24.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioAnimaisMogno africano - Principal madeira nobre cultivada no Brasil

Mogno africano – Principal madeira nobre cultivada no Brasil

Autor

Everton Regatieri
Diretor comercial e sócio do Grupo Fértille
everton.fertille@gmail.com

Características físicas determinam a dureza de uma madeira e sua utilização na cadeia produtiva da madeira. O mogno é considerada uma madeira dura (nobre), porém, de fácil trabalhabilidade, podendo ser utilizada para diversas finalidades, como móveis, pisos, paredes e madeiramento aparente.

Mercado

Na África, onde o mogno é nativo e plantado comercialmente, já existe um mercado que movimenta muito dinheiro e exporta madeira para o mundo todo. Já no Brasil, o plantio de mogno em área comercial é muito recente e os ciclos de corte estão se iniciando agora, com grande demanda para a madeira produzida.

Temos, ainda no Brasil, uma questão dos plantios pequenos, fomentados pelo ‘faça você mesmo’, o que acaba dificultado o fechamento de números de hectares plantados. Sabemos que em números atuais, temos algo acima de 45 mil hectares de mogno africano plantado.

Acreditamos que, com o passar dos anos, os plantios comerciais de mogno terão muita madeira para atender ao mercado interno e para exportação, porém, muito longe de atender a demanda nacional e mundial.

Produção anual

Como os primeiros plantios no Brasil fizeram agora 18 anos, e não foram plantados de forma comercial e sim experimental, a produção ainda é pequena. Os plantios em área comercial, quando começarem a ser cortados, vão colocar madeira de qualidade no mercado, mas muito longe de equilibrar a demanda.

Demanda

A demanda de madeira nobre (mogno) ocorre em grande parte na Europa, embora o Brasil seja um grande consumidor de madeiras nobres. Já temos ofertas de compras de nossa produção vinda da Europa, mas como estamos no meio do ciclo dessa espécie, ainda é cedo para negociarmos.

No Brasil há grandes áreas de plantio espalhadas por SP, MG, GO ES e MS.

Investimento x rentabilidade

Um plantio bem realizado, pensando da preparação da área até o replantio, é estimado em cerca de R$ 6.800,00 por hectare para implantação e entre R$ 1.800,00 a R$ 2.200,00 por hectare/ano nos três primeiros anos para os custos de condução, podendo cair a partir do quarto ano.

As estimativas apontam para uma produção final entre 170 a 200 m³ em toras em um período que pode variar de região para região mas em média entre 15 a 18 anos.

Existem muitas informações desencontradas na internet. Em nosso caso, temos um pequeno retorno na época que fazemos um desbaste (tiramos de 30 a 45% das árvores por hectare) entre o oitavo e décimo ano e o corte final, que é realizado entre 15 a 18 anos.

Erros que devem ser evitados

Conforme informado acima, existem muitas informações desencontradas na internet. Uma delas estimula o plantio de pequenas áreas (de 1,0 a 5,0 ha) no ‘sistema faça você mesmo’. Devemos pensar em custos pelo ciclo total da cultura. Ex: manejo, proximidade do polo consumidor, corte, transporte, processamento mínimo, o que impacta violentamente em áreas pequenas.

Se for plantar, faça um projeto com um engenheiro florestal que conheça da atividade (madeira dura) e peça uma avaliação de sua área. Acredito que com estas informações básicas, se eliminam muitos problemas futuros.

Manejo de pragas e doenças

Toda cultura tem pragas, e com o mogno não é diferente. É preciso sempre ficar atento ao plantio de mogno, em geral, formiga, abelha arapuá e pequenos gafanhotos, que podem atacar um plantio, porém, são de fácil controle.

Já as ervas daninhas são de controle fácil, como qualquer outra cultura, respeitando apenas o tamanho das árvores.

ARTIGOS RELACIONADOS

Jacarandá: a árvore da sabedoria e do lucro

O jacarandá é uma espécie com alto potencial para o manejo florestal sustentável. Entre as principais vantagens estão a sua facilidade de comercialização no mercado interno e externo, por sua madeira de alta qualidade; sua alta taxa de regeneração em florestas alteradas e sua fácil adaptação em terrenos de baixa fertilidade.

Plantas daninhas interferem no desenvolvimento do eucalipto

    Paulo Henrique Leite Machado Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA)/BachelorofAgriculturalSciences - Universityof Adelaide (UofA) " Austrália e membro do Grupo de Estudos...

Setor sucroenergético do MS investe em nova variedade de cana de açúcar

Durante a programação pesquisadores do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-açúcar da RIDESA/UFSCar apresentaram os resultados do Censo Varietal 2017/18, dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Iscas formicidas – Arma poderosa ao seu alcance

  Thalles Cardoso Mattoso Engenheiro agrônomo, pós-doutor no laboratório de Entomologia e Fitopatologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) Thaís Berçot Pontes Teodoro Bióloga, mestre em Ecologia...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!