25.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosFertilizantes organominerais na cultura do café

Fertilizantes organominerais na cultura do café

Cássio Ricardo Rodrigues Gomes

ATV da Bio Soja

cassioagrogomes@hotmail.com

Renato Passos Brandão

Gestor Agronômico da Bio Soja

renatobrandao@biosoja.com.br

Rodrigo Chiarelli

RTV da Bio Soja

rodrigochiareli@terra.com.br

 

Neste momento, há inúmeras incertezas no horizonte que podem agravar o cenário econômico, político e social do País. A crise econômica mundial de 2008 ainda não está totalmente superada. Nas últimas semanas, as incertezas em relação à economia da China geraram apreensões no mundo, inclusive no Brasil. Neste momento, a única certeza é que a China dificilmente terá, nos próximos anos, taxas de crescimento econômico de dois dígitos.

O Brasil vive uma crise única na sua história republicana: crise econômica, política e de valores. As cotações do dólar são reflexos do contexto em que se encontra o País. Além dos fatores econômicos, as mudanças climáticas são uma realidade. As temperaturas estão subindo gradativamente e o regime pluviométrico está bem diferente das últimas décadas.

Os fatores mencionados acima podem afetar a cafeicultura de diversas maneiras. Pode ocorrer redução nas cotações do café, redução nas linhas de financiamento e elevação no custo de produção.

Entretanto, o cafeicultor tem que profissionalizar ainda mais a sua atividade econômica. É necessário aumentar ainda mais a produtividade das lavouras cafeeiras e, se possível, melhorar a qualidade da bebida do café.

A utilização de novas tecnologias pode ser uma das alternativas para a melhoria da performance das lavouras cafeeiras, desde que proporcionem aumento na rentabilidade. A adubação com os fertilizantes organominerais é uma alternativa viável agronômica e economicamente na cafeicultura, melhorando a produtividade e aumentando a rentabilidade da cultura.

Fertilizantes organominerais

Os organominerais são os fertilizantes mais completos que existem no mercado nacional e mundial. Os fertilizantes organominerais são constituídos por uma fração mineral contendo os elementos químicos necessários às plantas (nutrientes) e uma fração orgânica.

A fração orgânica é constituída pelas substâncias húmicas, que são o estágio final da humificação dos resíduos orgânicos. São compostas por três frações: ácidos fúlvicos, ácidos húmicos e huminas.

As substâncias húmicas são as frações mais ativas da matéria orgânica, proporcionando uma série de benefícios às plantas e aos solos, gerando um maior equilíbrio químico, físico, físico-químico e biológico e aumentando o potencial produtivo das lavouras de café.

O que é o Fertium® Phós?

É um fertilizante organomineral com altos teores de substâncias húmicas e enriquecido com nitrogênio e fósforo (Tabela 1). O nitrogênio e o fósforo são provenientes de fontes solúveis em CNA + água.

Centralizar as informações dos “Dados técnicos“.

Tabela 1. Dados técnicos do Fertium® Phós.

Parâmetros

Dados técnicos

Nitrogênio (N total)

3%

Fósforo (P2O5 solúvel em CNA + água)

15%

Carbono orgânico total (COT)

11%

Capacidade de troca catiônica (CTC)

500 mmolc/kg

Umidade máxima

20%

Odor

Inodoro

Cor

Escura

Natureza física

Farelada

Ensaios com Fertium® Phós em café arábica

a. Implantação de uma lavoura de café arábica

Foi instalado um ensaio de campo com o Fertium® Phós na cultura do café arábica sequeiro em Boa Esperança (MG), em lavoura da cultivar Mundo Novo IAC 379-19, plantada em janeiro de 2013, no espaçamento de 3,5 x 0,7 m, com 4.081 plantas/ha.

O solo da área experimental é um Latossolo Vermelho distrófico, classe textural argilosa com 45% de argila, 15% de silte e 40% de areia. O teor de P no solo era muito baixo (P = 1,5 mg/dm3 ” Mehlich-1).

Foram avaliadas duas fontes de fósforo (superfosfato simples e o Fertium® Phós) na dose de 60 g de P2O5 por metro linear de sulco e duas doses de composto orgânico (0 e 3 L por metro linear de sulco). O composto orgânico é uma mistura de esterco bovino e de aves na proporção de 1:1 (peso/peso), equivalente a aproximadamente 1,8 kg de composto por metro linear de sulco.

Foi realizada uma calagem com 2 t/ha de calcário dolomítico. Os demais tratos culturais foram definidos de acordo com o Manual de Recomendações da Fundação Procafé. A primeira safra comercial foi colhida em junho de 2015.

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro  da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Green Has Italia & Techfertil – Tecnologia de ponta em nutrição de plantas

  O diferencial dos produtos Green Has está na qualidade das matérias-primas e princípios ativos contidos em suas formulações. “Trabalhamos com fertilizantes que contêm aminoácidos,...

Origem do Brasil – O café começa por aqui

Desde 2012 a Origem do Brasil participa da Expocafé. Para Josef Andreas Nick, diretor da empresa, este é o principal evento de exposição da...

Adubação “inteligente“ para a cenoura

  Laércio Boratto de Paula Engenheiro agrônomo, D Sc em Fitotecnia e professor do IF Sudeste de MG " câmpus Barbacena laercio.boratto@ifsudestemg.edu.br Fertilizantes de liberação lenta ou controlada...

Silício é proteção contra o ataque de patógenos no morango?

Autor Mário Calvino Palombini Engenheiro agrônomo e proprietário da Vermelho Natural vermelhonatural@hotmail.com O silício funciona como um produto complementar no controle fitossanitário no morango, não...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!