21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesGirassol: opção promissora para a safrinha

Girassol: opção promissora para a safrinha

Crédito: Shutterstock

Embrapa Soja

O girassol é uma cultura de ampla capacidade de adaptação às diversas condições de latitude, longitude e fotoperíodo. Nos últimos anos, vem se apresentando como opção de rotação e sucessão de culturas nas regiões produtoras de grãos, principalmente após a soja na região centro-oeste.

A maior tolerância à seca, a menor incidência de pragas e de doenças, além da ciclagem de nutrientes, principalmente potássio, são alguns dos fatores que possibilitaram sua expansão e consolidação como cultura técnica e economicamente viável nos sistemas de produção.

A maior tolerância do girassol à seca é, principalmente, devido ao sistema radicular profundo que explora grande volume de solo e, consequentemente, absorve maior quantidade de água e nutrientes.

Entretanto, o cultivo de girassol deve ser destinado a áreas que, preferencialmente, adotem práticas de manejo de mangueiras das características físicas do solo, pois o girassol é sensível à compactação de solo e quimicamente à acidez.

Regiões produtoras

O girassol é uma cultura que se desenvolve bem na maioria dos solos agricultáveis, podendo ser cultivado em praticamente todo o território nacional, desde o Rio Grande do Sul até o hemisfério norte, no Estado de Roraima.

Atualmente, ele é cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Paraná, Bahia e Ceará, principalmente na safrinha, em semeadura direta, especialmente após a cultura da soja.

O principal destino desta produção é atender a indústria de óleo comestível ou da agroindústria, o mercado de pássaros, o de silagem e até a produção de biodiesel. Além disso, existem estudos de empresas oficiais de pesquisa, e mesmo experiência de agricultores, mostrando que é uma cultura com expectativa de sucesso também em Roraima, onde o ciclo pode ser de 75 a 80 dias, enquanto nas demais regiões é de aproximadamente 110 dias.

O Nordeste brasileiro é outra região que vem testando o girassol, com grandes possibilidades de sucesso. Nessa região, consiste numa cultura de interesse para a pequena propriedade, já que, pelo alto teor de óleo no grão, permite a administração mecânica do óleo, que pode ser centralizada nas comunidades e associações rurais, utilizando prensas simples.

Esse aspecto proporciona a agregação de valor ao produto, confiante para a sustentabilidade da agricultura familiar, que além de fornecer óleo comestível de excelente qualidade, fornece como coproduto a torta de girassol para o suprimento da pecuária local.

Girassol na safrinha

O girassol pode ser cultivado antecipando-se à cultura principal, em algumas condições e, em outras, pode ser semeado na safrinha, substituindo, parcialmente, o milho ou o sorgo. Devido à maior tolerância ao estresse hídrico, o girassol apresenta-se como opção de safrinha para o Centro-Oeste brasileiro, abrindo nova perspectiva de cultivo e renda ao agricultor.

Outra característica importante do girassol é seu sistema radicular que explora grande volume de solo, o que possibilita absorver quantidade de água e nutrientes. Além disso, é conveniente enfatizar que um hectare de girassol pode produzir em torno de 4,0 a 6,0 toneladas de restos culturais, dependendo do manejo e do genótipo utilizado.

Esses restos são ricos em nutrientes e, com sua transformação, beneficiam as culturas em sucessão, pela grande ciclagem de nutrientes. Nesse processo de ciclagem, destacam-se o potássio, o cálcio e o boro, que apresentam taxas de exportação reduzidas, ou seja, pouco é retirado da área pelos grãos, ficando os nutrientes da parte aérea à disposição para as culturas semeadas em sucessão.

A rentabilidade, fator também determinante na escolha de cultivo, será função não só dos preços cultivados no mercado, mas também do manejo da cultura/custo de produção e da produtividade alcançada.

Além do lucro financeiro, os benefícios resultantes da ciclagem de nutrientes devem ser também computados na rentabilidade da cultura, colaborando para a sustentabilidade do agronegócio do girassol no Brasil.

Cultivares

A escolha do material genético a ser cultivado será em função do tipo de agricultor e do capital disponível. Por exemplo, para a agricultura familiar e com baixo capital disponível, a opção é a escolha de uma variedade (população de polinização aberta), em função do menor custo da semente.

Para uma agricultura mais extensiva, também pode ser adotada a semente híbrida, que resulta em plantas mais uniformes, facilitando as operações de manejo e, principalmente, de colheita. Assim, existe um grande número de opções de materiais genéticos disponíveis e a escolha deve ser baseada na experiência e na assistência técnica local.

Produtividade

No Brasil, mesmo com a expansão desordenada da cultura, falta de zoneamento agroclimático e fitossanitário, além da assistência técnica pouco capacitada, a produtividade média está em torno de 1.500 kg/ha, acima da média mundial.

Contudo, em condições de campo e em regiões com mais tradição de cultivo, as produtividades médias atingem 2.000 kg/ha.

Considerando que o girassol é uma cultura de segunda safra (ou safrinha) no Brasil, baseada nas produtividades alcançadas, estima-se que o País poderá vir a ser um dos protagonistas na cultura, não só em produtividade, como também em área cultivada.

Colheita

Assim como a semeadura, a colheita de girassol é uma operação delicada, em que grandes perdas podem ocorrer se pequenos detalhes na regulagem da colhedora não forem seguidos.

Atualmente, existem no mercado colhedoras de girassol eficientes e com alto rendimento operacional. Outra opção é a mudança da plataforma de milho para a colheita de girassol. Apesar de menos eficiente, esta modificação, é simples e de fácil execução na própria fazenda, além do baixo custo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Buva resistente a herbicidas – Controle deve ser imediato

Alfredo JuniorPaiola Albrecht Leandro Paiola Albrecht Professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) " Setor Palotina e Supervisores do Grupo Supra Pesquisa ajpalbrecht@yahoo.com.br Arthur Arrobas Martins Barroso Professor...

Por que o mercado consumidor aposta no trigo mineiro?

A qualidade do trigo produzido em Minas Gerais conquistou o mercado consumidor, desde a grande indústria moageira até a panificação artesanal. O trigo também é aposta para...

Acarpa apresenta inovações na 23ª edição do Seminário do Café

            A 23ª edição do Seminário do Café da Região do Cerrado Mineiro vai acontecer no período de 06 a...

Agronegócio representou mais da metade das exportações

Produtos como soja em grão, açúcar, celulose, algodão, carne suína e carne bovina tiveram considerável aumento de volume comercializado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!