22.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosManejo de plantio de cebola

Manejo de plantio de cebola

Foto: Shutterstock

Fabrício Teixeira de Lima Gomes
Engenheiro agrônomo e mestre em Ciência do Solo – Universidade Federal de Lavras (UFLA)
agro.fabriciogomes@gmail.com
Lívia Karine Pereira
Engenheira agrônoma e mestranda em Fitotecnia – UFLA
liviakarinep@gmail.com
Patrick Lopes Gualberto
Engenheiro agrônomo e mestrando em Entomologia – UFLA
patrick.gualberto1@estudante.ufla.br

Cultivares de cebola que são híbridas tem maior uniformidade do que as de polinização livre e, por conseguinte, toleram densidade de plantio maior, apresentam uniformidade de bulbificação e produtividade maiores.

As cultivares que possuem bulbos arroxeados estão basicamente restritas ao Nordeste brasileiro. O mercado ainda é limitado para as cebolas de sabor suave e doce, preferidas para saladas, e para cebola brancas, preferidas pela indústria.

Inovações genéticas

Os programas de melhoramento genético de cebola no Brasil proporcionaram ganhos significativos em produtividade, adaptação a estresses bióticos e abióticos e diversidade, o que possibilitou a modernização dos sistemas de cultivo, contribuindo para o desenvolvimento e sustentação da cebolicultura.

No Brasil, os programas de melhoramento genético são responsáveis pelo lançamento da maioria das cultivares em cultivo no País adaptadas às mais diversas condições edafoclimáticas e preferências regionais.

Além disso, a alta resistência a doenças foliares, como as causadas por Colletotrichum gloeosporioides e Alternaria porri, é uma das características dos cultivares brasileiras.

As cultivares brasileiras possuem, entre outras qualidades, tolerância a doenças, boa conservação pós-colheita e ampla variação de formato, tamanho, cor, número e espessura de catáfilos.

Possuem como principal objetivo atender às exigências do consumidor brasileiro, que prefere bulbos de tamanho médio, de formato globular, de catáfilos externos com coloração amarela de diferentes tonalidades e internos com coloração branca.

Além da adaptação a cada localidade e desempenho agronômico, o melhoramento genético da cebola tem focado em características diferenciais de qualidade nutricional e organoléptica.

Doenças e Pragas

A cultura da cebola, como qualquer outro cultivo comercial, pode ser atacada por pragas e doenças que devem ser manejadas adequadamente para que a produção não seja comprometida.

As principais doenças que acometem a cultura são de origem fúngica, mas bactérias e vírus também podem ser causadores de grandes problemas fitossanitários. A seguir estão citadas as doenças de maior importância para a cultura da cebola, seus causadores e principais sintomas.

Principais doenças causadas por fungos:

Queima das ponteiras (gênero Botrytis): a infestação se inicia com manchas esbranquiçadas no limbo foliar, com posterior morte progressiva dos ponteiros. As lesões nas folhas geralmente ocorrem quando os bulbos ainda não estão totalmente formados, fazendo com que os mesmos permaneçam pequenos, com os tecidos amolecidos, prejudicando a bulbificação e a colheita;

Mancha púrpura (Alternaria porri): no início, causa manchas esbranquiçadas que aumentam e se tornam marrons e posteriormente adquirem a cor púrpura, com um halo amarelado. Estas lesões podem causar a morte da folha e, quando localizadas no pendão floral, podem causar a sua quebra. Sua ocorrência nos bulbos leva ao apodrecimento, onde adquirem coloração marrom escura que inviabiliza a comercialização dos mesmos;

Míldio (Peronospora destructor): tem início como pequenas lesões pálidas e alongadas. Tais lesões evoluem e apresentam tecido clorótico e são cobertas por uma massa de esporos branca ou violeta. As hastes florais também podem apresentar lesões e se quebrar. Este fungo pode ainda atingir diretamente os bulbos, que ficam moles e enrugados;

Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides): no início da infestação ocorrem lesões deprimidas de cor marrom com círculos concêntricos no centro da mancha. Posteriormente, evoluem para lesões necrosadas e folhas cloróticas que ficam enroladas e, por fim, secam. Em alta infestação a raiz e o caule se tornam atrofiados, e os bulbos podem adquirir manchas escuras. Esta doença pode causar grandes danos em sementeiras, podendo levar ao tombamento, mela, apodrecimento e até à morte das plantas;

Podridão basal (Fusarium oxysporum): a infecção começa no ápice das folhas e segue em direção aos bulbos, posteriormente causando a morte das raízes. Em alta infestação é possível encontrar próximo do caule e dos bulbos um micélio branco;

Raiz rosada (Pyrenochaeta terrestres): doença comum próximo ao período de maturação da planta. Inicialmente ocorre uma descoloração das raízes, que acabam tornando-se rosadas e perdendo a turgidez e, posteriormente, sua função radicular. Em infestações severas a planta apresenta sintomas de deficiência nutricional e seca.

Principais doenças causadas por bactérias:

Podridão bacteriana da escama (Burkholderia cepacia): inicialmente os sintomas são apenas internos, de modo que as escamas ficam encharcadas e amolecidas. Posteriormente, ocorre o amarelecimento do pseudocaule do bulbo e as escamas sofrem apodrecimento úmido. Em infestações severas o bulbo pode se desprender apenas ao ser tocado;

Podridão mole (Pectobacterium carotovorum): o principal sintoma é o apodrecimento e alteração da consistência dos bulbos, que ficam encharcados externamente. Com o apodrecimento, os bulbos liberam um líquido com mal odor.

Principais doenças causadas por vírus:

Mosaico (OYDV – Onion Yellow Dwarf Virus): causa estrias e o curvamento dos pedúnculos florais. Ocorre a redução do número de sementes e da qualidade das mesmas.

Sapeca (IYSV – Iris Yellow Spot Virus): inicialmente ocorrem manchas necróticas com formato de olho. Em seguida, ocorre a formação de anéis e seca das folhas, de forma que a folha pode apresentar sua metade com coloração branca queimada e outra metade com coloração verde normal.

Controle

Várias medidas de controle podem ser utilizadas para o controle das doenças fúngicas da cebola, sendo o uso de fungicidas um item importante no manejo daquelas de parte aérea.

No entanto, doenças causadas por patógenos de solo devem ser manejadas principalmente pelo uso de cultivares resistentes e/ou por medidas preventivas de controle.  Ao se tratar de doenças causadas por bactérias e vírus, o controle deve ser realizado de maneira preventiva.

Existem diversas espécies de insetos e ácaros associados à cebola, no entanto, devido ao fato de muitas delas serem esporádicas e regionais, ou por ocorrerem com menor frequência e em níveis populacionais baixos, poucas são capazes de causar prejuízos significativos à cultura.

Entretanto, algumas espécies, como os tripes e a lagarta-rosca, são consideradas pragas-chave da cultura e, se não controladas, podem causar danos severos à cultura.

Eficiência do uso de variedades resistentes

Dentro de um programa de manejo integrado tanto de pragas como de doenças, existem diversos métodos que podem ser adotados, sendo o uso de cultivares resistentes um dos mais eficientes.

Esta técnica reduz de forma significativa e incidência de doenças e pragas na área, o que impacta diretamente na produtividade da cultura e nos custos de produção, utilizando menos inseticidas e fungicidas.

No entanto, não há variedades resistentes para todas as pragas e doenças que acometem a cebola. Dessa forma, é de suma importância escolher corretamente a cultivar de acordo com a região e histórico da área.

Custo das cultivares

O valor das sementes varia de acordo com a cultivar e deve-se considerar as características de produtividade, resistência a um ou mais patógenos e a empresa produtora. De maneira geral, os preços das cultivares resistentes (500g de sementes) varia de R$ 200,00 e R$ 500,00.

