19.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesChuvas atrasam colheita da soja no MATOPIBAPA, mas não afetam plano de...

Chuvas atrasam colheita da soja no MATOPIBAPA, mas não afetam plano de armazenamento da Agronorte

Chuva/Pixabay

As chuvas que faltaram na época do plantio da soja impedem, agora, o fluxo normal da colheita no MATOPIBAPA, região compreendida pelo sul do Maranhão, Tocantins, sul do Piauí, oeste da Bahia e sul do Pará. Segundo Fabiano Ramalho, especialista em mercado agrícola da Agronorte, 25% da safra já foram colhidos, mas os agricultores estão apreensivos pois têm até o final de fevereiro para liberar as áreas para o milho safrinha.

Ramalho explica que a falta de chuvas na época da semeadura da soja jogou a “janeira de plantio” para a frente, atrasando o início do cultivo do milho safrinha. “Os agricultores querem colher, mas o tempo não está permitindo avançar no ritmo desejado”.

Segundo o levantamento de fevereiro da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de soja no MATOPIBAPA deve ficar 500 mil toneladas menor do que na safra passada, atingindo 22,4 milhões de toneladas na região. Já o milho de verão perdeu 1,9 milhão de toneladas em relação à safra 2022/2023, com 5,3 milhões de toneladas colhidas, de acordo com o mesmo relatório.

O desempenho da soja e do milho na região não muda os planos de originação da Agronorte, que pretende armazenar cerca de 120 mil toneladas de grãos em 2024. Para isso, conta com uma unidade de armazenamento em Pedro Afonso (TO) e a recém-adquirida unidade de Açailândia (MA). “Temos total confiança no crescimento da agricultura do MATOPIBAPA. Problemas climáticos e de produtividade fazem parte do negócio. Vamos construir um terceiro armazém no Tocantins, que elevará nossa capacidade para 138 mil toneladas por ano”, informa Vinicius Carvalho, diretor da Agronorte.

Além disso, a Agronorte construirá uma segunda fábrica de ração com capacidade total para 60 mil toneladas estáticas, somando-se à atual unidade, de 12 mil toneladas estáticas, para fortalecer sua divisão de nutrição animal.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

FMC participa da 20ª edição do Rally da Safra

Indústria é a única do setor de defensivos químicos e biológicos a patrocinar o evento; resultados trarão investimentos e produtos para o campo

AgBiTech lança ferramenta biológica

A busca por alternativas eficientes, de baixo custo e ambientalmente seletivas para controle de pragas impulsiona o mercado de produtos biológicos na soja.

Impactos negativos na produtividade da soja: como diminuir com manejo integrado

Condições climáticas juntamente com a incidência de pragas, doenças e plantas daninhas na soja comprometem de forma significativa produtividade e custo operacional da safra

Ferrugem na safra 2021/22 foi de baixo impacto

Considerada a doença mais agressiva da cultura da soja, a Ferrugem Asiática reduziu o prejuízo sobre a produtividade nas lavouras de Mato Grosso graças às estratégias integradas de combate ao patógeno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!