceiros como: Esalq/USP, IAC, UFMT, UFLA e UFPR.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fertirrigação em viveiro de mudas

O conhecimento acerca da nutrição de plantas permitiu o desenvolvimento de técnicas de fertilização mineral, contribuindo para o desenvolvimento dos cultivos agrícolas e florestais.

Silício é a solução contra toxidez causada pelo manganês?

Autores Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas - Unifenas hudson.bianchini@unifenas.br Douglas José Marques Professor de Fitotecnia - Instituto...

Mercado de fertilizantes especiais cresce

O mercado de fertilizantes especiais superou o crescimento do agronegócio brasileiro em 2020

Nutrição vegetal da Abóbora Tetsukabuto

A abóbora japonesa tipo Tetsukabuto pertence ao gênero Cucúrbita e é um híbrido interespecífico, resultado do cruzamento de linhagens autofecundadas obtidas das espécies Cucúrbita...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!