20.6 C
Uberlândia
terça-feira, maio 28, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosTemperatura x fotoperíodo no desenvolvimento micelial de alternaria

Temperatura x fotoperíodo no desenvolvimento micelial de alternaria

Leandro Luiz Marcuzzo
Doutor em Agronomia e professor – Instituto Federal Catarinense – IFC/Campus Rio do Sul
leandro.marcuzzo@ifc.edu.br

Diversas doenças incidem sobre as aliáceas, mas a mancha púrpura causada por Alternaria porri (Ellis) Cif. é a mais abrangente nessa família e comumente encontrada em todas as regiões produtoras de alho, alho-elefante, alho-poró, cebola e cebolinha-verde, com mais intensidade em condições de temperatura elevada e alta umidade.

Mancha púrpura é um sério problema em alho

Estragos

A doença promove a destruição da parte aérea da cultura e, como consequência, a redução da produtividade. Inicialmente, as lesões da doença são pequenas, irregulares e elípticas.

O centro esbranquiçado pode ser confundido com sintomas abióticos ou de fitotoxidade, o que também pode ocorrer quando a umidade relativa está abaixo de 70%. Com a expansão da lesão e sob influência da alta umidade relativa, ocorre a formação de um halo concêntrico de tonalidade púrpura, com a produção de esporos escuros na parte central.

Com a necrose do tecido, ocorre uma linha necrótica que acompanha as nervuras da folha. A ocorrência de várias lesões provoca o secamento da folha, que compromete a produção dos bulbos, ou que ficam com pequeno diâmetro.

O sintoma em bulbo de alho é pouco evidente em relação à cebola.

Pesquisas

O conhecimento da biologia do patógeno é de grande importância para compreender o desenvolvimento da doença no campo, bem como para tomar medidas de manejo da doença.

A pesquisa foi realizada no Laboratório de Microbiologia e Fitopatologia do Instituto Federal Catarinense/Campus Rio do Sul junto com a aluna Evelyn Kamphorst, do curso de agronomia, com o objetivo de avaliar in vitro a influência da temperatura e do fotoperíodo no crescimento micelial de A. porri.

O isolado de A. porri obtido de planta de alho-poró com sintoma da doença em lavoura foi multiplicado em placas de Petri contendo meio de cultura de BDA (batata-dextrose-ágar), por meio da coleta de conídios sobre o tecido lesionado.

Discos de micélio com 9,0 mm de diâmetro foram removidos dessas placas e inoculados no centro de placas de Petri com 8,0 cm de diâmetro contendo meio de cultura BDA e incubados em câmera de germinação do tipo B.O.D. (Demanda Biológica de Oxigênio) a uma temperatura de 25°C e fotoperíodo de 12 horas durante sete dias, para crescimento do micélio e obtenção do inóculo.

Após isso, discos de micélio foram transferidos para placas de Petri contendo meio de cultura BDA e incubados nas temperaturas de 10, 20, 30 e 40°C (±1°C) e fotoperíodo de 12 horas luz.

A cada dois dias foi feita a medição do crescimento micelial em duas linhas diagonais opostas com uma régua. No décimo dia, o micélio atingiu a proximidade das bordas das placas de Petri e finalizou-se as avaliações.

A partir da obtenção da temperatura ótima (24°C) de desenvolvimento, repetiu-se o ensaio seguindo a mesma metodologia da temperatura, incubando nos fotoperíodos de 0, 6, 12 e 24 horas de luz.

Para o fotoperíodo em função da temperatura ótima, o micélio atingiu a proximidade das bordas das placas de Petri ao oitavo dia e finalizou-se as avaliações.

Conclusão

Verificou-se que a temperatura influenciou o crescimento micelial, tendo apresentado melhor desenvolvimento entre 20 e 30°C (Figura 1A). Utilizando a equação gerada pela curva (y = -0,0263x² + 1,2595x – 8,425, R² = 0,998), obteve-se a temperatura ótima de 24°C para o crescimento micelial.

Menor valor (1,5 cm) de crescimento micelial foi obtido com 10ºC e, pela equação (Figura 1A), teria o limite de 9°C, não se desenvolvendo abaixo disso. Na temperatura de 40°C não houve crescimento, mas pela equação, o limite seria de 39ºC.

Portanto, o limite de desenvolvimento micelial fica dentro da faixa (±1°C) avaliada (10° – 40°). Resultado da temperatura está próximo do ideal de 22°C para germinação dos conídios, também verificado por Marcuzzo (2021).

Esses resultados in vitro confirmam os obtidos com o presente trabalho in vivo, no qual a doença necessita de temperatura elevada para seu desenvolvimento na planta. O próprio autor tem verificado nos experimentos de campo em que a doença não se desenvolve por causa da baixa temperatura durante o ciclo da cultura do alho nas condições do sul do Brasil.

Crescimento micelial

Em relação ao crescimento micelial em diferentes fotoperíodos, ajustou-se melhor a uma polinomial (R² = 0,8422) e através da equação y = -0,0005x² + 0,007x + 6,6436).

Verificou-se que o fotoperíodo mais favorável ao desenvolvimento foi de zero horas de luz, com um crescimento micelial final de 6,6 cm, quando comparado a 24 horas de luz, que obteve um crescimento final de 6,2 cm.

Porém, foi pouco expressiva a diferença (0,5 cm) do fotoperíodo ao se comparar a temperatura. Mediante isso, é possível que A. porri tenha seu crescimento favorecido por menores períodos de luz.

Assim, em dias de inverno, as poucas horas de luminosidade durante o ciclo da cultura no sul do Brasil acabam favorecendo o desenvolvimento da doença, mas são limitantes, por causa da temperatura.

Marcuzzo (2021) também não encontrou diferenças em relação ao fotoperíodo quando avaliou a germinação de conídios de A. porri.

O que se viu

Conclui-se que o melhor crescimento micelial foi obtido em temperaturas de 20 a 30°C, sendo a temperatura ótima de 24°C e menores períodos de luz.

As informações obtidas em relação à temperatura e ao fotoperíodo no crescimento micelial de A. porri permitem um maior conhecimento da biologia do agente causal da mancha púrpura da aliáceas, auxiliando no entendimento da epidemiologia e suporte para manejo da doença no campo.

Figura 1 – Curva de crescimento micelial (cm) in vitro de Alternaria porri em diferentes temperaturas (A) e fotoperíodos (B). IFC/Campus Rio do Sul, 2023.
ARTIGOS RELACIONADOS

Como a ocorrência do El Niño afetaria as commodities agrícolas?

De acordo com a previsão probabilística, divulgada pelo NOAA, existe uma probabilidade acima de 89% da ocorrência do fenômeno a partir do trimestre Junho-Julho-Agosto.

Tela termorrefletora aluminizada

Produzir alimentos de alta qualidade em ambientes onde a temperatura apresenta-se ...

Geada em cima de granizo deixa serra catarinense em alerta

Uma rara condição de geada em cima do granizo é observada no Vale do Caminhos da Neve, situado a cerca de 3 km do centro de São Joaquim, nesta manhã de quarta-feira (09/11).

Conservação da beterraba

A beterraba é uma importante cultura típica de outono-inverno, com preços mais altos ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!