22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiAgricultura de Precisão: a ordem é inovar

Agricultura de Precisão: a ordem é inovar

José Luis da Silva Nunes

Engenheiro agrônomo e doutor em Fitotecnia

jose.nunes@caixars.com.br

Agricultura de precisão - Crédito José Henrique Dotta
Agricultura de precisão – Crédito José Henrique Dotta

As rápidas transformações que a agricultura moderna vem sofrendo nas últimas décadas a tornaram uma atividade altamente competitiva. Com isso, o agronegócio exige dos produtores rurais um alto grau de especialização e de profissionalismo, visando aumentar a capacidade gerencial das empresas rurais.

Associada a essa capacidade administrativa está a habilidade do produtor de coletar dados e informações relativas à sua área produtiva, com o claro objetivo de adaptar novas tecnologias à sua realidade. Isso deve ser feito em função dos constantes riscos a que ele está exposto e que definem o sucesso da produção agrícola.

Dessa forma, é fundamental ao moderno produtor rural ter eficiência na aplicação dos recursos disponíveis, como forma de assegurar o sucesso em sua atividade. Assim, a obtenção de informações acerca dos fatores que interagem na lavoura e sobre as possibilidades de maximizar os seus efeitos parece crucial.

Plantio de batata com plantadeira de 4 linhas - Crédito Pivot
Plantio de batata com plantadeira de 4 linhas – Crédito Pivot

O que é

A Agricultura de Precisão (AP), como é chamada no Brasil, é o sistema de produção adotado por agricultores de países de tecnologia avançada. Denominado por tais produtores de Precision Agriculture, Precision Farming ou Site-Specific Crop Management, ele surgiu como um sistema de gerenciamento de informações e teve seu crescimento potencializado a partir de avanços da tecnologia de referenciamento e posicionamento, como o GPS (do inglês Global Positioning System) e de tecnologias de sensoriamento remoto. Conceitos surgiram a partir do emprego dessas técnicas na agricultura, como os de aplicação de insumos em taxas variáveis e os Sistemas de Informação Geográfica (SIGs).

Hoje, a solução utilizada de enfocar grandes áreas e entendê-las como homogêneas, levando ao conceito da necessidade média para a aplicação dos insumos (fertilizantes, defensivos, água etc.), faz com que, por exemplo, a mesma formulação e/ou quantidade do fertilizante seja utilizada para toda a área, atendendo apenas às necessidades médias e não considerando as necessidades específicas de cada parte do campo.

O mesmo acontece para os demais insumos, o que resulta numa lavoura com produtividade não uniforme. A AP prevê a reversão desse quadro, permitindo a aplicação de insumos agrícolas nos locais corretos e nas quantidades requeridas.

Mecanização de batata nos EUA - Crédito Seminis
Mecanização de batata nos EUA – Crédito Seminis

Filosofia

A AP é uma filosofia de gerenciamento agrícola que parte de informações exatas, precisas e se completa com decisões exatas. É uma maneira de gerir o campo produtivo metro a metro, levando em conta o fato de que cada pedaço da fazenda tem propriedades diferentes.

O principal conceito é aplicar os insumos no local correto, no momento adequado, e as quantidades de insumos necessários à produção agrícola, para áreas cada vez menores e mais homogêneas, tanto quanto a tecnologia e os custos envolvidos o permitam.

Assim sendo, a consolidação de tais tecnologias como ferramentas à disposição do produtor permitem visualizar a variabilidade espacial e temporal dos fatores edafoclimáticos de cada área agrícola, considerando as peculiaridades de cada parte da área no momento do manejo, ao invés de manejá-la como se fosse uniforme.

Os problemas iniciais encontrados no desenvolvimento do conceito e das práticas associadas à AP, como dificuldade na interpretação de um volume considerável de dados, elevado custo dos equipamentos, adaptação das tecnologias às diferentes regiões do globo e de popularização das técnicas envolvidas no processo, evoluíram para soluções viáveis, tornando-a uma ferramenta real ao alcance dos produtores.

A AP combina as novas tecnologias associando a informação com uma agricultura comercial madura. É um sistema de manejo de produção integrado, que tenta igualar o tipo e a quantia de insumos que entram na propriedade com as necessidades da cultura em pequenas áreas dentro de um campo. Essa meta não é nova, mas novas tecnologias, agora disponíveis, permitem que o conceito de AP seja percebido como realidade numa produção prática.

O principal conceito da agricultura de precisão é aplicar os insumos no local correto -Crédito Luis Gustavo Grecco
O principal conceito da agricultura de precisão é aplicar os insumos no local correto -Crédito Luis Gustavo Grecco

Gestão é a base

Hoje a AP é considerada, por boa parte dos especialistas em informação e sensoriamento, um sistema de gestão da produção agrícola em que são definidos e aplicados tecnologias e procedimentos visando otimizar os sistemas agrícolas, com enfoque no manejo das diferenças produtivas e dos fatores envolvidos na produção.

A questão-chave da AP diz respeito à variabilidade nas áreas agrícolas, sendo necessária a criação de condições de manejo que levem em conta essa diversidade. Desse modo, as ações em determinada área devem verificar que a aplicação de certas práticas num ponto e momento considerados específicos apresente como resposta maior potencial produtivo, com menor impacto sobre o ambiente.

Essa técnica envolve um complexo processo, cujo fundamento é o conhecimento espacial preciso da atividade agrícola, frequentemente baseado no uso de dados obtidos com o auxílio de satélites. Assim, a AP é uma filosofia de manejo da fazenda na qual os produtores são capazes de identificar a variabilidade dentro de um campo e, então, manejar aquela variabilidade para aumentar a produtividade e os lucros.

O termo engloba o uso de tecnologias atuais para o manejo de solo, insumos e culturas, de modo adequado às variações espaciais e temporais em fatores que afetam a produtividade. A Agricultura de Precisão objetiva aumentar a eficiência, com base no manejo diferenciado de áreas na agricultura.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de janeiro da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Clique aqui para adquirir já a sua. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Agrotóxicos – Uso sustentável é possível ao seguir recomendações

  Rômulo Penna Scorza Junior Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste   Utilizar o agrotóxico da forma correta, seguindo as recomendações do rótulo, é um dos preceitos para que...

Tratamento de sementes é a solução para nematoides em milho safrinha?

Autores Fabio Olivieri de Nobile Doutor e professor – Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos (Unifeb) fabio.nobile@unifeb.edu.br Maria Gabriela Anunciação Graduanda em Engenharia...

Fungicidas cúpricos para os cafezais

Autora Raíra Andrade Pelvine Engenheira agrônoma e doutoranda em Agronomia/Horticultura, Unesp-Botucatu raira_andpelvine@hotmail.com O cobre tem três funções principais em seu uso em lavouras de café:...

Haifa – Confiança em nutrição florestal

A Haifa tem como principal missão criar soluções altamente eficazes, por meio da experiência acumulada nos 50 anos de mercado. Possui conhecimento profundo de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!