19.6 C
Uberlândia
segunda-feira, fevereiro 26, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosFisioativadores atuam na resistência ao estresse

Fisioativadores atuam na resistência ao estresse

Os fisioativadores são verdadeiros aliados, fortalecendo suas defesas naturais e promovendo a resistência ao estresse.

Silvia Graciele Hulse de Souza
silviahulse@prof.unipar.br

Franciely S. Ponce
francielyponce@gmail.com

Thiago Alberto Ortiz
thiago.ortiz@prof.unipar.br
Engenheiros agrônomos, doutores em Agronomia e professores – UNIPAR (campus Umuarama-PR)

Os fisioativadores são substâncias naturais ou sintéticas que englobam macro e micronutrientes, minerais, aminoácidos, extratos vegetais, carboidratos, glicina-betaína, prolina e bioestimulantes.

Crédito: Shutterstock

Estes podem ser utilizados isoladamente ou combinados com biorreguladores, podendo ser empregados em diferentes espécies vegetais de interesse agronômico. Independente da forma de aplicação desses produtos (tratamento de sementes ou pulverização foliar), o intuito é estimular as plantas a produzirem, de maneira natural e equilibrada, os hormônios vegetais essenciais.

Essa estratégia visa desencadear a expressão máxima do potencial das plantas, impulsionando não apenas o crescimento vegetativo, mas também fortalecendo sua resistência ao estresse e melhorando a eficiência na utilização de nutrientes.

Conheça as ERO’s

Durante o ciclo da cultura, o estresse climático pode resultar em significativas perdas na lavoura. Entre os efeitos primordiais, destaca-se o aumento das Espécies Reativas de Oxigênio (EROs), desencadeando danos celulares, levando ao fechamento dos estômatos e, por conseguinte, redução da fotossíntese e diminuição das atividades metabólicas da planta.

O resultado é uma menor produção de fotoassimilados e uma consequente diminuição do potencial produtivo.

Nesse sentido, o uso de fisioativadores assegura que o metabolismo vegetal desempenhe suas funções vitais de maneira resiliente quando submetido a estresses bióticos e abióticos, tais como variações de temperatura, déficit hídrico, ataques de pragas, doenças, ou mesmo diante de estresses decorrentes da fitotoxicidade causada por herbicidas.

Solução efetiva

O aumento das temperaturas e as chuvas irregulares podem provocar desequilíbrio hídrico no solo. Com isso, as plantas enfrentam dificuldades na absorção de nutrientes essenciais. 

Diante desses desafios, o uso de fisioativadores tem emergido como uma estratégia fundamental, pois estimulam as plantas na produção de hormônios essenciais para que expressem seu máximo potencial, promovendo o crescimento, a resistência ao estresse e uma maior eficiência de uso nutricional.  Isso porque os fisioativadores podem estimular a produção de diferentes hormônios vegetais.

O aumento na síntese de auxinas, por exemplo, tem um impacto direto no crescimento das plantas, estimula o desenvolvimento de novas células e a elongação celular, promovendo o crescimento vegetativo.

Além disso, esses hormônios influenciam a formação de raízes, o que contribui para uma maior absorção de água e nutrientes. Além disso, esses produtos contribuem para a solubilização de nutrientes, tornando-os mais disponíveis para as plantas, o que resulta em uma absorção mais eficiente.

Os hormônios

O ácido abscísico e as citocininas são hormônios vegetais que também podem ser estimulados pela aplicação dos fisioativadores. Esses hormônios desencadeiam respostas adaptativas nas plantas, tais como o fechamento estomático para redução da perda de água e ativação de sistemas de defesa diminuindo o acúmulo das EROs em plantas sob estresses hídricos e térmicos.

Atualmente, o mercado de fertilizantes especiais, que inclui os fisioativadores e alguns produtos registrados para a aplicação foliar em diferentes culturas e condições climáticas, que passaram por rigorosos testes científicos antes de serem disponibilizados aos agricultores.

Ação esperada

Independente do produto, a finalidade é promover ação antioxidante, inibindo os impactos adversos das ERO’s, enquanto estimula a produção de energia na forma de ATP, ativa o metabolismo fotossintético e acelera a retomada metabólica, propiciando uma recuperação mais ágil.

Adicionalmente, há produtos que visam manter o metabolismo das plantas ativo, estimular a produção de novos botões florais e reduzir o abortamento por meio da inibição da síntese de etileno.

A aplicação estratégica dos fisioativadores, ajustada de acordo com as características específicas das culturas e das condições climáticas, torna-se uma recomendação valiosa para otimizar o desempenho produtivo em diferentes contextos agrícolas.

Na prática agrícola, o uso regular de fisioativadores tem demonstrado resultados positivos. Observa-se um aumento na resistência das plantas a condições adversas, como estresse hídrico e térmico, promovendo um crescimento mais vigoroso e uma produção mais consistente.

Além disso, a eficiência na absorção de nutrientes resulta em lavouras mais saudáveis e produtivas, refletindo diretamente na qualidade e produtividade da colheita.

Benefícios

Os fisioativadores podem auxiliar em processos como a frutificação, aumentando o pegamento de frutos. Isso ocorre pela ação de balanço hormonal, ou mesmo pelo aumento da capacidade da planta de manter mais frutos devido à nutrição adequada.

Outra função advém da melhor disponibilidade de nutrientes essenciais, como o Ca, que ao ser fornecido de forma adequada permite frutos com maior qualidade, além de haver menor perda por distúrbios fisiológicos, como deficiência de Ca, que promove inúmeras perdas em diversas culturas devido ao apodrecimento apical.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aminoácidos eliminam estresse nas plantas

O glutamato pode ser considerado um aminoácido fundamental, pois ele serve como base de formação para outros, como, arginina, prolina, glutamina e aspartato, além de ser formador da molécula de clorofila e auxiliar na nodulação e fixação do nitrogênio (Taiz; Zeiger,2013).

Solução à base de bioativos chega às lavouras de café no Brasil

O clima estável vem favorecendo a colheita da safra brasileira de café que, ao que parece, será de boa qualidade. A produção estimada em 2020 é de 57 milhões de sacas, segundo o IBGE.

Cafeeiro estressado: recomendações para recuperação da planta

São vários os estresses que a lavoura passa durante o ciclo. Inicia no transplantio das mudas em campo, uma vez que são retiradas dos ambientes favoráveis de viveiros e colocadas nas adversidades ambientais.

Impacto do estresse oxidativo no florescimento dos citros

A planta cítrica está submetida a uma série de situações que proporcionam o chamado estresse fisiológico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!