27.3 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioTecnologiaIrrigação: equipamentos movidos a energia solar

Irrigação: equipamentos movidos a energia solar

Crédito: Lindsay

A pequena cidade de Formosa do Rio Preto, localizada no Oeste da Bahia, de pouco mais de 25 mil habitantes, é gigante quando o assunto é o agronegócio. Além da forte vocação para os grãos, o município se destaca no cultivo de algodão. Por sua qualidade é considerada a melhor pluma do Brasil e uma das melhores do mundo. É neste solo precioso que está localizada a fazenda de 26 mil hectares, pertencente ao Grupo Leal.

O grupo alagoano, que além do cultivo de algodão também tem negócios no ramo de soja, madeira, no cultivo de eucalipto, grãos e cana-de-açúcar, é gerido por João Toledo de Albuquerque. Desde o ano passado, o grupo tem se estruturado em um projeto bem audacioso e corajoso com objetivo de implantar nas lavouras nada menos que 12 pivôs para irrigação na propriedade, uma região que não tem rede de energia elétrica.

Para resolver essa escassez energética das concessionárias, a solução virá do céu, ou melhor, do sol. “Estamos realizando uma grande transformação com a irrigação em um sistema integrado. Além de resolver o déficit energético, ao mesmo tempo produziremos uma energia limpa com sustentabilidade por meio de painéis solares”, diz o produtor.

Inicialmente, a fazenda começou com o cultivo da pluma de forma experimental em 2017, com o plantio de 400 hectares. Já no ano seguinte a área mais que quadruplicou atingindo 1.700/ha. Já na atual safra 2022/23 foram plantados 3.200/ha “Nosso projeto é chegar a 5 mil hectares e aproveitar ainda mais a potência da nossa fábrica”, acrescenta o gestor.

A fazenda conta com uma algodoeira própria com capacidade para suprir a produção de até 15 mil hectares da cultura.

Tecnologia da irrigação

Com a irrigação, projetamos ter duas safras ao invés de uma. Primeiro plantamos a soja no começo de outubro e colhemos em janeiro. Na sequência, semeamos o algodão para colher em julho”, calcula o produtor.

Na primeira fase do projeto foram instalados seis pivôs de uma vez, que começaram a operar neste ano. Assim, a área irrigada atingiu 1.340/ha. Entretanto, outros seis equipamentos estão em fase final de instalação e nas próximas semanas estarão aptos para funcionar.  Com isso, a área total irrigada somará 2.240/ha. O projeto final completo deverá chegar a 8 mil/ha.

De acordo com João Morais, gerente comercial da revenda Pivot, o projeto do Grupo Lealvai ser algo extremamente inovador, e o maior nesse modelo do Brasil. “Vamos gerar cerca de 3 megawatts (MW) só para a irrigação. O maior gerador que existe hoje e temos conhecimento é de 1.2 MW, em Jaborandi/BA”, destaca.

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo correto de nematoides no cultivo do pimentão

Rodrigo Vieira da Silva Engenheiro agrônomo, doutor em Fitopatologia e professor do IF Goiano " Campus Morrinhos rodrigo.silva@ifgoiano.edu.br Luam Santos Engenheiro agrônomo e mestrando em Olericultura do IF...

Geração e venda de energia renovável – Nova opção no campo

  Os cultivos agrícolas podem promover grandes ganhos com a geração de energia renovável, principalmente em regiões de origem tropical e subtropical, devido à ...

O cultivo e o mercado da manga

  Moacir Brito Oliveira Rafael Pereira Sales Irani Pereira Mangaclara " Consultoria e Serviços Especializados em Fruticultura mangaclara@nortecnet.com.br A fruticultura é um dos segmentos mais importantes da economia brasileira,...

Sensor facilita o manejo da água de irrigação em cultivos de hortaliças

O funcionamento do sensor de irrigação Irrigas® foi desenvolvido para auxiliar o agricultor no manejo diário da água de irrigação e pode ser utilizado...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!