28 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosMetodologia: acesso e customização de dados do setor florestal

Metodologia: acesso e customização de dados do setor florestal

Créditos André Kasczeszen

Uma solução desenvolvida pela Embrapa Florestas (PR), em parceria com a Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre), possibilita o acesso, organização e tratamento de várias bases de dados sobre o setor florestal.

O procedimento criado permite responder a perguntas como: quanto o Brasil exporta de portas? Quais os principais municípios produtores de madeira de eucalipto em Minas Gerais? O município de Eunápolis produz madeira em tora para outras finalidades? Quais são os principais países para os quais o Brasil exporta breu e terebintina? (veja as respostas a seguir).

Para isso, a metodologia ajuda a acessar seis diferentes repositórios de dados secundários do setor.

Diagnóstico

“A metodologia irá permitir um melhor diagnóstico do setor, visando um planejamento florestal em escala regional e nacional, inclusive com detalhamento municipal dependendo da disponibilidade de informações”, declara o pesquisador da Embrapa José Mauro Paz Moreira, um dos idealizadores do trabalho.

A “Metodologia de acesso e análise de dados da cadeia produtiva brasileira de florestas plantadas” utiliza um conjunto de procedimentos informatizados baseados em rotinas desenvolvidas em R, linguagem de programação estatística e gráfica de acesso livre e gratuito.

De acordo com o pesquisador, a ideia da metodologia é buscar esses dados dispersos em várias bases e tratá-los para que estejam acessíveis a associações florestais, órgãos governamentais, empresas florestais, consultorias do setor e universidades.

O principal motivador para esse projeto, segundo Moreira, foi a dificuldade de acessar bases de dados secundárias brutas do setor, fator agravado pela diversidade de fontes de informação, muitas vezes não conectadas. “Por isso, buscamos dinamizar o acesso à informação, ao facilitar o tratamento e a análise dos dados secundários por meio de um software gratuito (@R) para ampliar o acesso e difundir o conhecimento sobre as bases de dados florestais”, relata.

Solução

A solução foi projetada para que um usuário com treinamento médio em análise de dados e programação possa realizar o procedimento de acesso ao conteúdo de cada base. “A solução permite gerar informações de acordo com interesses específicos, e pode ser utilizada para agregar valor à atividade, seja ela empresarial, governamental ou de elaboração de políticas públicas e de desenvolvimento setorial”, afirma o cientista.

“Essa metodologia vem suprir uma demanda constante das associações e entidades que representam o setor florestal, pois permite apresentar a participação da produção florestal no desenvolvimento de determinada região. A escolha dos melhores indicadores, decorrente das informações e dados disponíveis, bem como a sua coleta, tratamento e análise, são etapas fundamentais para esse trabalho”, ressalta Ailson Loper, diretor-executivo da Apre.

Bancos de dados

Foram selecionadas seis principais bases para servirem de fonte desse trabalho: Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), que mantém dados de produção florestal e de área plantada de florestas de todos os países; Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PEVS-IBGE), que fornece informações sobre produtos madeireiros e não-madeireiros e a área plantada; Produto Interno Bruto dos Municípios, também do IBGE; a Relação Anual das Informações Sociais (Rais) do Ministério de Trabalho e Previdência (MTP), repositório de informações sobre emprego e empresas; Estatísticas do Comércio Exterior (Comex Stat); os Anuários da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) e o Valor Bruto da Produção Agropecuária do Departamento de Economia Rural da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Deral/Seab).

Junto às rotinas, que estão disponíveis para download no site da Embrapa Florestas, o usuário tem acesso a um manual com o detalhamento da metodologia utilizada, com informações sobre onde e como acessar os dados, a organização da estrutura de diretórios e subdiretórios, quais rotinas (scripts) devem ser executadas em cada etapa, bem como a disponibilização do procedimento informatizado para aplicação em outros períodos ou unidades da Federação. A estrutura de diretórios e subdiretórios contendo os scripts pode ser obtida em pasta compactada no site de softwares da Embrapa Florestas.

“A ideia não foi criar um aplicativo, mas facilitar o acesso a esses dados brutos, baixá-los e, a partir deles, possibilitar que os usuários criem seus próprios scripts a partir da estratégia apresentada. Com isso, podem definir e estabelecer formas de agregar valor ao seu negócio a partir dos dados organizados”, explica Moreira.

Inovação aberta

Para a elaboração da metodologia, os pesquisadores trabalharam com o conceito de inovação aberta e compartilhamento de dados, que possibilita a transferência de conhecimento tecnológico entre diferentes empresas e instituições.

