26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosMilho safrinha

Milho safrinha

Talis Melo ClaudinoEngenheiro agrônomo e mestrando em Agronomia/Energia na Agricultura – UNESP/FCA de Botucatut.claudino@unesp.br

Maurício Godoy Pereira dos SantosEngenheiro agrônomogodoymauricio.p@outlook.com

Murillo Pegorer SantosEngenheiro agrônomo e produtor ruralmurillo@rosalito.com.br

Milho – Fotos: Shutterstock

 O cultivo de milho de segunda safra, conhecido como milho safrinha, já é amplamente realizado no Brasil, já que esta cultura perdeu seu espaço no verão para o cultivo da soja, sendo a segunda cultura escolhida pela maioria dos agricultores para realizar seus investimentos.

Contudo, neste ano de 2021, com o preço elevado deste produto, a safrinha promete grande escala de produtividade no Brasil, mesmo chegando a ser cultivados em maiores períodos de risco, já que o plantio de soja 2020/21 atrasou devido ao baixo índice pluviométrico.

Entretanto, a produção estimada para este ano é 10,8% superior em relação ao que foi produzido no ano passado, sendo de 82,40 toneladas de grãos, e ainda, com alto valor de venda, trazendo ao agricultor grande rentabilidade.

Para isso, a nutrição é um dos pilares primordiais para que esta cultura possa chegar a ter altas produtividades, devendo sempre fazer o balanço correto entre os macro e os micronutrientes, para que assim a rentabilidade final seja adequada.

Nutrição primária e secundária

Os nutrientes se dividem em macronutrientes primários: N, P e K; macronutrientes secundários: Ca, Mg e S; e micronutrientes: B, Cl, Mo, Co, Cu, Fe, Zi, Mn. Também temos os micronutrientes benéficos, como o Ni, Se e Si.

Nesta matéria, iremos abordar os benefícios do Cálcio (Ca) na cultura do milho safrinha, elemento de grande importância em toda a fisiologia e construção de material vegetal, como fibras nas culturas, além de ser o componente essencial para a parede celular, formação de flores, crescimentos de raízes e mais diversas funções metabólicas.

Na safrinha, normalmente o Ca utilizado é aproveitado da calagem realizada para a cultura da soja no ano anterior, ou seja, pelo menos 130 dias antes de seu plantio. Sua necessidade para a cultura é clara, visto que sua deficiência pode causar sintomas primeiramente nas folhas mais novas, em que suas pontas apresentam pontos verdes ou esbranquiçados, lesões intercaladas, redução do crescimento nos tecidos meristemáticos e folhas arqueadas para trás.

O cálcio é um elemento imóvel na planta, ou seja, não transportado via floema. Sendo assim, adubações foliares de cálcio têm baixa eficiência, já que a cultura do milho extrai, para a produção média de 10 ton/ha, aproximadamente 32 kg de cálcio por hectare.

Desafio

[rml_read_more]

O grande problema é: como saber se a cultura da soja promoveu a correção do solo ideal quando a cultura do milho é implantada? Ou seja, o V% de 70, ou o conteúdo de cálcio no solo está adequado para a neutralização do alumínio? Ainda mais, como a safrinha é semeada praticamente em seguida à colheita da soja, o tempo de análise de solo e correção do mesmo não é suficiente, portanto, essa espera pode causar prejuízos àcultura?

Técnicas devem ser utilizadas para a minimização deste problema, por cálculos estequiométricos e recomendações já existentes por instituições e fundações de pesquisa. É possível realizar a correção do solo da soja já pensando na necessidade do milho safrinha que virá no próximo ano.

Lembrando que, para soja, normalmente se utiliza a relação 3/1 ou 4/1 para cálcio/magnésio. Já para milho foi visto que a relação 12/1 (contudo o magnésio deve estar acima de 5 mmoc dm-3) apresenta grande resposta ao agricultor. Isso deve ser analisado diretamente na calagem, pois ela irá realizar o suprimento deste nutriente para a cultura.

Outra forma pensando somente no fornecimento do nutriente para a cultura do milho safrinha é, após uma boa calagem realizada na cultura da soja, fazer o plantio do milho safrinha com fertilizantes que possuem cálcio em sua formulação, preferível de 3 a 5% de cálcio para o fornecimento total às plantas, assim sendo possível alcançar altas produtividades.

O tempo é curto, sendo impossível realizar mágicas para obtenção de altas produtividades quando estamos pensando na necessidade do cálcio pela planta, para que estão alcance o máximo potencial produtivo. Assim, devemos sempre manter o teor de cálcio no solo corrigido, o que acontece quando temos o teor de cálcio em 40 mmolc dm-3, desta forma, não ocorrerá o problema da deficiência.

Planejamento

Sendo assim, devemos pensar sempre no momento do planejamento da soja, que é a fase em que o milho responderá diretamente. Inicialmente pode parecer ao agricultor que a necessidade de calagem para as duas culturas é mais elevada, e assim mais cara, em relação às duas culturas juntas. Mas, este pensamento é necessário para que se tenha um bom ano agrícola, levando a maior rentabilidade ao agricultor.

As análises de solo são fundamentais para estas decisões, em diversas profundidades, 0 – 20 cm, 20 – 40 cm, e se possível em solos corrigidos em profundidade, realizar até mesmo a verificação do estado nutricional na profundidade de 40 – 60 cm.

Ou seja, planejar desde o início da safra, para obter bons resultados nela, e em seguida resultados expressivos na safrinha, são um investimento parcialmente maior, mas que irá apresentar altas produtividades das duas culturas. Vamos deixar o planejamento isolado para lá, afinal, a agricultura moderna deve se fundamentar no ano safra e não somente em uma cultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Silício no maracujá

O Brasil é o maior produtor mundial de maracujá, com produção em torno de 593 mil toneladas ...

Para qual direção caminha a produção da cana-de-açúcar no Brasil?

No cenário do direcionamento da produção de cana-de-açúcar no Brasil destacam-se tecnologias ...

Revolução das sementes de soja

  Francisco Soares Neto Diretor-presidente da TMG A sojicultura é hoje, no Brasil, a atividade com o maior giro financeiro em toda a cadeia do agronegócio....

Enfezamento do milho: E agora?

O Brasil ocupa lugar de destaque na produção de milho, sendo o terceiro produtor mundial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!