25.8 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosMudas de café com pseudomonas exigem medidas drásticas de controle

Mudas de café com pseudomonas exigem medidas drásticas de controle

 

José Braz Matiello

jb.matiello@yahoo.com.br

Saulo Roque Almeida

Engenheiros agrônomos da Fundação Procafé

José Renato Dias

Lucas Franco

Engenheiros agrônomos das Fazendas Sertãozinho

 

Mudas de café com pseudomonas exigem medidas drásticas de controle - Crédito José Maria
Mudas de café com pseudomonas exigem medidas drásticas de controle – Crédito José Maria

A doença mancha aureolada, causada pela bactéria Pseudomonas seryngae pv. garcae, é problemática em ambientes úmidos e frios, ocorrendo em lavouras no campo e, também, nos viveiros de mudas de café.

O controle da doença envolve medidas culturais e o controle químico. Este tipo de controle é dificultado por não existir produto bactericida sistêmico, capaz de curar a doença quando já instalada, nos cafeeiros ou em suas mudas.

Nos viveiros o ataque de Pseudomonas é favorecido pela umidade, pela sombra, pelos ventos e pela adubação nitrogenada. A presença de lavouras vizinhas ao viveiro tende a facilitar o ataque.

Prevenção

Para o controle preventivo, nas mudas de café, indica-se o uso de produtos cúpricos, pulverizados quinzenalmente, podendo ser usadas, ainda, aplicações complementares de kasugamicina e outros produtos novos no mercado, ainda em teste, sendo todos de efeito apenas protetivo.

Os fungicidas cúpricos atuam de forma eficiente, pois o cobre é tóxico às bactérias. No entanto, apesar dessa proteção, é comum escaparem alguns focos da doença nos canteiros e, neste caso, não havendo boas condições de cura, indica-se uma solução drástica, consistindo na eliminação das mudas atacadas tão logo se verifique o ataque.

Este procedimento de eliminação de mudas foi adotado recentemente em viveiro, com bons resultados. Ele se baseia no fato de que o inóculo da bactéria, presente nas folhas e caule das mudas, se dissemina para as demais principalmente pelos pingos da água de irrigação.

Crédito Cristiano Soares de Oliveira
Crédito Cristiano Soares de Oliveira

Neste procedimento, quando a reboleira é bem definida, deve-se retirar as mudas junto com as sacolas, e quando começa o ataque em mudas salteadas no canteiro basta arrancar e eliminar as mudas atacadas.

A prática tem mostrado que, embora seja possível recuperar mudas atacadas, no viveiro elas retomam a doença quando levadas ao campo, e aí o problema pode se agravar, chegando mesmo à morte das plantas.

Alternativas

Como medidas paralelas ao controle deve-se reduzir a irrigação das mudas; cortar, temporariamente, a adubação nitrogenada e promover o “endurecimento“ das mudas, com o uso de triadimenol, através de rega.

Essa matéria você encontra na edição de maio da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua!

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Miac lança Colhedora de Mandioca

A novidade apresentada pela empresa Miac foi a Colhedora de Mandioca, que retira a cepa da raiz, produto não aceito pela indústria. Anteriormente todo...

Proibição do paraquate aumentaria custo de produção em 129%

Para a CNA, defensivo agrícola paraquate tem de ser reavaliado cientificamente, pois até os Estados Unidos mantêm seu uso   De acordo com dados apresentados pela...

Cafés do BR ocupam 5º lugar no ranking da receita das lavouras

O Valor Bruto da Produção - VBP total das lavouras brasileiras em 2020 deverá atingir o montante de R﹩ 453,36 bilhões, valor que foi calculado com base...

A importância dos micronutrientes na cultura da batata

  Daniela Vitti Engenheira agrônoma, doutora em Ciências e Coordenadora Técnica da Bio Soja Emanuel Alexandre Coutinho Pereira Consultor de Vendas da Agrozap, Uberaba (MG) Renato Passos Brandão...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!