A pesquisa foi concebida a partir de uma demanda da Apre, e reconhecida como uma necessidade de todo setor produtivo e algumas instituições governamentais no Grupo de Trabalho (GT) de informações florestais da Câmara Setorial de Florestas Plantadas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O projeto teve duração de nove meses, sendo seis para organização da estratégia, elaboração, teste e validação dos scripts, e três meses para organização das orientações para acesso às bases de dados e uso dos scripts.

A equipe da Apre realizou a identificação dos produtos e atividades que compõem o setor florestal, e à equipe da Embrapa Florestas coube a coordenação técnica para o desenvolvimento dos scripts, incluindo todo o processo de gestão do projeto, ideação, validação e testes.

Figura 1 : exemplo de gráfico gerado com uso da metodologia

Dados do setor florestal

A metodologia permite responder perguntas como estas e ainda gerar tabelas e gráficos:

  1. Quanto o Brasil exporta de portas?

Em 2021, o Brasil exportou mais de 182 mil toneladas de portas, ao valor de US$ 439 milhões, com aumentos de 8,1% e 39,3% em relação aos valores de 2020, respectivamente.

  • Quais os principais municípios produtores de madeira de eucalipto do Mato Grosso? E de Minas Gerais?

Em 2021, no MT, Santo Antônio de Leverger produziu 570 mil metros cúbicos (m³) de madeira de eucalipto, Campos do Júlio, 120 mil, e Brasnorte, 100 mil. Já em Minas Gerais, João Pinheiro produziu 937 mil m³ de madeira de eucalipto, seguido por Diamantina (628 mil) e Grão Mogol (581 mil). A produção de carvão vegetal foi maior em João Pinheiro (474 mil toneladas) e Itamarandiba (285 mil toneladas).

  • Eunápolis produz madeira em tora para outras finalidades?

Toda a produção de madeira em tora de eucalipto em Eunápolis (BA) no ano de 2021 foi destinada à indústria de papel e celulose (377 mil metros cúbicos), não havendo destinação para outras finalidades naquele ano.

  • Quais são os principais países para os quais o Brasil exporta breu e terebintina? E o Rio Grande do Sul?

Portugal, China, Japão, Índia e Espanha foram os principais países importadores de colofônias e breu do Brasil em 2020 e 2021, sendo que a China e a Índia diminuíram sua participação em 2022, e a Espanha aumentou. Portugal também é o principal importador de resinas naturais para beneficiamento (mais de 50% em 2020, 80% em 2021 e 90% em 2022). As exportações de terebintina vão, principalmente, para a Índia, Estados Unidos, Japão, México e França.

Espanha e Portugal são os principais compradores de colofônias e breu do Rio Grande do Sul, e Portugal é o principal comprador de resinas naturais desse Estado. A terebintina gaúcha destina-se, principalmente, à Índia, Estados Unidos, França e China.

Estudo setorial

A Apre, parceira no desenvolvimento da metodologia, já utilizou os dados gerados de forma prática: no dia 18 de novembro foi lançado o Estudo Setorial 2022 sobre a cadeia produtiva florestal paranaense.

Todas as análises de dados secundários baseiam-se em informações extraídas com a metodologia, possibilitando gráficos e tabelas para o estudo.

Além disso, a Apre lançou uma ferramenta inédita entre as associações que representam o setor florestal: um painel interativo, com dados atualizados sobre o segmento de florestas plantadas.

A partir dele, todos os interessados têm acesso rápido e descomplicado às informações do Estudo Setorial em âmbito estadual e por município, com diversos filtros, como área plantada, gênero, principal produto florestal, Valor Bruto de Produção, entre outros.

“A metodologia de acesso aos dados secundários foi essencial para a extração e compilação das informações. Com o painel e o Estudo Setorial, esperamos que cada vez mais pessoas conheçam a importância do setor florestal”, afirma Zaid Ahmad Nasser, presidente da Apre.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tomate no Brasil: dados recentes de produção, comercialização e consumo

Confira os dados mais recentes sobre a produção de tomate no Brasil.

Dia de Campo é metodologia favorita

Só em 2022 a Emater-MG realizou 367 Dias de Campo, reunindo mais de 14.760 pessoas durante os encontros

Como a inteligência de dados está transformando a agricultura?

Os desafios enfrentados pelo setor agrícola nunca foram tão complexos e isso se dá por conta da necessidade de aumentar a produção para alimentar...

Dados comprovam força da presença feminina no agro brasileiro

Para fomentar o crescimento desse cenário, ocorre, nos dias 25 e 26 de outubro a 8ª edição do CNMA, no Transamerica Expo Center, em São Paulo; inscrições abrem hoje

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!