27.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioTecnologiaNova plataforma da SoluBio impulsiona a agricultura regenerativa e os impactos positivos...

Nova plataforma da SoluBio impulsiona a agricultura regenerativa e os impactos positivos do manejo biológico onfarm

Ferramenta visa estabelecer uma parceria com o produtor rural que gera impactos positivos na produção agrícola por meio do uso de bioinsumos, contribuindo para que possam certificar a eficácia econômica e sustentável da tecnologia, além de contribuir para a resiliência climática da produção.

Apostar em uma agricultura regenerativa e contribuir para resiliência climática são focos da SoluBio — empresa que trabalha com a produção de bioinsumos nas fazendas. Mas mais do que buscar a racionalização do uso de insumos químicos, por meio de uma solução rentável e eficaz, a companhia investe também em ferramentas que contribuam para comprovar os impactos positivos da solução e incentivar as práticas de agricultura regenerativa. Assim, a SoluBio lança a plataforma RegeneraBio, que tem como objetivo gerar informações sobre o impacto ambiental e socioeconômico positivo das fazendas que adotam o manejo biológico onfarm®.

A tecnologia é uma alternativa para identificar os efeitos do uso de bioinsumos na agricultura em quatro frentes: carbono, água, biodiversidade e aspectos socioeconômicos ligados a redução de substâncias químicas e custos na produção de alimentos e matéria-prima. Corroborando, assim, com a ideia de que é possível promover uma agricultura rentável, sustentável e regenerativa ao mesmo tempo.

Além disso, por meio de análise e acompanhamento do aumento de estoque de carbono no solo, bem como impactos sobre ativos como água e biodiversidade, a plataforma da SoluBio vai fornecer dados para que os produtores acompanhem de perto seus resultados, auxiliando no desenvolvimento de projetos de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA).

Conforme explica a coordenadora de sustentabilidade da SoluBio, Rafaela Vendruscolo, a plataforma é uma das iniciativas estratégicas da companhia, aliada aos temas materiais Inovabilidade e Agricultura Regenerativa, Resiliência Climática e Serviços Ambientais, demandadas pelos stakeholders e em consonância com as discussões das Conferências da ONU para as Mudanças Climáticas (COPs).

“A RegeneraBio é uma ferramenta que permite reunir indicadores para que os produtores rurais brasileiros comprovem o impacto positivo da utilização de bioinsumos e demais práticas da agricultura regenerativa, e por conseguinte, possam receber reconhecimentos por meio de PSAs, como por exemplo, o Crédito de Carbono. Queremos demonstrar o protagonismo da agricultura brasileira na adoção de bioinsumos e demais práticas regenerativas com efeitos positivos sobre ativos socioambientais, como carbono, nitrogênio, solo, água, biodiversidade, emprego e renda, saúde humana e custo de produção agrícola”, ressalta.

O Grupo Rotta — que conta com uma das maiores biofábricas da SoluBio em Sapezal, no Mato Grosso — aderiu à plataforma. Segundo André Bezerra Rotta, gerente comercial da companhia, já havia o interesse em mapear a retenção de carbono, agora, as vantagens da RegeneraBio são vistas em por diferentes ângulos: “primeiro porque auxilia na eficiência da própria produção agrícola, pois a RegeneraBio também consegue identificar os tipos de microrganismos vivendo no solo, o outro é a obtenção crédito de carbono. São ferramentas que vieram para facilitar ainda mais o trabalho do produtor”, destaca.

Com isso, a expectativa do Grupo Rotta é conseguir negociar crédito de carbono com mais facilidade futuramente, com a ajuda da SoluBio, conforme o processo evolua, além de entender o que se passa no solo para aprimorar a produção de soja, algodão e milho, por exemplo.

Como funciona a RegeneraBio

Após a adesão à plataforma e aos programas voltados às quatro frentes propostas (carbono, água, biodiversidade e aspectos socioeconômicos), a segunda fase do projeto consiste na coleta e análise de dados para diagnóstico. Protocolos foram definidos em parceria com instituições e pesquisadores para monitoramento dos indicadores referentes aos ativos ambientais e sociais propostos. Nesta etapa, é definida a linha de base para avaliar, por exemplo, o sequestro de carbono do solo, isto é, a retirada de gás carbônico da atmosfera pelas plantas para realização da fotossíntese. Quem explica é o professor da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP), Carlos Eduardo Cerri, que está à frente das pesquisas.

