21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosBioinsumos em soja: qual a sua função?

Bioinsumos em soja: qual a sua função?

Foto: Luize Hess

Marina Barros Zacharias
Bacharela em Agroecologia (UFSCar) e doutoranda em Fitotecnia – ESALQ/USP
marinazacharias@terra.com.br  
Alasse Oliveira da Silva
Mestrando em Fitotecnia – ESALQ/USP
alasse.oliveira77@usp.br  
Abimael dos Santos Carmo Filho
Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia – ESALQ/USP
abmaelfilho@hotmail.com  

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Produtores e Importadores de Inoculantes (ANPII), na publicação Outlook GlobalFert® (2021), os produtores brasileiros têm verificado incremento de mais de 10% em produtividade em lavouras de soja devido à expansão da técnica de coinoculação (aplicação de Bradyrhizobium + Azospirillum), técnica esta que, na safra 2019/20, ganhou espaço em mais de nove milhões de hectares no Brasil.

No campo

Um dos exemplos mais conhecidos de sucesso no uso de insumos biológicos é a utilização de bactérias fixadoras de nitrogênio na cultura da soja, que assimilam N2 atmosférico. Elas disponibilizam nitrogênio às plantas em uma forma assimilável, promovendo incremento no rendimento de sementes e grãos e tornando desnecessário o uso de fertilizantes comerciais nitrogenados, que poderiam ser facilmente perdidos por lixiviação e apresentam custo significativo na produção.

Potencial

Há potencial para uso de bioestimulantes no cultivo de soja, como verificado em pesquisas utilizando extrato da alga marinha Ascophyllum nodosum, em que o produto auxilia na resistência da planta a condições climáticas adversas e os compostos presentes agem no metabolismo, reduzindo também a fitotoxicidade a herbicidas como o glifosato.

De acordo com a Embrapa, cerca de 33 milhões de hectares de áreas cultivadas com soja no Brasil utilizam bactérias do gênero Bradyrhizobium para promover a fixação biológica de nitrogênio, resultando em economia de US$ 8 bilhões por ano, devido à não utilização dos fertilizantes nitrogenados convencionais.

O que se vê

Dentre os diversos benefícios dessa tecnologia, mais carbono é incorporado ao solo e as perdas de nitrogênio para o ambiente são minimizadas. É nítido o custo-benefício da adoção de bioinsumos nas lavouras, como manutenção da resiliência e maior sustentabilidade na produção agrícola.

No caso do uso de organismos que favorecem a fixação biológica de nitrogênio, verifica-se que o aporte de nitrogênio não se torna excessivo, como ocorre com os fertilizantes nitrogenados sintéticos, em que as perdas podem superar 50% do que foi aplicado no agroecossistema, levando à contaminação de cursos d’água, aumento de gases de efeito estufa e implicando em alto custo de produção.

ARTIGOS RELACIONADOS

Hora de fazer análise de solo e da lavoura

Autor Daniel Vidal Perez Pesquisador da Embrapa Solos A amostra de solo deve ser coletada, no mínimo, dois a três meses antes do plantio para...

Aminoácidos garantem mais força para as batatas

  Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

Fósforo a lanço – Verdades e mitos da técnica

Luis Fernando Gundim Engenheiro agrônomo da Cia da Terra Agronegócios luis.fernando@ciadaterra.com A adubação a lanço não tem maiores inconvenientes entre os nutrientes nitrogênio (N) e potássio (K),...

Como evitar perdas com “queima de pontas“ no cultivo de alface

  Paulo Cesar Hidalgo Engenheiro agrônomo da Emater Paraná - regional de Cornélio Procópio (PR) paulohidalgo@emater.pr.gov.br   A alface (lactuca sativa) é a espécie folhosa mais consumida no país,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!