23.7 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosSementes de milho: como escolher a melhor?

Sementes de milho: como escolher a melhor?

Fotos: Shutterstock

Fabrício Teixeira de Lima Gomes
Engenheiro agrônomo – Universidade Federal de Lavras (UFLA)
agro.fabriciogomes@gmail.com
Amanda Santana Chales
Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciência do Solo – UFLA
amandaachales@gmail.com
Júlio César Ribeiro
Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia, pesquisador e consultor
jcragronomo@gmail.com

No Brasil, a produção do milho vem aumentando de forma expressiva, principalmente em virtude da demanda crescente dos setores de suinocultura e avicultura, que utilizam o produto in natura ou processado em rações destinadas à alimentação animal.

Além da relevância na alimentação animal, o milho representa um fator social importante, principalmente em regiões de baixa renda, constituindo um dos alimentos base da alimentação da população. Além disso, é possível produzir com o cereal uma infinidade de produtos, tais como combustíveis, bebidas, polímeros e outros.

Devido ao seu clima tropical, no Brasil é possível realizar até três cultivos ao ano. Dessa forma, a produção nacional de milho na safra 2021/22 está estimada em mais de 115 milhões de toneladas, cultivado em uma área de 21,5 milhões de hectares, sendo este o segundo cereal mais produzido no País.

Como escolher uma boa semente

A escolha de uma boa semente de milho é de suma importância para garantir uma boa produtividade e rentabilidade ao produtor. Dessa forma, deve-se levar em consideração diversos aspectos, e o primeiro deles é a finalidade, se é milho verde, grãos ou para silagem.

Definida a finalidade, deve-se avaliar as condições climáticas e de solo da região, época de plantio, duração do ciclo, o nível tecnológico da propriedade e tecnologias presentes na semente que conferem maior eficiência no controle de pragas, doenças e plantas daninhas. Além disso, deve-se atentar às condições de aceitação do mercado consumidor.

Todos esses fatores ajudam a escolher o melhor híbrido de milho, no entanto, para que a semente seja de qualidade, o produtor deve investir em sementes certificadas, que asseguram estandes uniformes e de alto teto produtivo.

Como realizar um bom monitoramento na semeadura

A semeadura constitui uma das etapas fundamentais para garantir o sucesso da implantação da lavoura, definindo o potencial produtivo da cultura.

A semeadura deve formar um ambiente propício para que a semente entre em contato com o solo, possibilitando a absorção de água, essencial para o início do processo de germinação, além da distribuição adequada de sementes para a obtenção da população ideal de plantas.

Dessa forma, para obter uma semeadura eficiente do milho, deve-se monitorar alguns fatores, tais como: qualidade física e fisiológica das sementes, profundidade, velocidade de plantio, distribuição e número de sementes por metro, cobertura e condição do solo, e a posição do adubo.

Este monitoramento pode ser realizado por um técnico capacitado. Além disso, existem no mercado diversos equipamentos que são instalados nas linhas da plantadeira e que auxiliam no monitorando do plantio. 

O que caracteriza uma boa população de plantas

O milho é a gramínea mais sensível à variação na população de plantas. A produção de grãos aumenta com a elevação da densidade de plantio, até atingir uma densidade ótima, que é determinada pelo híbrido e por condições externas resultantes de condições edafoclimáticas do local e do manejo da cultura.

Dessa forma, para definir uma boa população de plantas deve-se considerar a disponibilidade hídrica, a fertilidade do solo, o ciclo, época de semeadura, o espaçamento entre linhas, além das características do híbrido selecionado.

Como a produção é beneficiada

O aumento da população e o arranjo das plantas de milho podem contribuir para uma maior exploração do ambiente e do potencial produtivo do híbrido, e consequentemente, maior produção de grãos.

A interceptação da radiação fotossinteticamente ativa pelo dossel exerce grande influência sobre a produção de grãos da cultura do milho, quando outros fatores ambientais são favoráveis. Uma forma de aumentar a interceptação de radiação é pela escolha adequada do arranjo de plantas.

Dessa forma, o melhor arranjo de plantas de milho é aquele que proporciona distribuição mais uniforme por área, possibilitando melhor utilização de luz, água e nutrientes.

Fotos: Shutterstock

Como ter eficiência no cultivo

Para que se tenha eficiência no cultivo do milho, deve-se realizar o preparo adequado do solo, fazer análise química do perfil, e quando necessário, a aplicação de corretivos e fertilizantes, sempre com base nos resultados da análise.

 Além disso, deve-se realizar o controle de plantas daninhas presentes na área, evitando competição por recursos como as plantas de milho, uso de sementes certificadas, população de plantas adequada e o monitoramento periódico de pragas e doenças, buscando sempre realizar o manejo integrado.

Outro fator importante é a presença de um técnico para acompanhar a lavoura em todos seus estádios de desenvolvimento.

Correção do solo

O manejo da fertilidade do solo é imprescindível para o bom desenvolvimento das plantas de milho. Assim, ao planejar a adubação, é importante levar em consideração os seguintes aspectos: análise química e física do solo e histórico da área.

A partir da análise do solo, deve-se determinar a necessidade de aplicação de calcário e a dose de macro e micronutrientes de acordo com a exigência da cultura. Além disso, deve-se levar em consideração a fonte do nutriente a ser utilizada e formas de aplicação.

De modo geral, observa-se que a extração de nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio e magnésio sobe linearmente com o aumento na produtividade, e que a maior exigência do milho se refere ao nitrogênio e potássio, seguindo-se do cálcio, magnésio e fósforo.

Com relação aos micronutrientes, as quantidades requeridas pelas plantas de milho são muito pequenas, no entanto, a deficiência de um deles tem efeito na desorganização de processos metabólicos e consequentemente, redução na produtividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Produção de cana-de-açúcar sofre com estresses hídrico

A cana-de-açúcar enfrenta desafios sérios com estresse hídrico e redução na biomassa devido às condições climáticas adversas.

Novo estilo de vida aumenta demanda por abacates

Nunca se teve uma busca tão grande por uma alimentação saudável como nos dias atuais.

Cultivares mais adaptadas ao mercado brasileiro

A Topseed Premium, linha de sementes profissionais de alta tecnologia da Agristar do Brasil, possui um amplo portfólio de materiais com capacidade de adaptação em todas as regiões brasileiras.

Irrigação potencializa produção no campo

Para tentar vencer as dificuldades provocadas por longos períodos de estiagem ou mesmo por ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!