16.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesFórum Econômico Brasil-Japão impulsiona investimentos no país

Fórum Econômico Brasil-Japão impulsiona investimentos no país

Encontro em SP foi acompanhado de perto pelo premiê Fumio Kishida e por executivos de 40 companhias daquele país trazidas pela Keidanren, que visitaram o Brasil entre os dias 3 e 4 de maio

Fumio Kishida, premiê japonês, e Geraldo Alckmin, vice-presidente do Brasil
JETRO/Divulgação

Em novembro de 2025, o Japão e o Brasil completam 130 anos da assinatura do Tratado de Amizade, Comércio e Navegação. São longos anos de história que transformaram os dois países em bons parceiros de negócios. E mais um capítulo desse bom relacionamento ocorreu no sábado, 4 de maio, no Hotel Intercontinental, na capital paulista, durante o Fórum Econômico Brasil-Japão, quando 31 memorandos e protocolos entre companhias japonesas e brasileiras foram apresentados, com a presença do primeiro-ministro Fumio Kishida e autoridades do governo do presidente Lula. O fórum foi organizado pela Japan External Trade Organization (JETRO), Federação Empresarial do Japão (Keidanren), Confederação Nacional da Indústria (CNI), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O Fórum Econômico reuniu um seleto grupo de 250 convidados, que acompanhou de perto e de maneira bastante atenta às apresentações dos temas “Potencial das Relações Econômicas entre o Japão e o Brasil” (com Hiroyuki Isono, presidente da Oji Holdings Corporation, e Nobuhiko Murakami, presidente do Conselho da Toyota Tsusho Corporation), “Oportunidades de Negócios no Brasil: Expectativas das Empresas Brasileiras com Relação às Empresas Japonesas” (com Alexandre D’Ambrosio, vice-presidente de Assuntos Corporativos e Institucionais da Vale, e Juliana Villano, diretora de Relações Institucionais da Embraer) e o “Fortalecimento da Relação Econômica Entre as Empresas Japonesas e a Comunidade de Descendentes de Japoneses no Brasil” (com Fábio Mizumoto, diretor da Nikkei Empreendedores do Brasil, sócio-fundador da Markestrat Group e Haven Agribusiness School).

A abertura oficial foi feita pelo presidente da JETRO, Norihiko Ishiguro, que veio especialmente ao país para o fórum, seguido posteriormente por saudações de Tatsuo Yasunaga (vice-presidente da Keidanren), Josué Gomes da Silva (presidente da Fiesp) e Ana Repezza (diretora de Negócios da ApexBrasil). O premiê Kishida, bem como o vice-presidente da República Geraldo Alckmin, também falaram rapidamente aos convidados.

Fumio Kishida, acompanhado por executivos de cerca de 40 companhias daquele país trazidas pela Keidanren, visitou o Brasil, entre os dias 3 e 4 de maio, como parte da estratégia de seu governo de estreitar as relações comerciais. O Japão é o 12º maior investidor no Brasil, com estoque de US$ 22,8 bilhões em 2021, especialmente em setores como o automotivo, financeiro e o elétrico, como aponta o Ministério de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços. Em 2023, o comércio bilateral entre os dois países registrou volume de negócios de US$ 11,7 bilhões (US$ 6,6 bilhões de exportações e US$ 5,1 bilhões de importações do Brasil).

Investimentos japoneses no país – Um total de 31 memorandos e protocolos de intenções de cooperação foi anunciado, com investimentos em projetos e plantas industriais no país. A Mitsui & Co., por exemplo, vai investir US$ 30 milhões na Atlas Lithiume e assinou um contrato de compra e venda para um total de 315 mil toneladas de lítio concentrado. A Atlas é uma das maiores detentoras de direitos minerais de lítio no Brasil, com potencial significativo de crescimento e expansão. Com a Suzano, a Mitsui & Co. fechou acordo de cooperação conjunta para produção e venda de biomateriais, biocombustíveis e energias renováveis.

Outro memorando assinado tem relação com uma petrolífera brasileira para o fornecimento de embarcações que utilizam a nova tecnologia Cargo Transfer Vessel (CTV), de propriedade exclusiva do grupo, para melhorar a eficiência da distribuição de petróleo bruto e reduzir as emissões de CO2 em cerca de 50%. Atualmente, existem apenas dois navios de CTV no mundo, e a subsidiária da empresa japonesa é proprietária de ambos. A petrolífera brasileira utilizou a embarcação pela primeira vez em setembro do ano passado.

