19.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosGesso para solos com excesso de sais

Gesso para solos com excesso de sais

 

Andréia Marcilane Aker

Engenheira agrônoma e especialista em Auditoria, Perícia e Gestão Ambiental da Faculdade São Paulo (FASP)

andreiaaker@hotmail.com

Gesso agrícola é ideal para solos com excesso de sais - Crédito Shutterstock
Gesso agrícola é ideal para solos com excesso de sais – Crédito Shutterstock

Os solos salinos-sódicos ocorrem, geralmente, nas regiões áridas e semiáridas devido ao material de origem, à baixa precipitação e à elevada evapotranspiração. Esses solos devem ser corrigidos para que possam ser inseridos no sistema produtivo.

Dentre os fatores que favorecem os processos de salinização, destacam-se as propriedades físicas e químicas do solo, a qualidade da água de irrigação, as condições climáticas, geomorfológicas e topográficas da área, além de processos em que a evaporação é superior à precipitação.

Em alguns casos, a salinização é resultado de uma irrigação com água de qualidade inadequada ou do uso desenfreado de vinhaça em áreas próximas a usinas que cultivam cana-de-açúcar. Pode-se, então, provocar a degradação dos solos, algo que vem afetando os perímetros de solos irrigados.

Em muitas áreas de produção, o uso de água de baixa qualidade para irrigação e a aplicação de quantidades excessivas de fertilizantes são as principais razões para o aumento da salinidade do solo. Em se tratando de algumas regiões específicas que são irrigadas, constitui-se um sério problema, limitando a produção agrícola e reduzindo a produtividade das culturas a níveis antieconômicos.

Isso ocorre porque a água de irrigação contém sais solúveis. Seu uso constante e em quantidade insuficiente para a lixiviação, associado a uma drenagem inadequada, com o passar do tempo provoca o acúmulo de sais no perfil e na superfície do solo.

Solos salinos - Crédito Andreia Aker
Solos salinos – Crédito Andreia Aker

Danos

A alta concentração de sais solúveis e de sódio trocável encontrada nesses solos pode reduzir, interferir ou até impedir o desenvolvimento vegetal e, consequentemente, a produção das culturas. A estrutura desses solos impede a germinação de sementes e o desenvolvimento de raízes, além de aumentar o consumo de energia da planta, representando sérios problemas para a produtividade agrícola.

Os efeitos da salinização sobre as plantas podem ser causados por dificuldades de absorção de água pela planta, toxicidade de íons específicos e interferência dos sais nos processos fisiológicos (efeitos indiretos). Eles reduzem o crescimento e o desenvolvimento das plantas e, em alguns casos, ocasionam toxidez semelhante às geradas pelo excesso de adubações.

No solo, os efeitos negativos da salinização são desestruturação, aumento da densidade aparente e da retenção de água do solo, redução da infiltração de água pelo excesso de íons sódicos e diminuição da fertilidade físico-química.

Influência da salinidade para as plantas

As plantas se comportam de maneira diferente, em relação à salinidade. Algumas culturas podem tolerar concentrações de sais relativamente elevadas, outras são extremamente sensíveis. Essa sensibilidade pode variar dependendo da espécie, do cultivar, da fase fisiológica da planta e dos fatores ambientais.

O estresse salino é fator limitante para o cultivo de variedades que são dependentes do nitrogênio fixado por simbiose. Segundo pesquisas, existe uma correlação altamente significativa entre a quantidade de nitrogênio total fixada e o peso de matéria seca dos nódulos, assim como entre o nitrogênio total e o rendimento da parte aérea.

Desse modo, a necessidade de se produzir impõe a recuperação e o manejo desses solos, sendo que, na correção dos solos salinos, podem ser empregados vários corretivos como gesso, enxofre, sulfato de alumínio, cloreto de cálcio e ácido sulfúrico. Entretanto, o gesso é o produto mais utilizado, por apresentar menor custo, fácil manuseio e facilidade de ser encontrado no mercado.

A salinização dos solos é, sem dúvida, um dos fatores limitantes da produção agrícola. Os efeitos imediatos da salinidade sobre as plantas são: seca fisiológica, pela redução do potencial osmótico da solução do solo; desequilíbrio nutricional, por elevada concentração iônica e inibição da absorção de outros cátions pelo sódio; e efeito tóxico de elementos como sódio e cloro.

Além dos distúrbios fisiológicos, pode haver variações dos sistemas enzimáticos, utilizados como mecanismos de defesa contra o dano oxidativo causado pela produção excessiva de espécies reativas de oxigênio.

As plantas de cana-de-açúcar, quando cultivadas em solos com grau elevado no teor salínico, geralmente apresentam redução significativa no número de folhas e na biomassa fresca. Outras mudanças morfológicas que podem ser citadas são o retardo no crescimento da parte aérea e a redução no tamanho da planta.

Correção exata

Para a correção de solos salinos, a quantidade de gesso necessária dependerá da quantidade de sódio absorvida, da Capacidade de Troca de Cátions (CTC) existentes e da profundidade a ser corrigida.

No momento da aplicação, recomenda-se a aplicação a lanço, a qual poderá ser seguida de incorporação com aração e gradagem, quando em culturas a serem instaladas. Em se tratando de lavouras já instaladas e considerando a maior facilidade de redistribuição do gesso no perfil do solo, esse produto, após aplicação a lanço, poderá ser deixado na superfície.

O gesso deve ser utilizado em áreas onde a análise de solo, na profundidade de 30 a 50 cm, indicar a saturação de alumínio maior que 20% e/ou quando a saturação do cálcio for menor que 60% (cálculo feito com base na capacidade de troca efetiva de cátions).

A dose de gesso agrícola é variável, em torno de 700, 1200, 2.200 e 3.200 kg/ha-1, para solos de textura arenosa, média, argilosa e muito argilosa, respectivamente. O efeito residual dessas dosagens é de, no mínimo, cinco anos.

Essa matéria completa você encontra na edição de Abril da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua para leitura completa. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Gestão e inovação são destaques no VIII Congresso ANDAV

Mais de 50 produtos foram lançados durante o evento, entre eles soluções de logística e gestão softwares, plataformas online e novidades em  Um produto que...

Votorantim Cimentos aposta no calcário agrícola no Brasil

  Neste ano, a Votorantim reforça a diversificação do seu portfólio e investe na ampliação da produção de calcário agrícola no País. Além da marca...

Algas – Mais estímulo ao pegamento de frutos no pimentão

As algas geram um faturamento a nível mundial de, aproximadamente, US$ 6 bilhões anualmente, e são utilizadas comercialmente desde da década de 50. Possuem várias aplicações nas seguintes áreas: medicinal, indústria de alimentos e, mais recentemente, na alimentação animal e na agricultura.

Tecnologias de bioinsumos

As tecnologias desenvolvidas pelo Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!