25.6 C
Uberlândia
quarta-feira, junho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCalagem: Qual o momento ideal de aplicar?

Calagem: Qual o momento ideal de aplicar?

Autores

Mariane Gonçalves Ferreira Copatimarianegonferreira@gmail.com

Herika Paula Pessoaherikapaulapessoa@gmail.com

Françoise Dalprá Darivafran_dariva@hotmail.com

Engenheiras agrônomas e doutorandas em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Aplicação de calagem – Crédito: Nutrion

A calagem é a etapa do preparo do solo destinada à aplicação do calcário, e tem como objetivo neutralizar a acidez e os efeitos nocivos do alumínio e do manganês no solo e, também, fornecer cálcio e magnésio para as plantas.

Além disso, a calagem promove a elevação do pH do solo, o qual deve estar dentro dos limites estabelecidos para o desenvolvimento de cada cultura. O maior aproveitamento dos benefícios oferecidos pela calagem ocorre quando realizada com antecedência, situação em que há tempo suficiente para a reação do corretivo no solo.

 Dessa forma, é possível garantir que, no momento do plantio, a acidez e os elementos tóxicos, alumínio e manganês já estejam neutralizados e os elementos cálcio e magnésio prontamente disponíveis para utilização pelas culturas.

Benefícios

Os benefícios da calagem nas plantas podem ser observados, principalmente, no aumento do crescimento radicular e na absorção dos nutrientes essenciais para o desenvolvimento e crescimento das plantas. 

A absorção dos nutrientes é dependente do pH do solo, dessa forma, à medida que o pH aumenta, até certo limite ocorre o aumento na absorção dos nutrientes. A correção do pH do solo também cria condições adequadas para o crescimento de microrganismos benéficos, os quais podem atuar na degradação da matéria orgânica e liberação de nutrientes como nitrogênio, fósforo e enxofre para as plantas, favorecendo a nutrição adequada e, consequentemente, maximizando a produtividade.

Dessa forma, sem uma calagem adequada a nutrição das plantas é prejudicada e, consequentemente, são observadas reduções drásticas no rendimento das lavouras.

[rml_read_more]

Comece pela análise

A recomendação geral da época para realizar a calagem é de pelo menos três meses antes do plantio da cultura. No entanto, os principais fatores determinantes para escolha da época de aplicação são a disponibilidade hídrica do local e a qualidade física e química do calcário, uma vez que esses aspectos determinam o poder de reação do calcário no solo. A qualidade do calcário pode ser medida pelo seu poder relativo de neutralização total (PRNT).

O primeiro passo para uma boa recomendação da calagem é a realização da amostragem do solo e o envio para análise química. Uma boa análise de solo começa com a coleta adequada das amostras. O recomendado é dividir a área em talhões de no máximo 10 hectares, que sejam homogêneos quanto à vegetação, topografia, tipo de solo, tempo de uso, produtividade e aplicação de fertilizantes.

Áreas com manchas de solo e declividade acentuada devem ser amostradas separadamente. Para a maioria das culturas, a retirada das amostras é feita na profundidade de 0 a 20 cm (“camada arável”) caminhando em zigue-zague ao longo do talhão.

Nos sistemas de cultivo convencional, quando se deseja obter informações sobre a fertilidade de camadas mais profundas, recomenda-se coletar uma amostra composta para cada  20 cm de profundidade do solo, ou seja, uma amostra para a camada de 0 a 20 cm, outra para a camada de 20 a 40 cm, e assim por diante.

Em sistemas de plantio direto, o ideal é que esse intervalo seja menor (em torno de 10 cm). O número de amostras simples, coletadas em pontos ao acaso, varia entre 15 e 20 amostras por talhão, que deverão ser misturadas formando a amostra composta, que será enviada ao laboratório, pesando aproximadamente 500 g.

Quando se pensa na recomendação da calagem, o ideal é que a análise química do solo seja feita antes da implantação de qualquer cultura ou, pelo menos, uma vez ao ano. É importante ressaltar que as amostras devem ser encaminhadas para laboratórios certificados e com rigoroso controle de qualidade.