Outro memorando assinado por uma empresa japonesa diz respeito a promover pesquisa conjunta sobre gestão de recursos florestais, através da coleta de informações sobre alterações climáticas e correlatas à natureza, utilizando dados de satélite e criação de novos valores através da agrofloresta, na região Norte do país. Essa mesma empresa também fechou um acordo que prevê o estabelecimento de um método de avaliação eficiente para a regeneração ambiental de florestas e de terras degradadas na região, utilizando tecnologia de satélite considerando um novo modelo de negócio para a regeneração das terras degradadas, agregando valor às informações ambientais.

Fórum Econômico foi acompanhado por 250 convidados especiais
JETRO/Divulgação

A Toyota Tsusho Corporation investe no desenvolvimento do Porto Itaqui, no Maranhão, em parceria com o Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram), com o objetivo de dar suporte à expansão da capacidade do terminal de exportação. O local está recebendo novos armazéns de grãos e instalações para escoar produtos como soja e milho, contribuindo para o fornecimento seguro de alimentos ao Japão.

Startups e educação – A JETRO está ampliando a parceria com a ApexBrasil, a partir da assinatura de um Memorando de Entendimento, com o objetivo de gerar oportunidades para empresas de ambos os países a partir de uma troca mútua de inteligência de mercado, realização de business meetings, seminários e pesquisas. As duas instituições têm atuado na promoção bilateral de inovação e desenvolvimento do ecossistema de startups, venture capital e private equity.

A startup Dreamstock assinou memorandos com o Botafogo do Rio de Janeiro e o Corinthians para promover seletivas nas bases dos dois clubes. A companhia japonesa desenvolveu a maior plataforma de seletivas online do mundo, com o objetivo de oferecer oportunidades contínuas para jovens atletas que sonham em se profissionalizar no futebol em clubes espalhados por vários países.

Pesquisa positiva com empresas nipônicas – De acordo com os resultados da última pesquisa da JETRO com empresas japonesas que operam no Brasil, 68,9% delas pretendem expandir seus negócios nos próximos um ou dois anos, principalmente para atender as necessidades crescentes do mercado local.  “Temos o compromisso de ajudá-las a atender essas necessidades e promover negócios entre os dois países em cooperação com os governos locais e instituições relacionadas. Estamos convencidos de que esse fórum foi uma oportunidade para reafirmarmos a importância das relações Brasil-Japão”, disse um executivo da JETRO em sua terceira passagem pelo Brasil.  

Uma das multinacionais japonesas que apostam no Brasil é a Oji Holdings, que completou em 2023 seu cinquentenário no país por meio da subsidiária Celulose Nipo-Brasileira SA (Cenibra). A empresa gera 8 mil empregos, produzindo 1,2 milhão de toneladas de celulose anualmente, com exportações para a Europa, Ásia e América do Norte. Cerca de 42% dos 250 mil hectares de florestas da Cenibra são áreas de preservação ambiental. Paralelamente aos negócios florestais sustentáveis, é realizado a gestão de preservação florestal com foco na biodiversidade e manutenção das bacias hidrográficas.

O Fórum Econômico Brasil-Japão foi transmitido pelo Canal JETRO no YouTube. Para assistir, entre em https://www.youtube.com/watch?v=w2PF_8BrSHk.

ARTIGOS RELACIONADOS

Produção de cana pode diminuir até 60%

A história brasileira passa pela cana-de-açúcar. A primeira muda da planta chegou ...

O tomate pode ter explosão de preços

O brasileiro é um grande consumidor de tomate. Em média, cada habitante consome 4,2 kg do fruto por ano*. A produção, que se aproxima de 4 milhões de toneladas, atende perfeitamente às necessidades do país. Porém, como se trata de um fruto com vida útil relativamente curta, o tomate enfrenta um risco constante, que assombra os cerca de 50 mil produtores e os 212 milhões de consumidores: terríveis doenças e insetos podem causar a devastação total das plantações.

Projeto inovador gera economia de 1,7 milhão de litros de água

A Atvos utiliza de alta tecnologia nos processos industriais da planta agroindustrial em Mirante do Paranapanema (SP), contribuindo com as boas práticas ambientais

Oito dicas de porque ‘tokenizar’ no agronegócio

Cassio J. Krupinsk, CEO da BlockBr, dá oito vantagens de porquê investir em tokenização no agronegócio. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!