24.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesSoja convencional brasileira pode chegar ao Japão

Soja convencional brasileira pode chegar ao Japão

Mercado japonês de soja livre de transgênicos para consumo humano foi debatido em workshop entre entidades japonesas.

Em até dez anos, a produção brasileira de soja convencional poderia atender os consumidores japoneses. O estudo “Levantamento de Dados sobre o Fortalecimento Estrutural da Segurança Alimentar Mundial”, feito pelo consórcio Nippon Koei Lac e Japan International Cooperation Agency (JICA), mostrou que a demanda poderia ser de 230 mil toneladas de soja livre de transgenia em 60 mil hectares para consumo humano no Japão.

A demanda japonesa por soja livre foi apresentada na última semana por meio de uma pesquisa que levantou a cadeia produtiva no Brasil. Foram 29 questionários aplicados a produtores rurais, tradings e indústrias do Brasil e do Japão.

Variedades de soja convencional em campos experimentais do Instituto Soja Livre
Divulgação: Instituto Soja Livre

Cem por cento da soja utilizada para óleo e 78% da soja utilizada para alimentação no Japão são importadas e vêm 80% dos Estados Unidos, 14% do Brasil e 8% do Canadá. Dados do Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca do Japão, apresentados na pesquisa, mostram que o mercado é de 3,6 milhões de toneladas. Outro dado aponta que, em 2021, o complexo soja (grão, farelo e óleo) no país era de 5,9 milhões de toneladas.

Entre os cenários apresentados, o consórcio apontou que a curto prazo, ainda na safra 2023/24, conversações entre tradings e indústrias auxiliariam na avaliação de disponibilidade e capacidade de originação de sementes, logística e espaço em terminal portuário para fornecer volume de soja não-transgênica na modalidade a granel.

A médio prazo, seria montada uma operação customizada de acordo com a necessidade dos consumidor japonês, envolvendo produtores rurais brasileiros selecionados com capacidade de produção. A longo prazo, seriam realizadas parcerias com empresas de melhoramento genético, criação de linhas de financiamento e investimento em infraestrutura.

Atualmente, 100% da soja convencional importada pelo Japão vem dos Estados Unidos e o país precisa de uma alternativa para a segurança alimentar. Os representantes ressaltaram a importância de informar os consumidores japoneses sobre as legislações brasileiras e a produção sustentável.

O empresário e conselheiro do Instituto Soja Livre, Luiz Fioreze, informou que a entidade está trabalhando para mostrar ao mundo a sustentabilidade, confiabilidade e consistência da produção brasileira de soja livre.

“Porém, precisamos de estruturação da cadeia no Brasil e, ainda, de certeza de compra ‘do lado de lá’ também. Por exemplo, os agricultores plantam sem saber se haverá prêmio. Não podemos trabalhar sem contratos firmes e a médio e longo prazo, pois trabalhamos com duas ou três safras ‘para frente'”, afirmou. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Safra de verão: Está na hora do plantio

No Brasil, a agricultura está no momento de realizar uma das ações mais importantes para a safra de verão: o plantio. É durante esse período que a população de plantas é definida, de acordo com o ajuste de cada região de cultivo.

Níquel ajuda no controle de doenças fúngicas da soja

Há alguns anos atrás o níquel ainda não era considerado um elemento essencial, sendo tido até mesmo como tóxico para algumas plantas. Contudo, nos últimos anos foi comprovado que ele atende aos critérios de essencialidade, pois é componente da enzima uréase e também pelo fato de algumas leguminosas não conseguirem concluir seu ciclo de vida sem ele.

Dia Nacional da Cachaça

Além de carregar o DNA do país, a cachaça é uma bebida rica em histórias e curiosidades.

Ferrugem da soja já causou R$ 150 bilhões em prejuízos no Brasil

Se não controlada, doença causaria explosão de preços de carnes, óleo e alimentos, inclusive veganos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!