20.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioPecuáriaBovinosMonitoramento remoto de tanques leiteiros

Monitoramento remoto de tanques leiteiros

Solução da Rúmina garante o armazenamento adequado da produção e envia alertas quando identifica alterações

Já imaginou uma ferramenta que funciona como os ‘olhos’ do produtor, monitorando 24 horas por dia o tanque de leite, oferecendo informações diárias e emitindo alertas para possíveis imprevistos em tempo real e à distância? Com o RúmiTank, essa realidade se torna possível. 

Créditos: Divulgação

Desenvolvida pela Rúmina, a solução é uma tecnologia voltada ao monitoramento de tanques de leite, proporcionando segurança e rastreabilidade aos produtores e para a indústria, com o objetivo de garantir o armazenamento adequado da produção nas fazendas.

Depois de todo o trabalho realizado pelo produtor para a correta alimentação dos animais e seus cuidados sanitários, o leite chega ao tanque de resfriamento. Neste momento, muitos produtores podem pensar que o processo foi finalizado, mas não é bem assim. No tanque, ainda podem acontecer alguns imprevistos, fazendo, inclusive, com que o leite perca a sua qualidade.

“Se uma ordenha foi iniciada e o leite começou a cair dentro do tanque, mas ele está com o motor de resfriamento desligado, o produtor só iria perceber depois de 12, 14 horas, ou somente no dia seguinte. Imagina perder toda a produção de um dia?”, exemplifica o Gerente Comercial, Leonardo Araújo. É justamente para evitar esses riscos e prejuízos que o RúmiTank foi projetado. “Com ele, o produtor teria recebido um aviso de que o tanque não estava ligado, evitando a possibilidade de descarte do leite”, completa.

O RúmiTank monitora em tempo real o volume, a temperatura, o sistema de agitação e de refrigeração, além da abertura de tampa e energia. Devido à sua bateria interna, o dispositivo mantém o monitoramento contínuo mesmo em momentos de queda de energia.

A solução é feita com base em IoT, a “internet das coisas”, que identifica e notifica diferentes situações que interferem diretamente na boa gestão do leite nas propriedades, seja na ordenha, na coleta ou armazenamento. Os produtores recebem esses alertas em seus celulares e se mantêm sempre informados sobre as condições da produção. 

Outro benefício oferecido é o acompanhamento, 24h/dia, do horário de início e término de cada ordenha, garantindo a segurança que o produtor precisa, principalmente nos períodos em que não estiver na fazenda. “Independentemente de onde esteja, o produtor consegue ter essas informações em tempo real. Além disso, também há um alerta emitido para avisar quando a tampa do tanque estiver aberta. Mais uma contribuição fundamental para evitar prejuízos”, complementa Araújo. 

Além dos alertas, o sistema também conta com o monitoramento da temperatura do tanque – fator essencial para manter a qualidade da produção -, garantindo que o leite seja refrigerado a 4ºC até o momento de sua coleta.

O sensor passou por diversos testes, demonstrando seu funcionamento em diferentes tipos de tanques, incluindo os modelos verticais, meia cana e horizontais. Sua instalação é fácil e não requer alterações na rotina de lavagem do tanque.

Eficiência para os laticínios

“O RúmiTank dá ao produtor uma visão de ‘para-brisa’ ao invés de ‘retrovisor’. Ou seja, permite um olhar focado nas informações do presente, possibilitando melhores estratégias para o futuro, ao contrário dos que não possuem a tecnologia e acabam se baseando apenas em informações tardias”, explica Araújo.

Com uma gestão mais assertiva e segura do leite, os impactos positivos gerados pelo RúmiTank refletem porteira afora. Afinal, os problemas que afetam o produtor também irão interferir nos laticínios – e, devido a isso, o RúmiTank se torna algo de interesse para ambos.

Atualmente, boa parte da indústria leiteira trabalha com uma visão de ‘retrovisor’, visto que recebem o leite, realizam as medições e somente depois descobrem possíveis erros nos parâmetros de temperatura, complementa o Gerente Comercial. “Com o RúmiTank, os laticínios passam a saber de forma mais rápida a origem do problema, tendo a oportunidade de tomarem decisões baseadas no histórico e dados atuais. Então, ao perceber esse cenário, eles podem acionar a assistência técnica, conversar com o produtor com antecedência ou, ainda, alterar os horários da rota de acordo com os dados de coleta e resfriamento obtidos”.

ARTIGOS RELACIONADOS

Resistência a biotecnologias exige monitoramento rigoroso

Mapitoba deve enfrentar pressões de Spodoptera frugiperda na safrinha, ante alto número de mariposas capturadas e à alta infestação da primeira safra.

Tecnologia reduz riscos no agronegócio

O agronegócio é um dos setores que mais cresce no Brasil, mas nem por isso está imune a riscos.

Plantio com monitoramento online fornecido pela Jacto Next

Por meio da conectividade 4G, plataforma EKOS de gestão de operações agrícolas ...

Agricultor deve monitorar mais sua lavoura

O aumento da pressão de percevejos e lagartas tem sido notado principalmente no Cerrado, onde as temperaturas estão elevadas e chuvas abaixo da média.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!