20.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesO futuro dos biológicos

O futuro dos biológicos

Bioestimulantes e biodefensivos são o foco da indústria do agro; percentual de crescimento chega a dois dígitos por ano

Divulgação

O meio ambiente é composto por milhares de microrganismos. Muitos contribuem para a nossa sobrevivência e desenvolvimento. Isso também acontece na produção agrícola. Em 1891, os cientistas alemães Friedrich Nobbe e Lorenz Hiltner iniciaram suas primeiras descobertas no que se refere aos insumos biológicos. Eles isolaram e multiplicaram os rizóbios, microrganismos que fazem a infecção e colonização nas raízes das plantas leguminosas formando os nódulos, que contém bactérias benéficas capazes de fixar o nitrogênio do ar e disponibilizá-lo às plantas em troca de alimento (açúcares).

A descoberta culminou no investimento em estudos sobre insumos biológicos, que decolou desde então. Dados da Associação Nacional dos Produtores e Importadores de Inoculantes (ANPII), contabilizou em 2022 a comercialização de 130 milhões de doses de inoculantes biológicos, com ganhos que podem chegar a 16% em incremento na produtividade da soja com o uso da coinoculação – bactérias do gênero Bradyrhizobium e Azospirillum combinadas. A coinoculação ajuda a fornecer energia o suficiente para que não só a planta cresça, mas também suas raízes, o que a permite captar água em uma parte mais profunda do solo, garantindo assim a sua sobrevivência em tempos de déficit hídrico (veranico).

A procura neste segmento segue em ascensão. Uma pesquisa de campo com agricultores brasileiros realizada pela consultoria Kynetec, apontou que na safra 2022/23 a comercialização de insumos biológicos atingiu um faturamento de US$ 827 milhões, representando um aumento de 52% em comparação com o ciclo anterior de 2021/22 (US$ 547 milhões). A questão agora é: para onde este segmento deve caminhar?

A resposta nos parece bem simples: ajudar o produtor a produzir mais e com menor custo e impacto ambiental por meio dos inoculantes biológicos que aumentam a produtividade e pelo controle de pragas e doenças com biodefensivos.

Os biodefensivos também são outra contribuição que a biotecnologia traz para a agricultura brasileira. Um exemplo são fungos retirados da natureza que, devidamente manuseados, têm sido utilizados para o controle do inseto transmissor do greening na citricultura, por exemplo. Por muitos anos se estudou a eficácia do fungo Beauveria bassiana, um predador natural do psilídeo, inseto transmissor da doença. O mesmo fungo tem sido trabalhado para controle de pragas do café e erva-mate e outras culturas que podem se beneficiar com a descoberta de “antídotos” encontrados na natureza. O nosso papel é fazer esta ponte.

Assim caminha a indústria de biológicos, com investimentos contínuos em biotecnologias e olhar para a natureza como uma aliada. Dados da CropLife apontam que as indústrias do segmento devem investir R$ 17 bilhões até 2030, com aumento anual na taxa dos 23%. A tendência de crescimento do mercado de biológicos é certa, e ela deve caminhar para ajudar a sanar as “dores” dos agricultores no controle de pragas e doenças e oferecer ferramentas para aumentar a resistência das culturas às intempéries climáticas.

Fernando Bonafé Sei, gerente da área técnica da Novonesis.

ARTIGOS RELACIONADOS

Biológicos, manejo integrado e aumento de produtividade

Qual é o futuro da agricultura? Se olharmos para o passado, poderemos lembrar que o uso de defensivos agrícolas e fertilizantes minerais industrializados trouxeram um importante incremento na produtividade das culturas e, consequentemente, grande aumento na produção e oferta de alimentos em todo o mundo.

Ações para evitar Doenças de Final de Ciclo já devem ser iniciadas

Aplicações de biofungicidas no manejo preventivo das culturas protegem a lavoura desde o início e ajudam as plantas a se desenvolverem melhor

Parceria oferece vantagens no uso de biológicos e vinhaça localizada no canavial

Programa de relacionamento da Biotrop possibilita descontos na Nonino - Indústria e Comércio de Implementos Agrícolas, empresa pioneira na fabricação de máquinas que facilitam a aplicação do subproduto na linha de plantio da cana-de-açúcar

Biológicos – quem ainda não usou, vai usar! 

Dr. Sérgio Mazaro da Universidade Tecnológica Federal do Paraná falou um pouco sobre o uso de biológicos com Maneco Zago e Felipe Biazola.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!