“Antes da adoção de práticas regenerativas, nós levamos essas amostras ao laboratório para que se possa ter uma referência de como está o solo sob o ponto de vista de carbono. Depois da implementação do uso de bionsumos, são feitas avaliações anuais, esperando que aumente o sequestro de carbono no solo para, então, computar a métrica”, detalha o especialista.

Com isso, a SoluBio vai atuar na gestão de dados de práticas ESG — sigla em inglês para Ambiental, Social e Governança. O objetivo é que os levantamentos possam contribuir não só para aprimorar as soluções oferecidas aos clientes da empresa, como também para criar uma rede de informações confiáveis e relevantes sobre a agricultura brasileira, incentivando a adoção de práticas não apenas sustentáveis, mas também regenerativas.

Resiliência climática e agricultura regenerativa

Ao avaliar indicadores de sustentabilidade que são atingidos quando boas práticas de manejo são adotadas na agricultura, a RegeneraBio atua diretamente no monitoramento da vida no solo e da resiliência das culturas agrícolas diante das alterações climáticas. Portanto, a RegeneraBio coloca a utilização de bioinsumos e demais práticas de agricultura regenerativa na agenda das mudanças climáticas, não apenas no desenvolvimento de uma agricultura com menos impactos socioambientais, mas que possibilite a regeneração dos agroecossistemas e torne-os mais resistentes às alterações do clima, com menos perdas e mais segurança alimentar e de matéria-prima.

“Esperamos que os resultados sejam muito interessantes. Tenho a expectativa de que serão bastante positivos, identificando as práticas de manejo que possam aportar carbono no sistema”, comenta o professor Carlos Eduardo Cerri.

Sobre a SoluBio

A SoluBio é uma empresa de biotecnologia, criada em 2016 por profissionais com mais de 20 anos de experiência no agronegócio. Desde o início, o foco da empresa foi levar a seus clientes alternativas mais sustentáveis e econômicas na atividade rural. Assim surgiu a SoluBio Experience: uma solução completa para a produção de bioinsumos na fazenda (OnFarm) oferecendo tecnologia integrada com padrão industrial, todos os equipamentos, insumos, controle de qualidade, treinamento e assistência técnica.

A SoluBio possui a mais moderna fábrica de bioinsumos da América Latina sendo a primeira empresa de biológicos do país a ter um time de Customer Success. Atualmente, com mais de 650 colaboradores, uma equipe científica com mais de 30 PhD’s e 5 Pós-Doutores, a companhia está presente em grande parte do território nacional e tem como sonho democratizar globalmente o Manejo Biológico OnFarm®. Ela é uma das empresas que faz parte do Pacto Global da ONU e está comprometida com ações que impactam 14 dos 17 objetivos do desenvolvimento sustentável, na preservação do planeta e das futuras gerações.

ARTIGOS RELACIONADOS

Híbridos de milho para silagem da Brevant® Sementes

A Brevant® Sementes, marca da Corteva Agriscience, investe continuamente em pesquisa e inovação para apoiar os agricultores, não só na lavoura, mas na produção de gado leiteiro e de corte.

Chuvas irregulares: como minimizar os impactos do clima na produção?

Tecnologias ajudam a analisar e simular diferentes cenários de imprevistos

Manejo biológico: Eficiência contra o psilídeo-de-concha

O psilídeo-de-concha Glycaspis brimblecombei (Hemiptera: Aphalaridae) é de origem australiana, e foi relatado pela primeira vez no Brasil em 2003, no Estado de São Paulo. Trata-se de um inseto sugador, que causa grandes prejuízos à cultura do eucalipto, como desfolha, fumagina e seca dos ponteiros.

Intempéries desafiam o cultivo de grãos

O clima sempre é elencado como uma preocupação constante para os agricultores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!