18.1 C
São Paulo
quarta-feira, agosto 10, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Silício no controle de nematoides do cafeeiro

Silício no controle de nematoides do cafeeiro

Arthur Henrique Cruvinel Carneiro

Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), membro do Núcleo de Estudos em Cafeicultura (NECAF) e do Grupo de Estudos em Herbicidas, Plantas Daninhas e Alelopatia (GHPD)

arthurhcruvinel@hotmail.com

Crédito Inorbert Lima
Crédito Inorbert Lima

Os nematoides são pequenos vermes que atacam as raízes do cafeeiro e têm uma grande importância no cenário da cafeicultura nacional. Geralmente o ataque ocorre em reboleiras, sendo a sintomatologia da parte aérea mais evidente no período de estiagem, devido à menor quantidade de água disponível no solo e menor circulação de seiva.

O ataque severo dos nematoides é mais comum em regiões de solos arenosos, como no Paraná e São Paulo, também em áreas restritas no Sul e Alto Paranaíba, em Minas Gerais. Outras áreas de solos arenosos (como Oeste da Bahia) são potenciais para o ataque desses nematoides, bem como em solos já degradados, com baixo teor de matéria orgânica. Essas degradações provocam mudanças na biologia do solo, as quais favorecem a proliferação das populações dessas espécies.

Prejuízos dos nematoides à cafeicultura

Os nematoides afetam drasticamente o sistema radicular do cafeeiro, onde causam necroses e rachaduras, deixando as raízes com aspecto áspero. Desta forma, reduzem a absorção de água e nutrientes, afetando o desenvolvimento e a produção das plantas, que se tornam fracas, depauperadas e podem morrer.

As lavouras atacadas tornam-se antieconômicas, acabando por ser erradicadas e geralmente substituídas por outras culturas. Os nematoides possuem várias raças (4-5 já identificadas), o que dificulta o trabalho de seleção de variedades tolerantes.

A espécie de maior importância é a Meloidogyne incógnita, e uma das raças desta espécie foi caracterizada como uma nova espécie M. paranaensis.

Utilização do silício

O manejo nutricional, além do efeito no crescimento e na produção das plantas, também pode auxiliar no aumento da resistência e/ou tolerância das mesmas ao ataque de microrganismos patogênicos. Dentre os elementos minerais utilizados, o silício (Si) tem demonstrado efeito positivo por reduzir a severidade de doenças em diversas culturas, inclusive cafeeiros.

A indução de resistência utilizando-se o silício surge como opção para o manejo de nematoides na cultura do café. A resistência pode ser incrementada por modificações na anatomia (células da epiderme mais espessas, lignificadas ou silicatadas) e nas propriedades fisiológicas e bioquímicas (produção de substâncias inibidoras ou repelentes), ou simplesmente por alteração das plantas aos ataques das pragas, por meio do aumento de barreiras mecânicas (lignificação ou suberização) e pela indução da síntese de diversos compostos antimicrobianos que agem direta ou indiretamente sobre os nematoides.

O silício reduz a severidade de doenças no cafeeiro - Crédito Satis
O silício reduz a severidade de doenças no cafeeiro – Crédito Satis

Formas de utilização e aplicação

O silício ainda é um elemento com poucas pesquisas na agricultura, mas promete crescer bastante com os novos estudos sobre o seu papel na nutrição de algumas culturas de grande importância comercial.

Uma grande diversidade de materiais tem sido utilizada como fonte de Si para as plantas, como escórias de siderurgia, wollastonita, metassilicato de cálcio, metassilicato de sódio, silicato de magnésio (serpentinitos) e silicato de cálcio.

Existem vários produtos comerciais que apresentam Si em sua formulação, utilizando como base o silicato de cálcio. Outra estratégia que o cafeicultor pode adotar é a aplicação do silício via foliar. Muitas empresas estão apostando no uso de silicatos via folhas.

A época de aplicação recomendada é geralmente no período conhecido como ‘das águas’, que vai de setembro a março, época de maior exigência do cafeeiro: depois da colheita e início da vegetação.

Benefícios

Os silicatos possuem efeito corretivo (Alcarde, 1992). Com a sua aplicação no solo, o pH aumenta, os teores de Al+3 diminuem, a saturação por Al cai e a saturação por Bases sobe.

O Si (via solo) é absorvido pelas raízes das plantas na forma neutra, como ácido monossilícico (H4SiO4). O ácido monossilícico, depois de absorvido pelas plantas, é depositado, sobretudo, nas paredes das células da epiderme.

Ele contribui substancialmente para fortalecer a estrutura da planta e aumentar a resistência ao acamamento e ao ataque de pragas e doenças, além de diminuir a transpiração. Com todos os benefícios diretos e indiretos proporcionados pela utilização do silício, este elemento pode então aumentar a produtividade das lavouras cafeeiras.

Cuidados e escolha adequada da fonte

Os silicatos são as principais fontes de Si para a agricultura, mas para que sejam empregados é necessária a retirada dos metais pesados, algumas vezes encontrados em altas concentrações, que podem provocar sérios problemas ambientais.

As características desejáveis para uma boa fonte de silício são: boas propriedades físicas, alta concentração de Si solúvel, facilidade de aplicação mecanizada, pronta disponibilidade às plantas, boa relação e quantidades de cálcio e magnésio, baixa concentração de metais pesados e baixo custo.

Essa matéria você encontra na edição de março 2018 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

Inicio Revistas Grãos Silício no controle de nematoides do cafeeiro