28.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesManejo biológico contra os nematoides nos cafezais

Manejo biológico contra os nematoides nos cafezais

Marcela BorgesMsc., engenheira agrônoma e gerente de Marketing da FMC Agrícola

Café – Créditos: shurtterstock

A produção cafeeira é uma das mais importantes atividades da economia do agronegócio no Brasil. Somos líder na produção mundial de café, com 46,87 milhões de sacas produzidas na safra 20/21, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) e estamos em primeiro lugar do ranking nas exportações para o mercado exterior.

O cultivo do café até chegar à xícara envolve uma cadeia, desde sua produção com o cafeicultor dedicado em produzir grãos de qualidade, cooperativas, revendedoras, corretores, torrefadoras, chega até as cafeterias e em nossas casas como consumidores.

Segundo uma pesquisa feita pelo Instituto Biológico, uma estimativa aponta que a produtividade pode ser reduzida em torno de 20% devido à ação dos nematoides. Nos cafezais do Brasil, as principais infestações são de fitonematoides dos gêneros Meloidogyne sp. e Pratylenchus sp., sendo as principais espécies os M. incognita e M. paranaensis, que afetam o sistema radicular do cafeeiro, ocasionando necroses e rachaduras, ficando com aspecto de cortiça e prejudicam as raízes principais.

Já o M. exigua penetra e forma galhas no sistema radicular, composto pelas raízes absorventes, em baixas populações afetam menos a produção em comparação às demais espécies do gênero, porém quanto maior o nível populacional e frequência de reboleiras com plantas atacadas por essa espécie, maior será o impacto na produção. 

A ocorrência dessas espécies afeta a absorção de água e nutrientes, prejudicando o desenvolvimento das plantas, que se tornam fracas, depauperadas influenciando diretamente na produtividade e chegam até a morrer. 

Outras espécies desse gênero também afetam a cultura do café, dentre elas M. coffeicola, uma espécie importante que danifica o sistema radicular primário, porém, por ter número reduzido de hospedeiras e baixa permanência pode ser mais facilmente manejada.

Os nematoides do gênero Pratylenchus sp. causam lesões nas raízes e a preocupação com a ocorrência de espécies desse gênero tem aumentado nos últimos anos, podendo afetar mudas e plantas em produção.

Contaminação

A disseminação dos nematoides pode ocorrer por mudas infestadas, pelas enxurradas, trânsito de implementos agrícolas com torrões de solo contendo nematoides e trânsito de pessoas. Por isso, é importante o cafeicultor ter atenção aos manejos preventivos para que a população de nematoides não fique fora de controle.

Por entender a importância tão grande que o café representa ao setor produtivo, a FMC trabalha continuamente em busca de soluções e inovações para combater os desafios de pragas e doenças nos cafezais, para desta forma manter a produção do campo com alta produtividade, qualidade e sustentabilidade.

O objetivo da companhia é a proteção do cultivo e temos a campanha “Cada Grão de Café é um motivo de orgulho!”, desenvolvida junto ao setor, onde o propósito é valorizar os cafeicultores a trabalharem continuamente para produzir o grão de café com qualidade.

A FMC é pioneira no mercado de biológicos no Brasil e busca soluções biológicas para o manejo sustentável dos cafezais, para prevenção e controle efetivos dos fitonematoides. A FMC tem em seu portfólio o bionematicida Quartzo®, que atua com alta eficiência no manejo integrado, e é recomendado para combater os principais fitonematoides dos cafeeiros como nematoides-das-galhas (Meloidogyne sp.) e nematoide-das-lesões (Pratylenchus sp.), além disso promove melhor desenvolvimento radicular e, consequentemente, diminui o impacto das infestações dessas espécies à produção.

Manejo integrado

Selecionamos quatro importantes passos de manejo integrado com biológicos para o controle dos fitonematoides nos cafezais. Confira:

1 – Amostragem – é o primeiro passo para o manejo. A técnica indicada é fazer a coleta de raízes vivas, longas e o solo da rizosfera. A época chuvosa é a mais adequada para essa coleta porque é o período de ápice da população de nematoide e do desenvolvimento radicular.

A partir da amostragem o produtor vai identificar as espécies de nematoides presentes na área e população existente. O número de pontos coletados e a distribuição na área devem ser levados em consideração, visto que os fitonematoides possuem alta variabilidade espacial, ocorrendo geralmente em reboleiras. Por isso, é importante identificar as plantas sintomáticas no talhão para fazer as coletas em plantas sadias próximas a elas.

2 – Variedades resistentes – a renovação dos cafezais com plantio de cultivares resistentes em áreas infestadas por nematoides é importante ação para diminuição das populações e a produção ser menos afetada. Atualmente existem cultivares de café que toleram algumas espécies de fitonematoides e são produtivas.

3 – Rotação de culturas ou cultivo intercalar – a rotação de cultura é uma das técnicas mais eficientes para o controle de nematoides em culturas anuais. Por se tratar de uma cultura perene, a rotação não é possível ser feita, mas é possível fazer o cultivo de espécies nas entrelinhas do café, tendo o cuidado para que essas espécies não sejam hospedeiras e multiplicadoras das espécies de fitonematoides presentes na área, podendo inclusive fazer o cultivo de plantas antagonistas, que podem auxiliar na diminuição das populações.

A partir disso, quando conhecemos qual o nematoide está presente na área, podemos realizar de maneira efetiva a rotação de culturas, no caso de renovação dos cafezais, ou cultivo intercalar, escolhendo espécies vegetais não hospedeiras.

4 – Controle biológico – o controle biológico é uma maneira prática e eficiente de combater o problema dos nematoides. As soluções biológicas à base de diversos microrganismos, como fungos e bactérias, principalmente bacilos, têm sido utilizadas e apresentam ótimos resultados.

Além de promoverem o controle, favorecem melhor desenvolvimento radicular das plantas e aumentam a atividade microbiana do solo, favorecendo a ciclagem e disponibilização de nutrientes. A FMC tem soluções e investe neste segmento e acredita que o manejo biológico vai revolucionar a agricultura. Aliar o controle biológico com demais práticas de manejo favorecem melhor controle e menor impacto na produção.

Ter planejamento e o olhar voltado para esses importantes passos é uma maneira de combater a população de fitononematoides nos cafezais com resultados.

ARTIGOS RELACIONADOS

Albaugh leva seu portfólio de agroquímicos genéricos a evento anual da cooperativa Coopercitrus

Culturas de cana-de-açúcar, café, citros e soja estão no foco da empresa presente entre as que mais crescem no Brasil no setor de agroquímicos    Especializada...

Arte & Café, uma história de 50 anos

Nascida na cidade universitária de Viçosa (MG), Valéria Vidigal é filha do casal João da Cruz Filho e Maria Auxiliadora Vidigal da Cruz. Sua...

Safra zero do cafeeiro

O sistema safra zero do cafeeiro consiste na utilização da poda do tipo esqueletamento ...

Aminoácidos recuperam o tomateiro

O tomate é amplamente produzido em várias regiões do mundo, com uma grande diversificação com relação ao uso para consumo na forma industrializada ou tomate de mesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!