23.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiPlantio de tomate - O que há de novo

Plantio de tomate – O que há de novo

Carlos Antonio dos Santos

Engenheiro agrônomo e mestre em Fitotecnia pela UFRRJ

carlosantoniods@ufrrj.br

Mariella Camargo Rocha

Engenheira agrônoma, doutora em Fitotecnia e pesquisadora no Instituto Federal Goiano ” Campus Ceres

marigonnis@gmail.com

Margarida Goréte Ferreira do Carmo

Engenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora na UFRRJ

gorete@ufrrj.br

 

Crédito Ricardo Zepter
Crédito Ricardo Zepter

O tomate se destaca como uma das hortaliças de maior importância e rentabilidade. Segundo dados do IBGE, no ano de 2016 a produção total brasileira foi de 3.667.121 toneladas, com produtividade média de 63.955 t/ha.

A estimativa da produção brasileira de tomate em 2017 apresenta crescimento de 15,2% em relação ao ano anterior (IBGE, 2017). Somente no Estado do Rio de Janeiro, quinto maior produtor nacional, o faturamento com a cultura do tomate no ano de 2016 foi superior a R$ 252 milhões (Emater-RJ, 2017), demonstrando sua relevância.

Estes índices são obtidos graças a grandes investimentos em pesquisas ao longo dos anos, voltados ao desenvolvimento de novas cultivares, técnicas de manejo de pragas e doenças, manejo de irrigação, produção de mudas e adubação. A pós-colheita também tem grande relevância na cadeia de produção e comercialização de tomate e merece atenção especial visando sempre a oferta de produtos de alta qualidade aos consumidores.

O plantio de tomate de mesa passou por grandes modificações na última década - Crédito Shutterstock
O plantio de tomate de mesa passou por grandes modificações na última década – Crédito Shutterstock

Tecnologias

O plantio do tomate pode ser praticamente todo automatizado com a utilização de máquinas para esta cultura. Além disso, para a maior eficiência da produção do tomate especial, o produtor precisa estar atento a todos os fatores que possam influenciar na qualidade do produto final, como disponibilidade de água, uso de fertilizantes e produção em ambientes protegidos e controlados.

A adoção de tecnologias que levem à otimização dos gastos na cultura e à garantia de boa produtividade e qualidade dos frutos é essencial para o sucesso do empreendimento. Nas lavouras voltadas para a agroindústria, observa-se um grande avanço tecnológico, especialmente na sua mecanização, o que tem permitido a obtenção de altas produtividades, porém, requer certo grau de investimento.

O tomateiro é uma das hortaliças mais exigentes em fertilidade - Crédito Ana Maria Diniz
O tomateiro é uma das hortaliças mais exigentes em fertilidade – Crédito Ana Maria Diniz

Cultivares

Atualmente, encontram-se disponíveis no mercado cultivares híbridas de alta produtividade, com boa uniformidade dos frutos e consistência, vida de prateleira mais longa e resistência a algumas doenças, como viroses, vira-cabeça, mosaicos e a doenças causadas por patógenos de solo, como a murcha-de-fusário, principalmente aquelas causadas pelas raças 1 e 2 de Fusariumoxysporumf sp. lycopersici e a algumas raças de Meloidogyne incognita e M. javanica, por exemplo.

Estas características reunidas em um mesmo material genético resultam em melhores índices de produtividade e de qualidade comercial dos frutos, principalmente quando o cultivo se dá em condições de ambiente adequadas e manejo correto da cultura.

Existe, ainda, um grande número de opções de cultivares para atender diferentes tipos e nichos de mercado, desde os tradicionais tomates dos grupos Salada e Santa Cruz a cultivares do grupo Cereja e Italiano, cujos mercados encontram-se em expansão.

Vale destacar o segmento de produtos gourmet, em que podem ser explorados frutos não convencionais com cores, formatos e sabores diferenciados. Este segmento ainda é muito pouco explorado no Brasil.

Diversos produtores têm optado por realizar o plantio em um ambiente protegido - Crédito Shutterstock
Diversos produtores têm optado por realizar o plantio em um ambiente protegido – Crédito Shutterstock

Máquinas e automatização

O plantio de tomate de mesa passou por grandes modificações na última década, englobando desde as sementes melhoradas geneticamente até o sistema de condução. Diversos produtores têm optado por realizar o plantio em um ambiente protegido, onde ocorre menor ataque de pragas e doenças.

Geralmente, são cultivados em casas devegetação automatizadas, projetadas para o cultivo do tomate e que permitem uma melhor regulação das condições de ambiente, como temperatura do ar, umidade relativa, ventilação, sistema de irrigação e fertirrigação.

Já os produtores que cultivam em condições de campo podem contar hoje com equipamentos que permitem uma maior precisão nas aplicações de insumos químicos, como pulverizadores e atomizadores que, quando usados de forma correta, aumentam a eficácia das aplicações.

No caso do tomate para processamento industrial, cultivado em grandes áreas em condições de campo, vêm sendo utilizados sistemas automatizados desde a produção das mudas e transplante até a colheita.

Na pós-colheita, merece destaque a utilização de máquinas que possuem seletores com sensores infravermelhos, os quais auxiliam no processo de separação dos frutos de acordo com sua coloração. A utilização destas tecnologias vem ajudando no desenvolvimento do setor, especialmente em regiões com mão de obra escassa.

Uso de tecnologias possibilita alta produção - Crédito Luize Hess
Uso de tecnologias possibilita alta produção – Crédito Luize Hess

Irrigação

Os três principais tipos de irrigação utilizados são por aspersão, sulco e gotejamento. A irrigação por aspersão na cultura do tomateiro possui como limitação o aumento das dificuldades no manejo de várias doenças da parte aérea, como a requeima (Phytophthorainfestans) e a pinta-preta (Alternaria solani).

A água distribuída por aspersão, além de dispersar os esporos/células dos patógenos, promove molhamento foliar que favorece o processo de infecção e desenvolvimento das respectivas doenças. Pode, também, remover os resíduos de defensivos aplicados na parte aérea, reduzindo a eficiência das aplicações.

A irrigação por sulcos ainda é muito utilizada na produção de tomate para mesa, porém, sua utilização requer uma correta sistematização do terreno e apresenta maior consumo de água, além de contribuir para a dispersão de patógenos habituais do solo, como Ralstoniasolanacearum. Este método apresenta baixa eficiência de aplicação, com perdas de água por percolação superiores a 40%.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de janeiro 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

GTS do Brasil comemora 15 anos de atividade

Inovação tecnológica tem sido a marca da empresa no mercado de implementos agrícolas “Ao longo dos últimos15 anos cerca de 16,9 milhões de hectares de...

Aminoácidos reduzem estresse do pessegueiro

Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia - ICIAG-UFU ferbacilieri@zipmail.com.br Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia robertacamargoss@gmail.com José Geraldo Mageste Engenheiro florestal e professor -...

Embrapa lança cultivar de arroz para áreas de sequeiro

A Embrapa e parceiros lançaram a cultivar de arroz BRS A502, indicada para o cultivo em áreas de sequeiro em terras altas nos Estados do Maranhão, Pará, Rondônia, Piauí, Goiás e Mato Grosso.

Milho-pipoca é um novo atrativo para o produtor?

Autores Israel Alexandre Pereira Filho Emerson Borghi Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo O milho-pipoca (Zea mays L.) é um tipo de milho que...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!