27.7 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesProdutos biológicos: uma oportunidade que não podemos desperdiçar

Produtos biológicos: uma oportunidade que não podemos desperdiçar

Foto: Christian Lohbauer, Presidente Executivo da CropLife Brasil.

Portanto, é no também no Brasil que são pensadas e testadas as tecnologias mais revolucionárias para a agricultura. No país, atualmente, a pesquisa vinculada ao campo prosperou e é referência mundial. Uma dessas frentes de inovação é a indústria de produtos biológicos. Essas ferramentas, insumos derivados de um ingrediente ativo que ocorre naturalmente, podem ser semioquímicos, micro e macro organismos usados para eliminar a pragas, proteger os vegetais e suplementar a nutrição das plantas com baixíssimo impacto no meio ambiente. Entre as soluções trazidas pelos produtos biológicos está, por exemplo, a pulverização de microrganismos que controlam pragas. 

De acordo com a consultoria IHS Markit, o mercado brasileiro de biológicos em 2021 chegou a R$ 1,9 bilhão, um crescimento acima de 35% em relação ao ano de 2020. Ainda segundo a mesma fonte, espera-se que a expansão se mantenha nesse patamar de aumento até 2025. Entre 2025 a 2030, o incremento deve ser de 25%. As projeções, portanto, apontam para um mercado de cerca de R$ 17 bilhões em 2030. As principais premissas que sustentam essas estimativas são as mesmas que asseguraram o cenário favorável atual: maior oferta, intensificação de práticas de manejo integrado de pragas e crescente aceitação por parte dos produtores. Hoje, a soja é o maior destino das aplicações de biológicos, respondendo por 40% do mercado, seguida pela cana (20%).

Inclusive, um dos mais antigos e duradouros programas de controle biológico do país tem na cana a cultura mais beneficiada: a utilização dos parasitoides, as vespas Cotesia flavipes Trichogramma galloi para o controle da broca-da-cana, além do fungo Metarhizium anisopliae para o controle da cigarrinha. Com recorde em registro de novos defensivos biológicos, o Brasil está na vanguarda desse movimento, mas precisa garantir um ecossistema regulatório baseado em ciência para continuar desfrutando dos benefícios ambientais, sociais e econômicos advindos dessa tecnologia. 

LEIA TAMBÉM:

Nesse sentido, a produção on farmtambém conhecida como “produção caseira” ou “produção nas fazendas” de insumos biológicos pode representar um risco para o agricultor e para o consumidor. Isso porque, quando multiplicados de maneira inadequada, além dos malefícios que podem causar à saúde humana, pela presença de agentes contaminantes causadores de doenças ou proliferação de espécies que produzam toxinas, eles podem sofrer perda da eficácia e resultar na não proteção da lavoura. Embora sejam inspirados na natureza, os biológicos levam em média cinco anos para o chegarem ao mercado, considerando desde as etapas de identificação de potenciais novos agentes até a sua aprovação pelos órgãos competentes e registro final. 

Está claro, portanto, que o Brasil tem condições continuar sendo um player importante nessa frente inovadora e sustentável da produção agrícola. É necessário, porém, reconhecer que a produção de bioinsumos exige conhecimento científico e a adoção de processos rigorosos de controle de qualidade em todas as suas etapas. O que se deseja é um produto livre de contaminantes que possam afetar a saúde das pessoas e com efetividade no controle de pragas e doenças. Para que o país possa continuar sendo uma potência agrícola e biológica no futuro, decisões importantes precisam ser tomadas no presente. 

*Christian Lohbauer é presidente executivo da CropLife Brasil

ARTIGOS RELACIONADOS

Dow AgroSciences lança solução para controle de pragas da videira

Com o novo inseticida Spindle, produtores rurais passam a contar com uma eficiente tecnologia no combate as principais pragas que atacam e prejudicam o...

De lixo a nutriente – Palha de café é fonte de adubo orgânico

  A palha do café pode ser usada para várias finalidades, dentre elas a adubação orgânica. Há quem use como combustível para secadores, como adubo...

Respostas da alface às algas + bioestimulantes

Vandimilli Araujo Lima Graduanda em agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) Rafaella de Paula Avelar Mestranda em Fisiologia Vegetal - UFLA A alface (Lactuca sativa) é...

VigorFert – Nutrição vegetal de ponta

Essa foi a primeira vez que a VigorFert participou da Fenicafé com estande, o que antes acontecia com parceiros. Especializada no segmento de nutrição...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!