A partir dos resultados da análise do solo, o engenheiro agrônomo poderá verificar a necessidade e a quantidade de calcário que deverá ser aplicada, bem como definir o tipo de calcário e método de aplicação. A aplicação do calcário é, normalmente, realizada a lanço, com ou sem a incorporação, dependendo do sistema de cultivo adotado. 

Fique de olho

O manejo incorreto da calagem nas diferentes áreas de cultivo culmina no insucesso da técnica, fazendo com que produtores duvidem de seus benefícios, o que gera uma certa resistência para sua adoção.

Dos erros mais frequentes, destacam-se, principalmente, a negligência da análise química de solo, ou mesmo erros de amostragem, o que acaba resultando na aplicação de doses equivocadas de calcário na área. Para o cálculo da necessidade de calagem é imprescindível que o técnico tenha à sua disposição a análise química do solo e que esta represente o mais fielmente possível as condições de campo.

Outra dúvida frequente dos produtores é quanto à incorporação ou não do calcário nos diferentes sistemas de cultivo. A incorporação do calcário na camada de 0 a 20 cm por meio da aração ou da gradagem da área é recomendada no cultivo convencional, uma vez que o revolvimento do solo após a distribuição do calcário a lanço amplia a superfície de contato entre o corretivo e os coloides do solo, favorecendo as reações de neutralização da acidez.

No caso de sistemas de plantio direto, contudo, a incorporação do calcário não é recomendada. Existem trabalhos mostrando que a aplicação de calcário em superfície, nos sistemas de plantio direto, já é suficiente para elevar o pH e os teores de cálcio e magnésio, bem como para diminuir os teores de alumínio trocável, especialmente nas primeiras camadas de solo.  

Vale ressaltar que o produtor deve tomar cuidado para não ocorrer problemas com supercalagem, que é a aplicação de doses de calcário acima das recomendáveis. A supercalagem traz diversas desvantagens para os sistemas agrícolas, como a maior dispersão da fração argila do solo, mineralização excessiva da matéria orgânica do solo e redução da disponibilidade dos nutrientes para as plantas.

Custos

De forma geral, os custos com a calagem correspondem a uma pequena fatia do custo total de produção. Trabalhos recentes mostram que essa representatividade fica em torno de 2,65% para a cebola, 4,78% para o amendoim, 1,73% para a uva e 2% para a goiaba.

Além do custo baixo, o emprego dessa técnica tem demonstrado ganhos significativos em produção, o que justifica ainda mais o seu uso.


Essencialidade

O Brasil é hoje um grande produtor e exportador de alimentos. A calagem exerce um papel fundamental para que isso seja possível. Uma parcela significativa dos solos brasileiros é bastante ácida e apresenta altos teores de alumínio, como por exemplo, os solos das áreas de Cerrado.

Esses solos, que hoje correspondem a grande parte das áreas agricultáveis do País, eram inaptos para agricultura até o surgimento e implementação da calagem. O fornecimento de cálcio e magnésio proporcionado pela calagem faz com que essa prática também seja benéfica nos solos com acidez e teores de alumínio e manganês menos extremos, maximizando os lucros nessas áreas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Adubação e nutrição da macieira – O que você ainda não sabe

  Clori Basso Engenheiro agrônomo da Epagri   A cultura da macieira, frutífera perene de porte arbóreo, tem peculiaridades que a distinguem de outras espécies quanto a exigências...

Aminoácidos melhoram absorção de nutrientes em cenoura

Os aminoácidos são aliados poderosos para uma melhor absorção de nutrientes pela cenoura.

Bioestimulantes proporcionam maior vigor à plântula

Bioestimulantes são compostos que incluem substâncias naturais e microrganismos que, quando aplicados à planta ou à rizosfera, promovem uma maior eficiência do uso de nutrientes e um incremento da tolerância a estresses bióticos e abióticos.

Nova forma de condução da pimenta-do-reino

Luiz Augusto Lopes Serrano Pesquisador da Embrapa Agroindústria Tropical luiz.serrano@embrapa.br Inorbert de Melo Lima Pesquisador do Incaper - CRDR Centro Norte inorbert@incaper.es.gov.br Várias espécies do gênero Eucalyptus são...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!