Sistema de Mudas Pré-Brotadas: a inovação no modo de plantar cana

0
424
Créditos: Luize Hess

Foi lançada a quarta edição do Programa +Cana, fruto da parceria entre o Instituto Agronômico (IAC), a Cooperativa Agroindustrial (Coplana) e a Associação dos Fornecedores de Cana de Guariba (Socicana), que resultou em uma mudança de paradigma no plantio de cana-de-açúcar.

O projeto envolve o Sistema de Mudas Pré-Brotadas (MPB), desenvolvido pelo IAC há 10 anos e transferido a canavicultores de diversas regiões do Brasil, com acompanhamento técnico em todo o processo e cessão de novas variedades de cana IAC, adaptadas às regiões de cultivo.

A qualificação da produção tem contribuído para alçar alguns produtores a viveiristas de mudas credenciados pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Este nível de profissionalização é uma conquista da equipe responsável pelo trabalho e dos agricultores envolvidos, na avaliação do pesquisador do IAC e coordenador do projeto de MPB, Mauro Alexandre Xavier.

Para esta nova edição está sendo proposta uma maior capilaridade, podendo chegar ao total de 50 participantes associados à Coplana e Socicana. O objetivo é fazer a ligação com os beneficiados de edições anteriores de forma integrada.

Valor agregado

De acordo com Xavier, uma muda pré-brotada é um produto com valor agregado, que transfere ao setor produtivo uma possibilidade de multiplicação acelerada, e às variedades de cana IAC a garantia de suas características genéticas, vigor e padrão fitossanitário.

“As variedades entregues aos participantes do Programa +Cana são indicadas em função de critérios técnicos, considerando as características da região. Para a quarta edição serão indicadas as seguintes variedades: IACSP95-5000, IACSP95-5094, IACSP01-3127, IACSP01-5503 e IACSP97-4039.

Esse trabalho é orientado pelo compartilhamento da produção: o IAC faz a etapa de brotação da muda, considerada a mais crítica, oferecendo o material pré-brotado ao agricultor, que faz a aclimatação 1 e 2, dentro da propriedade, e finaliza a MPB. “A ideia é levar para dentro da propriedade rural essa forma compartilhada entre a pesquisa científica e um grupo de produtores, que se dividem na tarefa de gerar o produto usado pelo setor”, diz o pesquisador do IAC.

Ações

Dentre os participantes de edições anteriores, a avaliação é muito positiva. Para Renato Trevizoli, a adoção do sistema MPB tem resultado em ganhos significativos em produtividade e aumentado a janela de plantio. “A implantação de viveiros na propriedade nos trouxe uma grande independência para a introdução de variedades novas e a possibilidade de avaliar vários materiais dentro dos viveiros, possibilitando uma escolha mais segura quanto à eleição do material que será destinado para a área comercial”, avalia Trevizoli, produtor que faz parte da quarta geração da família dedicada à agricultura.

O pesquisador considera que, além da transferência da tecnologia e da inovação que caracterizam esse trabalho, a interatividade é bastante forte nessa ação. “Trazemos o agricultor para dentro da instituição de pesquisa e nós, pesquisadores, vamos para dentro da propriedade agrícola, onde de fato as coisas acontecem”, explica.

Para Xavier, o destaque do projeto é capacitar realmente o produtor, independentemente do porte da propriedade, para que ele faça a gestão de seu material de propagação, mantendo a qualidade no processo e abrindo outras possibilidades de negócio.

O acesso ao sistema MPB é visto de forma positiva pelo superintendente da Socicana, Rafael Bordonal Kalaki.. “Com poucos investimentos é possível produzir a MPB, montar seu viveiro primário e até comercializar as mudas”, avalia.