28.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosFlorestasBioeconomia é a chave para manter desenvolvimento sustentável da Amazônia

Bioeconomia é a chave para manter desenvolvimento sustentável da Amazônia

Para Milton Steagall, CEO do Grupo BBF, é preciso desenvolver negócios que gerem emprego e renda para a população local.

Divulgação

O dia 5 de setembro marca a comemoração do Dia da Amazônia, data que visa chamar a atenção para o bioma, que inclui a maior floresta tropical do planeta. Para o CEO do Grupo BBF (Brasil BioFuels), Milton Steagall, empresa com atuação em cinco estados da região Norte, a data precisa trazer uma reflexão sobre a importância do desenvolvimento sustentável na região, como forma de manter a floresta em pé e trazer qualidade de vida para os mais de 29 milhões de amazônidas.
 

A chave para isso, segundo Steagall, está na bioeconomia, que consiste em um modelo de produção industrial baseado no uso de recursos biológicos e que oferece soluções para a sustentabilidade dos sistemas de produção, com o objetivo de substituir os recursos fósseis. De acordo com a Associação Brasileira da Bioinovação (BBI), a implementação da bioeconomia no Brasil pode gerar faturamento anual de US$ 284 bilhões por ano. “É um negócio excelente, que alia preservação ambiental, melhoria da qualidade de vida das pessoas e desenvolvimento socioeconômico”, afirma Steagall.
 

O cultivo sustentável da palma, também conhecida como dendê, na região Amazônica, é um exemplo que alia a recuperação do bioma, a substituição de matérias-primas fósseis por renováveis, além da geração de emprego e renda para a população local.
 

“A partir do óleo de palma é possível falar de bioeconomia dentro dos setores elétrico, químico e de biocombustíveis, além do agronegócio. Nosso país tem potencial de ser líder global na produção de óleo de palma. O desenvolvimento sustentável da região amazônica é urgente. É preciso viabilizar formas de manter a floresta em pé, mas também oferecer emprego, renda e riqueza para a população”, afirma o executivo.
 

O Grupo BBF mantém, atualmente, 75 mil hectares cultivados com a palma de óleo nos estados do Pará e Roraima. A empresa possui capacidade de produzir mais de 200 mil toneladas de óleo de palma anualmente. O Grupo BBF possui um modelo de negócio verticalizado, em que é possível atuar desde o plantio da palma de óleo, produção de biocombustíveis, biotecnologia e geração de energia elétrica renovável. A empresa gera cerca de 7 mil empregos diretos e 21 mil indiretos, além de incentivar mais de 400 agricultores familiares no estado do Pará.
 

Já no setor de energia, o Grupo BBF possui usinas termelétricas com capacidade total de geração de 238 MW, atendendo localidades isoladas na região Norte. São 25 usinas em operação com 86,8 MW de capacidade de geração e outras 13 em implementação. Todas elas operam com biocombustíveis renováveis (biodiesel e óleo vegetal) e biomassa oriunda da palma de óleo. A companhia gera energia renovável para mais de 140 mil moradores de localidades isoladas da Amazônia.
 

“O cultivo sustentável da palma de óleo é uma alternativa muito interessante ambientalmente e economicamente. Isso porque é uma planta que é cultivada em áreas degradadas da Amazônia até dezembro de 2007 e segue o Zoneamento Agroecológico da Palma de Óleo, estabelecido pelo decreto 7.172 do Governo Federal. É uma cultura perene que não pode ser mecanizada e gera milhares de empregos no campo”, conclui Steagall.
 

Sobre o Grupo BBF
 

O Grupo BBF (Brasil BioFuels), empresa brasileira fundada em 2008, é a maior produtora de óleo de palma da América Latina, com área cultivada superior a 75 mil hectares e capacidade de produção de 200 mil toneladas de óleo por ano. A empresa é pioneira na criação de soluções sustentáveis para a geração de energia renovável nos sistemas isolados, com usinas termelétricas movidas a biocombustíveis produzidos na região. Sua atividade agrícola recupera áreas que foram degradadas até 2007 na Amazônia, seguindo o Zoneamento Agroecológico da Palma de Óleo (ZAE), aprovado pelo Decreto 7.172 do Governo Federal, de 7 de maio de 2010.
 

O Grupo BBF criou um modelo de negócio integrado em que atua do início ao fim da cadeia de valor – desde o cultivo sustentável da palma de óleo, extração do óleo bruto, produção de biocombustíveis, biotecnologia e geração de energia renovável – com ativos totalizando cerca de R$ 2,2 bilhões e atividades gerando cerca de 7 mil empregos diretos na região Norte do Brasil. As operações do Grupo BBF estão situadas nos estados do Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima e Pará, compreendendo 38 usinas termelétricas (25 em operação e 13 em implementação), 3 unidades de esmagamento de palma de óleo, uma extrusora de soja e uma indústria de biodiesel.
 

A empresa está expandindo sua oferta de biocombustíveis e firmou parcerias para produção de Combustível Sustentável de Aviação (SAF) e de Óleo Diesel Renovável (RD), também chamado de diesel verde. Os novos combustíveis sustentáveis serão produzidos a partir de 2026 na primeira Biorrefinaria do país, em fase de construção na Zona Franca de Manaus.

ARTIGOS RELACIONADOS

Pecuária brasileira pode ampliar produtividade de forma sustentável, diz ABAG

O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de carne em nível global.

Cultivo do algodão impressiona estudantes durante atividade do projeto “Conhecendo o Campo“ em Barreiras

Em meio ao sorriso registrado pelas fotos do celular, a estudante Helainy Sousa da Silva, 11, do 5º ano do ensino fundamental, não disfarçava...

Irrigação e nutrirrigação garantem maior produtividade e maior calibre dos frutos na cultura da maçã

Por Cristiano Jannuzzi, Gerente Agronômico da Netafim Estudos realizados pela Embrapa Uva e Vinho de Vacaria/RS levam boas notícias para os produtores de maçã.  Os...

Atividade florestal: política de Desenvolvimento Rural Sustentável

A presença de florestas nativas nas propriedades rurais pode adicionar valores positivos para uma comunidade rural

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!