20.6 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 19, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosTecnologia e genética redefinem longevidade do tomate

Tecnologia e genética redefinem longevidade do tomate

Estendendo a vida útil do tomate de mesa: descubra como os avanços genéticos e estratégias de manejo estão ampliando o tempo de prateleira desses frutos essenciais

Crédito Shutterstock

Leonardo Alves Risso
Antonio Rosário Neto
Melhoristas de Tomates da Enza Zaden Brasil

O tomate de mesa ou “in natura” possui várias particularidades, entre elas a sua capacidade ou não de manter suas propriedades após determinado tempo depois de colhidos.

Este período, também conhecido como “tempo de prateleira” ou “shelf life”, é relacionado principalmente à velocidade de maturação dos frutos depois de colhidos (o tomate é climatérico, mantém o processo de maturação após a colheita) e de outros fatores, como a sua firmeza, textura e coloração.

Os parâmetros que aumentam o tempo de pós-colheita são amplamente procurados pelos produtores, uma vez que o Brasil apresenta uma dimensão territorial continental. Em muitos casos, os frutos de tomate colhidos necessitam de transporte de longas distâncias e duração, até chegarem à mesa do consumidor.

Esse fato pode levar a uma alta deterioração dos frutos, tais como apodrecimento, amolecimento e danos físicos.

Estratégia

Uma alternativa para ampliar o período de prateleira dos tomates frescos foi a incorporação de alelos mutantes de ocorrência natural, como o Ripening inhibitor (RIN), Nonripening (NOR), Never ripe (NR), e Alcobaça (ALC) em programas de melhoramento.

O primeiro híbrido RIN lançado no Brasil aconteceu em meados dos anos 90, em uma variedade do tipo salada, denominada Carmen F1. A variedade explorava tanto o período de amadurecimento, que como pioneira, concedeu-se ao nome do segmento de longa-vida, que comumente se estende até hoje nos supermercados e atacadistas.

Embora o amadurecimento dos frutos possa ser retardado pela ação sobre a inibição de enzimas e hormônios de amadurecimento. Há relatos e pesquisas científicas que demostram uma redução na coloração interna, bem como afetando a qualidade e o sabor dos frutos de tomate “RIN”.

Diante disso, uma segunda alternativa para ampliar o tempo de prateleira foi por meio de cruzamentos e seleções. Os pesquisadores buscaram selecionar dentro da genética disponíveis, plantas com maior firmeza estrutural, através do aumento da espessura das estruturas internas do fruto.

Deste modo, foi possível obter uma pós-colheita mais prolongada, mantendo os frutos com maior qualidade.

Genética

A Enza Zaden, uma das principais empresas de melhoramento e sementes de hortaliças do mundo, busca em seus híbridos, além da alta produtividade e resistência às principais doenças, a seleção de híbridos com foco na manutenção da qualidade na pós-colheita.

Seus híbridos apresentam alta firmeza estrutural, levando a excelentes resultados na qualidade dos frutos depois de colhidos.

Estamos comprometidos em oferecer soluções que elevam a qualidade da produção de tomates, impulsionando o sucesso dos produtores e proporcionando frutos de excelência aos consumidores.

Queremos convidar você a explorar mais sobre a Enza Zaden. Entre em contato com nossos especialistas por meio do QR Code ou explore nosso site para acessar informações sobre nossos híbridos e tecnologias inovadoras (www.enzazaden.com/br).

ARTIGOS RELACIONADOS

Degustação é destaque na 26ª Hortitec

Uma das maiores feiras sobre inovação e tecnologia em horticultura da América do Sul aconteceu entre os próximos dias 26 e 28 de junho. A 26ª...

Novo software identifica possíveis focos de incêndios

Oferecido por meio da parceria entre Grupo Index e Quiron Agrodigital, índice de assertividade do Flareless chega a 90%, superior aos principais sistemas disponíveis no mercado florestal brasileiro

Manejo da solução nutritiva em tomate hidropônico

Victor de Souza Almeida Consultor em Horticultura, mestre e doutor - Universidade Federal de Viçosa (UFV) victoragroufv@yahoo.com.br O cultivo hidropônico do tomateiro é uma técnica com a...

Tecnologia potencializa práticas ESG no setor florestal

A tecnologia está impulsionando práticas ESG (ambientais, sociais e de governança) no setor florestal, promovendo a sustentabilidade e a preservação dos recursos naturais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!