Custo-benefício

O uso de cultivares resistentes é uma estratégia interessante para manejar doenças e pragas, apresentando como vantagens a redução de perdas e dos custos com aplicações de produtos, tornando a cebolicultura mais sustentável e produtiva.

Como escolher a cultivar ideal

Para escolher corretamente a cultivar de cebola, é importante deve considerar a localidade de cultivo, que está relacionada ao fotoperíodo, que varia com a latitude e a época do ano, e a temperatura.

Dessa forma, o cultivo em locais ou em épocas do ano em que o fotoperíodo não esteja de acordo com as necessidades da cultivar poderá comprometer toda a produção. Além disso, deve-se levar em consideração as principais pragas e doenças encontradas na região produtora e o tipo de bulbo exigido pelo mercado.

Cuidados no manejo da cebola

A cultura da cebola requer cuidados específicos para garantir sua qualidade e sucesso produtivo. Dentro desse contexto, os cuidados gerais de manejo devem ocorrer desde sua implementação até a colheita.

A cultura da cebola necessita de temperaturas amenas, principalmente as noturnas, e a ausência de períodos longos de chuva facilita o seu manejo, principalmente o controle de doenças, e propicia a produção de bulbos de melhor qualidade. A região nordeste (Bahia e Pernambuco, principalmente) é exceção, pois produz cebola o ano todo.

O crescimento e desenvolvimento da cebola ocorre sob condições adequadas de temperatura e fotoperíodo. Além disso, a cultura se desenvolve melhor em solos profundos, ricos em matéria orgânica, que possuem uma boa retenção de umidade, bem drenados e sem compactação.

Em geral, os solos de textura média, quando bem drenados, são os mais indicados por possuírem boas condições físicas e maior eficiência produtiva.

Plantio

O plantio pode ser feito pelo método de semeadura direta no local definitivo. É comum o uso de rotocultivadores ou enxada rotativa com ou sem encanteirador, de modo a deixar o solo bem destorroado e aplainado.

E no caso do método de transplante de mudas, o destorroamento não precisa ser tão intenso, de forma que, dependendo das características do solo, em geral basta o sulcamento. Para os métodos de plantio de bulbinhos ou soqueira, seguem-se as mesmas recomendações de preparo do solo para o sistema de mudas.

Solos

A maioria dos solos brasileiros são naturalmente ácidos e pouco férteis, apresentando restrições ao desenvolvimento da cebola. Além dessa acidez natural, o cultivo do solo promove uma acidificação contínua pelo uso de determinados fertilizantes.

Dessa forma, com base na análise de solo, deve-se fazer a correção da acidez e uma adubação equilibrada, visando atender as exigências nutricionais da cultura.

A cebola é uma das hortaliças mais sensíveis à interferência das plantas daninhas, podendo ocorrer reduções de 30 a 90% na produção de bulbos, a depender do período da interferência após a emergência, destacando a importância do controle de plantas daninhas presentes na área de cultivo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cultivares de pêssego – Opções variadas para cada necessidade

  Maria do Carmo Bassols Raseira Doutora e pesquisadora da Embrapa Clima Temperado maria.bassols@embrapa.br O pessegueiro é uma espécie frutífera de clima temperado e, como tal, necessita...

Encontro de Hidroponia reúne tecnologias para o cultivo

Nos dias 17 e 18 de setembro a Universidade Federal de Santa Catarina, em parceria com o Laboratório de Hidroponia (LabHidro), promovem o 10º...

Floral Atlanta – Para quem busca qualidade no que faz

  A Floral Atlanta levou para a Hortitec seu carro-chefe, o Green-up, um substrato à base de espuma fenólica que atende as necessidades de germinação...

Transplantio mecanizado de hortaliças garante precisão

Antonia Mirian Nogueira de Moura Guerra Professora de Olericultura - Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB campus Barra) mirianagronoma@hotmail.com Para o bom desempenho produtivo de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!