26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosNutrição inteligente para a bataticultura

Nutrição inteligente para a bataticultura

Jeferson Carlos de Oliveira Silva
Doutorando em Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA) e especialista em melhoramento de batata-doce
jefersonteng@gmail.com
Isaías Antonio de Paiva
Doutorando em Agronomia – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e professor – Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU)
paiva.isaiasantonio@gmail.com

Foto: Shutterstock

Para se ter uma noção, a quantidade de fósforo requerida pela cultura, a depender da quantidade de argila do solo, bem como da sua mineralogia, pode promover a necessidade de que a adubação com fósforo seja até cinco vezes maior, quando comparada a um solo com textura arenosa e um solo de textura muito argilosa, por exemplo.

Os outros macronutrientes, nitrogênio e potássio, também são extremamente requeridos pela cultura, em quantidades “cavalares” para altas produtividades. A adubação com nitrogênio e potássio ocorre na amontoa, normalmente de 25 a 30 dias após o plantio.

E, por motivos fisiológicos e também operacionais, a adubação de cobertura é realizada em dose única junto à amontoa. Porém, as quantidades requeridas de nitrogênio e potássio são muito elevadas e alguns problemas importantes começam a surgir.

As doses elevadas de nitrogênio e potássio podem causar: lixiviação desses nutrientes, salinização localizada (próxima ao sistema radicular) e acidificação da rizosfera, originando desequilíbrio nutricional, devido à deficiência de outro nutriente pela competição com nitrogênio e potássio. A ocorrência e a magnitude desses problemas dependem das condições locais.

Solução

Uma possível solução para evitar ou minimizar esses problemas é a adoção de fertilizantes de origem mineral com liberação lenta. Esses fertilizantes podem ser divididos em dois grupos principais: os chamados pós de rocha, que possuem média/baixa concentração de nutrientes e, à medida que ocorre a intemperização do mineral, liberam o nutriente para a planta; e também os mais utilizados, de natureza solúvel e concentrados (principalmente N, P e K).

Esses, normalmente, são grânulos formulados em mistura ou individuais, com tecnologias de revestimento baseadas em substâncias orgânicas ou inorgânicas, que conseguem retardar o processo de liberação do nutriente no solo e, consequentemente, na planta.

Foto: Shutterstock

Os fertilizantes de liberação lenta, a depender da sua tecnologia e eficiência, conseguem suprir a demanda nutricional da batata de maneira gradual no tempo. Dessa forma, eles podem diminuir ou eximir os efeitos adversos no solo, como a acidificação e salinização, e também conseguem nutrir a cultura com mais eficiência, pois as perdas por volatilização, lixiviação e até adsorção tendem a serem menores.

Custos

Segundo a Conab, os custos de produção variam entre R$ 20 mil e R$ 60 mil/ha/ano, valores muito influenciados pela safra, o sistema de produção, o nível tecnológico, a oscilação dos preços de insumos e serviços da região, dentre outros.

No cultivo da batata, os custos com fertilizantes são extremamente elevados devido à grande quantidade de nutrientes requerida pela cultura. E o valor depende de basicamente três principais fatores:

1 – Preço do dólar/fertilizante, pois grande parte dos fertilizantes nitrogenados, potássicos e fosfóricos são importados.

2 – Análise de solo, momento em que serão definidas as doses a serem utilizadas de cada nutriente.

3 – E, por fim, mas não menos importante, a localização geográfica. Embora pareça algo sem importância, a localização geográfica impacta diretamente no preço dos fertilizantes, pois o modelo de transporte rodoviário (caminhões) é altamente dependente do valor do petróleo (diesel), que é importado, em sua maioria. Além da volatilidade do mercado internacional, esse fator é de grande relevância no Brasil.

Contudo, a proporção do custo com fertilizantes em relação ao custo total vai depender do sistema empregado, ou seja, dos outros custos, como, irrigação, manejo fitossanitário, colheita e beneficiamento, e das combinações dos fatores mencionados anteriormente. Estima-se que o custo com a parte nutricional varie entre 15 a 30% do custo total.

Naturalmente, o manejo e os tratos culturais se dão de acordo com o sistema de produção, o nível tecnológico adotado, assim como a necessidade da cultivar. Iniciam-se nos tratos culturais, como preparo do solo, montagem dos camalhões, plantio, irrigação, amontoa, manejo nutricional e fitossanitário, interrupção do ciclo, colheita e pós-colheita.

ARTIGOS RELACIONADOS

Importância do manejo nutricional do cafeeiro

  Juliano Gullo de Salvo Engenheiro agrônomo,M.Sc e gerente técnico da Green Has do Brasil Marcílio Lusvarghi Engenheiro agrônomo e RTV da Green Has do Brasil   O cafeeiro tem...

Rigrantec apresenta novidades em nutrição e tratamento de sementes

  A Rigrantec levou novos produtos para a Hortitec, como HorusNut, um produto completo, com algas, aminoácidos, macro e micronutrientes quelatados para grandes culturas, como...

Trailer itinerante roda mais de 50 cidades levando tecnologia e informação

Com o objetivo de contribuir para a modernização e sustentabilidade na cadeia produtiva, a Seminis, empresa de sementes de hortaliças da Bayer, em parceria com a...

Semente de batata mais brotada é melhor?

Douglas José Marques Professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano-UNIFENAS douglas.marques@unifenas.br A produção de batata-semente constitui uma das fases mais importantes da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!