21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGiberela no trigo: desafios e controle

Giberela no trigo: desafios e controle

Foto: Jayne Veiga

Jayne Deboni da Veiga
Marcos Lenz
Samuel Francisco Chitolina
Graduandos em Agronomia – Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS, campus Cerro Largo)
Juliane Ludwig
Doutora em Fitossanidade – UFPel e professora de Fitossanidade e Cultivos de Verão – UFFS
juliane.ludwig@uffs.edu.br

A giberela, causada pelo fungo Gibberella zeae é uma das doenças que possui mais relevância na cultura do trigo (Triticum aestivum), afetando tanto os grãos quanto as espigas.

É capaz de causar danos diretos, como redução na produtividade, perdas de produtos e também danos indiretos, como a produção de micotoxinas, ocorrendo com maior severidade em regiões de clima mais quente e úmido.

Seu controle é desafiador ao produtor, uma vez que depende de fatores ambientais. Períodos longos de chuva durante a floração favorecem a proliferação da doença. Em anos de ocorrência do fenômeno La niña, a doença tende a encontrar condições desfavoráveis, não sendo considerada preocupante.

Já nos anos de El Niño, como a precipitação pluvial e as temperaturas estão acima da média, a doença encontra condições favoráveis, tornando-se um sério problema para a produção e qualidade do trigo colhido.

Entenda a doença

O fungo se reproduz assexuada e sexuadamente. Na fase sexual, sendo denominada de giberela, ocorre a sobrevivência nos restos culturais e nas sementes. Esta, por sua vez, tem a capacidade de gerar variabilidade genética, ou seja, originar raças novas, que muitas vezes podem ser resistentes à aplicação de fungicidas de mesmo princípio ativo.

Como sintomas, apresenta estruturas denominadas peritécios superficiais, visíveis a olho nu, que possuem coloração preta. Nos peritécios, ocorre a produção de ascósporos que são disseminados pelo vento a longas distâncias, atingindo outras áreas.

Quando ocorre o encontro com o hospedeiro, principalmente a partir do espigamento até a fase de enchimento dos grãos (fase suscetível), ocorre o início da infecção nas espigas, iniciando a fase assexual, sendo denominada de fusariose, em que ocorre a produção de macroconídios, que são disseminados pelo vento e chuva.

Neste período há as maiores perdas em produtividade na lavoura. As espiguetas se apresentam com coloração salmão e se fazem presentes até o final do ciclo da cultura, onde, posteriormente, ocorre a formação de pontuações escuras, denominadas peritécios.

Sintomas

A doença expressa sintomas típicos, que facilitam sua identificação. Inicialmente as aristas tornam-se “arrepiadas”. Após isso, ocorre sua despigmentação, tornando-se esbranquiçada ou adquirindo a tonalidade de cor palha, enquanto as sadias encontram-se verdes.

Além disso, poderá ocorrer o abortamento floral e a má formação dos grãos, que se tornam chochos, enrugados, de menor tamanho e coloração rósea, impactando diretamente a produtividade.

Os fungos presentes nos grãos produzem micotoxinas, que são descritas como produtos do metabolismo secundário dos fungos. A intoxicação por micotoxinas pode ser causada de forma direta, por meio da ingestão do produto contaminado quanto indireta, pela contaminação de subprodutos e derivados.

Foto: Jayne Veiga

LEIA TAMBÉM:

Controle da doença

Dentre as doenças de cereais de inverno, a giberela ou fusariose é considerada a de mais difícil controle. Seu manejo é realizado por meio da adoção em conjunto de estratégias baseadas na resistência genética, manejo cultural e controle químico.

Atualmente, não há no mercado cultivares tolerantes ou resistentes a essa doença que dispensem totalmente a aplicação de fungicidas. No entanto, o agricultor pode optar pela utilização de sementes moderadamente resistentes e moderadamente suscetíveis (MR e MS).

Considerada a doença do plantio direto, devido à principal fonte de inóculo residir nos restos culturais e à grande liberação das suas estruturas de reprodução no ar, a rotação de culturas pode ser utilizada como um método não tão eficiente.

Justifica-se devido a serem encontradas estruturas do patógeno em resíduos vegetais de cevada, milho, centeio, soja e diversas plantas daninhas. Contudo, como a intensidade da doença depende diretamente das condições climáticas durante o período de suscetibilidade, que compreende ao início da floração (presença de anteras soltas) até o início da maturação das espigas (grão leitoso com anteras presas), a realização de semeadura antecipada desfavorece a infecção e disseminação do inóculo devido às plantas atingirem o período de maior suscetibilidade sob condições climáticas desfavoráveis.

Além disso, recomenda-se o escalonamento da semeadura ou semear cultivares com ciclos distintos ao espigamento. Assim ocorre o “escape”, onde a fase reprodutiva, que é a de maior suscetibilidade à doença, não coincide com o período em que as condições ambientais se encontram favoráveis à disseminação do patógeno, minimizando os riscos.

Manejo químico

No controle químico, recomenda-se o uso dos fungicidas de forma preventiva, ou seja, antes que o fungo inicie o processo de infecção ao hospedeiro. A aplicação vai depender também da natureza do fungicida, recomendando-se a aplicação na floração da cultura, principalmente no início deste estágio fenológico.

Quando a aplicação do fungicida é realizada de forma correta, com os equipamentos adequados e regulados para direcionar a calda para as laterais das espigas, a severidade da giberela pode ser reduzida em até 60%.

Foto: Jayne Veiga

No geral, recomendam-se duas aplicações após o início da floração e antes da ocorrência das condições climáticas favoráveis ao patógeno, e outra em no máximo 15 dias posterior à primeira aplicação, no momento em que as espigas estão esverdeadas.

Para o controle, são indicados fungicidas como: triazóis (epoxiconazol, propiconazol e tebuconazol) e piraclostrobina + metconazol. Fungicidas como prochloraz e os benzimidazóis são mais eficientes em casa de vegetação e, quando aplicados a campo, seu controle não é satisfatório devido à deficiente deposição dos mesmos nos sítios de infecção.

Em conclusão, para o manejo eficiente salienta-se a adoção conjunta de todos os métodos de controle abordados nos parágrafos acima. A adoção de apenas um método não chegará ao melhor resultado de controle, resultando, dessa forma, em danos aos componentes de produtividade e qualidade da cultura.

Além disso, o acompanhamento das condições ambientais favoráveis, a entrada com os métodos de controle de forma preventiva e o conhecimento do histórico de ocorrência da doença na área são detalhes que levarão à tomada de decisão precisa e rápida do agricultor, sob orientação de um engenheiro agrônomo, minimizando os danos à cultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Em uma safra de cenários diversos, produção nacional de trigo bate recorde

Com a chegada do final do ano, mais uma safra de trigo foi concluída.

Cultivo de cogumelo em estufas

A fungicultura é conhecida como a cultura do cogumelo. Os fungos são microrganismos heterotróficos, não fotossintetizantes, possuem parede celular de quitina e obtêm seus nutrientes por absorção da matéria orgânica.

Boletim climático prevê maior pressão de doenças no segundo semestre

Marco Antônio do Santos - Agrometeorologista da Rural Clima, parceiro UPL Com a safra 2017/18 praticamente encerrada, faltando apenas a real definição da safra de...

Em meio a seca, inverno é opção para produção de silagem e pré-secado

Mixes de cultivares de trigo aproveitam a planta inteira na produção de silagem e pré-secado com alto valor nutricional. Novidade será apresentada na Expodireto Cotrijal, entre 2...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!